Fabricio Duque

Crítico | Editor Geral

Um jornalista apaixonado por cinema que resolveu criar um espaço com o objetivo de mostrar subjetividades a quem também é louco por filmes. Um crítico que sempre busca o melhor do cinema e assim tenta semear no mundo um pensamento mais questionador. Um completo extra-terrestre. Um chato fofo e um vertenteiro inveterado. Um nostálgico que ama 35mm e que acredita na pureza do som do LP. Que se encanta com o novo e que com psicanálise, neurociência, filosofia e observação do cotidiano tenta traduzir os meandros da alma humana.

Melhor filme da vida:
2001 - Uma Odisseia no Espaço

Melhor trilha sonora da vida:
"2001 - Uma Odisseia no Espaço"

Vitor Velloso

Crítico

Um ser que procura sinceridade e uma fagulha de vida que me foi proporcionada por alguns filmes ao longo da minha vida. Fagulha esta que busco criar nas pessoas que me leem e assistem. Estou a procura do sentido da vida. Alguns me falaram que é um tal de Cinema. Não sei se faz bem ou faz mal. Prometo um dia ser uma pessoa melhor, mas hoje sou crítico de cinema e faço de meus textos um palco para a realidade nacional, na medida do possível. Ou até onde a sanidade permitir. De Kinema Brazyleiro. E sempre com a misancene de Glauber Rocha.

Melhor filme da vida:
A Idade da Terra

Melhor trilha sonora da vida:
"A Noite do Espantalho"

João Lanari Bo

Crítico

Frequentador da cinemateca do MAM quando era no terceiro andar do Museu, absorveu o que pôde das cópias que de alguma maneira resistiam, sob o olhar do Cosme Alves Neto. Super 8 e 16 mm eram as bitolas de produção, e cineclubismo, a primeira opção. Veio o videocassete, o DVD e o digital, abrindo a possibilidade de uma cinemateca imaginária, uma totalidade que nunca acaba. Godard e Glauber, ao lado de Orson, balizaram a caminhada, entre tantos outros. Nesse meio tempo surgiu a prática pedagógica na UNB.

Melhor filme da vida:
F For Fake: Verdades e Mentiras

Melhor trilha sonora da vida:
"O Anjo Nasceu"

Posts

Ciro Araujo

Crítico | Editor

Desde criança assistia em loop fita VHS durante o dia inteiro. Peguei ainda o pouco do resto da vida de locadra e adorava pendular entre filme e outro. Nessa época, um cartaz de Hellraiser me assombrava. O avanço da tecnologia fez a minha obsessão aumentar e paralelamente as locadoras diminuíam. Hoje luto mais pela acessibilidade popular no visionamento cinematográfico. Acredito então num clamor, "sem cinema, sem vida". Também sou obcecado por cinemas antigos. Claramente já fui chamado de chato inumeríssimas (e várias) vezes.

Melhor filme da vida:
Suspiria

Melhor trilha sonora da vida:
"Prelúdio Para Matar"

Posts