Editorial da Semana | 9 de janeiro de 2020

Estreias e Dicas desta quinta-feira

Por Redação

Janeiro é o mês das premiações internacionais de cinema, que são um termómetro para o tão aguardado Oscar. Janeiro também acontece a Retrospectiva Federico Fellini no CCBB RJ, comemorando o centenário de seu nascimento (dia 20). A semana traz nossa cobertura do Critics’ Choice Awards 2020, que acontece no domingo agora (12). Confira as estreias, o curta da semana, os filmes em cartaz, nossas listas completas no Letterboxd… Sim, Janeiro veio com tudo!

PRÉ

Bombshell

O ESCÂNDALO é acima de tudo um filme ativista. De ligamentos políticos. Contra o “câncer” da massificação do imaginário popular. De mulheres contra a supremacia masculina (com suas piadas homofóbicas, preconceituosas, conservadoras e “limitadas”, quase infantis), que não querem o rótulo de feministas, apenas lutar por seus direitos. Mas que no fundo os “perdoam” por suas ingenuidades e seus instintos fisiológicos de “macho para transar”. A narrativa também busca a modernização com suas interferências da metalinguagem, quando uma das personagens explica tim-tim por tim-tim olhando diretamente para a câmera (e/ou quando ouvimos seus pensamentos impublicáveis e imediatos), que por sua vez é o próprio público, como se fosse um grande documentário dos bastidores, um que mais sério e mais dramático da forma mockumentary. É tudo sobre o por trás do poder. Sobre “Não respirar” e sobre “desligar o cérebro às vezes”. Leia a crítica completa AQUI!

ESTREIAS

Portrait de la jeune fille en feu

O cinema não comporta mais uma realidade em que diretoras como Céline Sciamma (de uma das obras mais fundamentais da década, “Tomboy”) não se façam presentes nas grandes manchetes, ocupando espaços que não lhe eram permitidos. Em “RETRATO DE UMA JOVEM EM CHAMAS“, a despeito de questões a serem trabalhadas, o espectador consegue, genuinamente, enxergar o que de melhor a arte audiovisual pode oferecer. Ao contrário da maneira quase automatizada com a qual alguns dos grandes expoentes do setor se valeram para lançarem suas obras nos últimos anos, o longa-metragem francês causa deslumbramento a partir do bom trato com os elementos e as ferramentas fundamentais para sua constituição. Leia a crítica completa AQUI!

Underwater

Esqueça dramas familiares, lágrimas de crocodilo e flashbacks óbvios como muletas narrativas. “AMEAÇA PROFUNDA” tem tanta certeza de sua força que nos insere na claustrofobia de imediato e segue assim sem concessões. A cena inicial nos apresenta Norah (Kristen Stewart). Ela começa a escovar os dentes e vê uma assustadora aranha dentro da pia. Assim que ela ajuda o animal a escalar, atingindo este uma superfície que servirá de paralelo narrativo de todo o filme, ela escuta as explosões que nos jogam direto na crise. O início solitário da protagonista será rompido com a adição de um grupo de sobreviventes. Eles deverão se organizar de maneira que o objetivo de chegar mais perto de um local seguro seja alcançado sem que as provisões de oxigênio os deixem na mão. Leia a crítica completa AQUI!

Little Women

Dirigido pela eterna “Frances Ha”, Greta Gerwig (de “Lady Bird – A Hora de Voar”), “ADORÁVEIS MULHERES” baseia-se no primeiro livro da saga “Mulherzinhas” (traduzido do “Little Women: or Meg, Jo, Beth and Amy”, de 1868, expressão que simboliza “mulheres em processo de se libertar de um mundo binário opressivamente machista”) da escritora norte-americana Louisa May Alcott, que era transcendentalista, abolicionista, feminista, se dedicou a literatura infantil (e a “escrever histórias felizes” para “sobreviver”, ainda que com sua ininterrupta vertigem crônica). Leia a crítica completa AQUI!

Kursk

Lembra daquele filme do submarino, qual era o nome mesmo? Lembro, o nome dele é “KURSK: A ÚLTIMA MISSÃO“. Os cinéfilos inveterados colocarão essa obra, dirigida por Thomas Vinterberg em uma lista que, no lado russo, conta com “Caçada ao Outubro Vermelho” (1990); “Maré Vermelha” (1995); e “K-19: The Widowmaker” (2002). É possível que, caso quem pergunte não se lembre se o submarino era russo ou alemão, se acrescente dentre as opções “U-571: A Batalha do Atlântico” (2000) e – esse sim original e minimamente prazeroso – “O Barco: Inferno em Alto Mar” (1981), de um Wolfgang Petersen prestes a iniciar uma carreira de filmografia heterogênea em Hollywood. Leia a crítica completa AQUI!

CURTA-METRAGEM DA SEMANA

Há também toda semana em nosso site a exibição de um curta-metragem. Nesta, nosso leitor pode conferir “QUINTAL” (Brasil, 2015, de André Novais Oliveira). Leia a crítica AQUI!

RETROSPECTIVA FELLINI, IL MAESTRO

 

INDICADOS AO CRITICS’ CHOICE AWARDS 2020

EM CARTAZ

Muitos filmes imperdíveis ainda estão em cartaz. Uma última chance de poder conferir obras que receberam nota máxima de nosso site e no escurinho da tela grande. Confira a lista completa AQUI

CINCO CÂMERAS
O Paraíso Deve Ser Aqui
Parasita
Uma Mulher Alta

QUATRO CÂMERAS
A Vida Invisível
Aqueles que Ficaram
Dois Papas
O Farol

TRÊS CÂMERAS
Adam
Bacurau
O Caso Richard Jewell
Deus é Mulher e Seu Nome é Petúnia
Entre Facas e Segredos
Feliz Aniversário
Mama Colonel
Meu Amigo Fela
Minha Irmã da Paris

DUAS CÂMERAS
A Batalha das Correntes
Frozen II
Minha Mãe é uma Peça 3
Synonymes
Um dia de chuva em NY

UMA CÂMERA
Brincando com Fogo
Cats
Playmobil – O Filme
Star Wars: A Ascensão Skywalker

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *