O Escândalo

Contra a toca dos lobos

Por Fabricio Duque

Durante o Festival do Rio 2019

Exibido como filme de encerramento do Festival do Rio 2019, e agora figurando nas categorias principais das premiações de cinema, “O Escândalo” é sobre o empoderamento feminino no meio do jornalismo americano contra os abusos sexuais dos superiores-chefes-deuses. Não há como não perceber uma alusão à história do produtor Harvey Weinstein, o “Deus” de Hollywood.

Dirigido por Jay Roach (de “Austin Powers: 000, um Agente Nada Discreto”, “Entrando numa Fria Maior Ainda”), “O Escândalo” busca conduzir o espectador pela estrutura narrativa (tom verborrágico e edição ágil nos cortes ultra-rápidos, que chegam a confundir a atenção e o foco) de um de seus filmes anteriores “Trumbo – A Lista Negra” conjugado com o gênero investigativo-dossiê de cunho pessoal, como “Erin Brockovich – Uma Mulher de Talento”, de Steven Soderbergh. O realizador é homem, heterossexual, branco, rico e importante figura da indústria cinematográfica. A pergunta que se faz imediatamente é: Será que as feministas do #metoo irão implicar? Não sei, mas algumas críticas já se posicionaram contra.

O longa-metragem, com o trio de peso (Charlize TheronNicole KidmanMargot Robbie) é uma “dramatização inspirada em fatos reais” sobre apresentadoras de televisão, que para conseguirem a ascensão social do status âncora, precisam se submeter às regras machistas (e o assédio sexual de Roger – o ator John Lithgow – “atrevido, discreto e implacável” “teste do sofá”, igual, por exemplo, à cena em que uma “sonhadora” ambiciosa é “estimulada” a levantar a calcinha para deleite de seu empregador, que vê o “currículo como mídia visual”), padronizando-se suas aparências e tolerando picardias não respeitosas (inclusive com seus talentos, como a entrevista com o “sexista” Donald Trump, ainda candidato à presidência – “depreciativo no linguajar sobre as mulheres”).

Sim, é um filme denúncia e o que se quer debater é o silêncio das vítimas, que por medo de perder seus empregos (acabar com suas carreiras) e/ou da estigmatização, mantêm-se caladas como se nada tivesse acontecido pela “cantada inocente”. Acusadas de “raiva menstrual” por “achar” que são tratadas como objeto sexual. São humilhadas pelo simples fato de serem mulheres e se submetem a tudo pelo sucesso.

“O Escândalo” é acima de tudo um filme ativista. De ligamentos políticos. Contra o “câncer” da massificação do imaginário popular. De mulheres contra a supremacia masculina (com suas piadas homofóbicas, preconceituosas, conservadoras e “limitadas”, quase infantis), que não querem o rótulo de feministas, apenas lutar por seus direitos. Mas que no fundo os “perdoam” por suas ingenuidades e seus instintos fisiológicos de “macho para transar”.

A narrativa também busca a modernização com suas interferências da metalinguagem, quando uma das personagens explica tim-tim por tim-tim olhando diretamente para a câmera (e/ou quando ouvimos seus pensamentos impublicáveis e imediatos), que por sua vez é o próprio público, como se fosse um grande documentário dos bastidores, um que mais sério e mais dramático da forma mockumentary. É tudo sobre o por trás do poder. Sobre “Não respirar” e sobre “desligar o cérebro às vezes”.

Entre paranoia com café envenenado, supresa com acusações e debates instigantes-inflamados, “O Escândalo” trata sobre jornalistas que “odeiam se tornar matérias”. “Ninguém ganha nada processando a Fox News”, diz-se. Será? Com precipitações, ataques, jogos, sustos, fofocas, intimidações, processos, réplicas, tréplicas, lésbicas democratas (que prosperam em ambientes tóxicos) e lealdades solidárias até certo ponto (vide o ambiente “louco”, competitivo e tensionado). São mulheres coadjuvantes no mundo dos homens, que “têm que ser gostosas” e tolerar com cumplicidade o tiroteiro das “máquina de insultos”, como o “arroz de festa republicana”. “Lealdade causa trauma”, “ensina-se”. Sem a opção do “disk denúncia”.

Mesmo sem querer, “O Escândalo” levanta uma auto-análise comportamental diária do povo americano: a de se policiar o tempo todo com confusos maniqueísmos instaurados. Cada um deles e delas são pressionados pelo limite do que podem fazer e do que nunca se deve nem pensar. De sentir a auto-piedade passivo-defensiva como um descanso da jornada diária. De potencializar ao extremo uma frágil sensibilidade vitimada que se impõe pelo enfrentamento midiático e não pelo existencial. Há quem diga que vivem mais para se mostrar aos outros. Uma “violentou-se por sucesso e se sente imunda”.

Desmandos, guerras, “capuz esquisito”, “sushi como comida liberal”, “Fla Flu político”, o longa-metragem é sobre dar voz às “mais fracas do rebanho”. É sobre não mais “colaborar”. “Condescendência ou luta!, o lema. Sobre negociações e aumentar a confiança das mulheres padronizadas e sexualizadas, com marcas nos pés por causa dos saltos altos. Sobre o “silêncio não representa”.

A cena em que a atriz Margot Robbie chora quando encontra esperança é uma dos pontos altos do filme, quiça o melhor, tanto que arrebatou o Troféu Vertentes do Cinema como a Melhor Cena do Festival do Rio 2019. “O Escândalo” é sim um filme denúncia, mas tanto que coloca fogo demais no discurso, cavando chocar o espectador pela emoção humana. O filme está longe de ser ruim, e ainda que tenha estrutura tipicamente americana de longas que querem ser indicados ao Oscar, consegue contextualizar seu objetivo primário, que é o confronto entre mulheres na “toca dos lobos”. Talvez esse texto se explique, porque foi escrito por um homem. Será que precisamos de verdade segmentar gêneros? Pergunta retórica destinada aos leitores.

 

Anuncie no Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *