Tudo Sobre a 15ª Mostra CineBH 2021

A 15ª Edição do CineBH exibe 90 filmes de 17 países, entre os dias 28 de setembro e 03 de outubro em programação online e gratuita

Por Vitor Velloso

Na programação que comemora os 15 anos da Mostra Internacional de Belo Horizonte, o CineBH, a divisão em distintas temáticas demonstra a abrangência do evento nas diferentes linhas de discussão ao longo dessa década e meia. A Mostra Temática, Cinema e Vigilância é compreendida a partir de:

“O espetacular ato terrorista que inaugurou o século XXI, no 11 de setembro de 2001, deixou um imenso buraco físico e simbólico no mundo globalizado. Em nome da segurança e da “guerra ao terror”, fissuras se tornaram brechas, que se tornaram rombos, abrindo novos precedentes para amplificar estruturas de vigilância já existentes. Não só a vigilância das imagens capturadas por câmeras de segurança, mas também uma nova forma de vigilância que começava a se vislumbrar, possível graças a um processo de digitalização generalizado. Afinal, para evitar novos atentados, seria preciso não apenas monitorar os terroristas, mas antecipar suas ações… A 15ª CineBH coloca em debate essas questões através de filmes que põem em xeque o estatuto das imagens e do controle exercido por elas através do uso da tecnologia por instâncias muitas vezes fora dos nossos controles.”

Acompanhe aqui nossa cobertura do CineBH 2021, que já começou

Leia também: Cinema e Vigilância – Temática da CineBH 2021

Relembre nossa cobertura da CineBH 2020

Em sua 15a edição, a ser realizada entre os dias 28 de setembro e 3 de outubro, a CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte será, pela segunda vez, em plataforma virtual, em função da pandemia de Covid-19. Assim, o público de todo o Brasil e de qualquer lugar do mundo poderá assistir gratuitamente a vasta programação de filmes (longas, médias e curtas-metragens) que será disponibilizada ao longo do evento. É só acessar www.cinebh.com.br e escolher os filmes que quer assistir.

A curadoria contou com os trabalhos de Pedro ButcherFrancis Vogner dos ReisMarcelo Miranda e Paula Kimo. Este ano serão exibidos 90 títulos – 31 longas, 1 média, 56 curtas e 2 work in progress, com produções e coproduções de 12 estados do Brasil (AL, BA, CE, DF, MG, MT, PE, RJ, RR, RS, SC e SP) e de 17 países (Alemanha, Argentina, Brasil, Espanha, EUA, Finlândia, França, Índia, Israel, Itália, Portugal, Reino Unido, Romênia, Rússia, Qatar, Turquia e Uruguai) em recortes que, na maioria, dialogam com a temática central, “Cinema e Vigilância”.

“É um trabalho de prospecção, de encontrar filmes que tenham o frescor da novidade e que ao mesmo tempo tenham relação com as ideias que estamos propondo. Não definimos os filmes a partir do conceito, mas naturalmente, durante a seleção, chama a atenção quando essa conexão acontece”, diz Francis Vogner. “Essa questão da tecnologia usada para controle social e político está muito presente em toda a história do cinema, desde Chaplin e desde ‘Mabuse’, e nunca saiu de cena. O que aconteceu foi que, mais recentemente, os dispositivos, os algoritmos, o uso dessa máquina virtual, se amplificaram e atingem a todos nós, e o cinema tem respondido a isso de forma crítica e contundente”.

AS MOSTRAS

Cena de Crime
Still do filme “Cena do Crime”, de Pedro Tavares – Leia a crítica aqui

Dividindo-se tanto por formatos e duração dos filmes quanto em sessões relacionadas ao tema ou a grupos de produções que seguem propostas previamente apresentadas, a CineBH em 2021 está assim configurada na programação de filmes:

MOSTRA TEMÁTICA CINEMA E VIGILÂNCIA

Aqui estão reunidos 13 títulos que dialogam diretamente com a ideia de “Cinema e Vigilância”, conforme destaca o curador Pedro Butcher: “São filmes que põem em xeque o sentido de controle proporcionado pelos dispositivos e pelas grandes empresas capitalistas e mostram de que forma esses mecanismos são utilizados desde situações do dia a dia e chegando até situações de guerra e de ataque ao planeta e às suas populações”. Os filmes da Mostra Temática incluem pré-estreias nacionais, como “Cena do Crime” (Pedro Tavares, RJ), e “Auto de Resistência” (Natasha Neri e Lula Carvalho, RJ), e estrangeiras, como “Canções Engarrafadas 1-4” (Kevin B Lee e Chloe Galibert-Laîné, Alemanha/França), “Não Haverá Mais Noite” (Éléonore Weber, França) e “Toda Luz em Todo Lugar” (Theo Anthony, EUA), entre outros.

LISTA COMPLETA

“Auto de Resistência” (2018), de Natasha Neri e Lula Carvalho – Rio de Janeiro
“Canções Engarrafadas” (2020), de Chlpé Galibert Lainé e Kevin B. Lee – Alemanha/França
Cena do Crime” (2021), de Pedro Tavares – Rio de Janeiro
“Circuito Hackeado” (2014), de Deborah Stratman – EUA
“Coração de Cachorro” (2015), de Laurie Anderson
“Fala, Cassandra” (2021), Miguel Antunes Ramos – São Paulo
“Não Haverá Mais Noite” (2020), de Éléonore Weber – França
Nunca é Noite no Mapa” (2016), de Ernesto de Carvalho – Pernambuco
“O Monopólio da Violência” (2020), de David Dufresne – França
“Pode o Sol Mentir?” (2014), Susan Schuppli – Reino Unido
“Toda Luz em Todo Lugar” (2021), de Theo Anthony – EUA
“Transformers: O premake” (2014), de Kevin B. Lee – EUA

CineBH 2021

MOSTRA FORENSIC ARCHITECTURE

Dois dos programas são realizações do destaque internacional da CineBH este ano, o Forensic Architecture, coletivo multidisciplinar e multiartístico, cujo trabalho se expande de galerias de arte a julgamentos de crimes contra a humanidade e o meio ambiente: “O Assassinato de Harith Augustus”, que será apresentado logo na noite de abertura da mostra – composto por seis curtas complementares, formando um grande painel de reflexão e provocação; e “Nuvens Tóxicas”, que inclui dois curtas e um média realizados pelo grupo.

LISTA COMPLETA

“Estudos de Nuvens”, Forensic Architecture (Reino Unido)
“Gás Lacrimogêneo em Plaza de la Dignidad”, Chile, Forensic Architecture (Reino Unido)
“O Assassinato de Harith Augustus: Anos”, Forensic Architecture (Reino Unido)
“O Assassinato de Harith Augustus: Dias”, Forensic Architecture (Reino Unido)
“O Assassinato de Harith Augustus: Horas”, Forensic Architecture (Reino Unido)
“O Assassinato de Harith Augustus: Milissegundos”, Forensic Architecture (Reino Unido)
“O Assassinato de Harith Augustus: Minutos”, Forensic Architecture (Reino Unido)
“O Assassinato de Harith Augustus: Segundos”, Forensic Architecture (Reino Unido)
“Se o ar Tóxico é um Monumento à Escravidão, como o Derrubamos?”, Forensic Architecture (Reino Unido)

Vida de Doleiro
Still do filme “Vida de Doleiro”, de Federico Veiroj

MOSTRA CONTEMPORÂNEA INTERNACIONAL

A Mostra Contemporânea Internacional reúne cinco filmes em pré-estreia e fortemente conectados ao conceito de “Cinema e Vigilância” proposto pela curadoria. Em todos eles, de formas diversas, surgem as contradições de um mundo muito prático nas relações com máquinas e dispositivos e que se vê também sob controle desses mecanismos. Do pesadelo distópico de “Nas Sombras” (Erdem Tepegöz, Turquia) ao esquisito pastiche de reality show “Na Casa do Diretor” (Mark Isaacs, Reino Unido), passando pelo olhar sempre brutal do consagrado documentarista israelense Avi Mograbi (“Ocupação”, França/ Finlândia/ Israel/ Alemanha), das questões familiares de uma burocracia positivista em “Um Rifle e uma Bolsa” (Isabella Rinaldi, Índia/ Romênia/ Itália/ Qatar) e a atenção de um cineasta a um amigo na epopeia intimista “Eu Ando sobre a Água” (Khalik Allah, EUA). Além disso, serão exibidos dois filmes do cineasta argentino Federico Veiroj, que participará do CineMundi Lab ministrando a Masterclass Internacional “Roteiro e Processos de Criação”.

Na Mostra Contemporânea Internacional, a temática “As Muitas Viagens de um Mundo em Ebulição” explicita:

“Entre a violência e o afeto, a observação e a intervenção, o pertencimento e o deslocamento: os equilíbrios dessas questões estão na centralidade dos cinco filmes da Mostra Contemporânea em 2021. Todos títulos de aproximação brutal com as contradições, inquietações e constrangimentos desses ainda primeiros anos do século 21, em alguns casos retornando ao passado ou recorrendo às distopias para então refletir o que se passa num presente cada vez mais geopoliticamente complexo e perturbador. Tanto as fronteiras íntimas quanto as territoriais, sociais e econômicas ganham, nas lentes desses filmes, olhares arrojados e de contundência que tanto nos chocam quanto nos comovem.”. Curadores – Marcelo Miranda, Francis Vogner dos Reis, Pedro Butcher.

LISTA COMPLETA

“Eu Ando Sobre a Água” (2020), de Khalik Allah – EUA
“La Vida Útil – Um conto de Cinema” (2012), de Federico Veiroj – Uruguai/Espanha
“Na Casa do Diretor” (2020), Marc Isaacs
“Nas Sombras” (2020), de Erdem Tepegoz – Turquia
“Os Primeiros 54 anos – O Pequeno Manual para Ocupação Militar” (2021), de Avi Mograbi – França, Finlândia, Israel, Alemanha
“Um Rifle e Uma Bolsa” (2020), de Critina Hanes, Isabella Rinaldi, Arya Rothe – 2020
“Vida de Doleiro” (2019), de Federico Veiroj – Uruguai/Argentina/Alemanha

Desaprender a dormir
Still do filme “Desaprender a Dormir”, de Gustavo Vinagre – Leia a crítica aqui

MOSTRA CONTEMPORÂNEA BRASIL

Na Mostra Contemporânea Brasil, quatro longas e 16 curtas-metragens apresentam um panorama de urgência da produção nacional, com muitos trabalhos recém-finalizados em plena pandemia e outros que estiveram sendo preparados e foram pegos de surpresa quando 2020 chegou, alterando quaisquer expectativas. Os longas trazem novidades que também contêm paralelos com a temática de “Cinema e Vigilância”, ainda que não sejam diretamente conectados a ela: “Um Dia Qualquer” (Pedro Von Kruger, RJ), “Desaprender a Dormir” (Gustavo Vinagre, SP), “A Primeira Noite de Joana” (Cristiana Oliveira, RS) e “Nós, Passarinhos” (Antonio Fargoni, SP). Os curtas estão divididos em quatro sessões cujos títulos são autoexplicativos: “Brasil de agora”, “Geometrias do espaço”, “Medo e delírio” e “Visões adiante”.

Na Mostra Contemporânea Brasil a temática “Um Pequeno e Diverso Recorte do Imaginário Contemporâneo” os curadores acreditam que:

“Nos últimos anos tivemos uma diminuição significativa do número de produções brasileiras em razão de um atribulado contexto social e político. Mas apesar disso é possível ainda ver que, devido às políticas públicas do período anterior a 2018 ou mesmo à expertise de uma produção radicalmente independente, um certo número de filmes ainda vêm à luz e nos revelam uma diversidade de olhares e gestos que foram fomentados no trabalho de diretores e produtores durante a última década.” Curadores – Marcelo Miranda, Francis Vogner dos Reis, Pedro Butcher.

LISTA COMPLETA

A Primeira Morte de Joana” (2021), de Cristiane Oliveira – Rio Grande do Sul
“Desaprender a Dormir” (2021), de Gustavo Vinagre – São Paulo
“Nós Passarinhos” (2021), de Antonio Fargoni – São Paulo
“Um Dia Qualquer” (2020), de Pedro von Krüger – Rio de Janeiro

A Febre
Still do filme “A Febre”, de Maya Da-rin – Leia a crítica aqui

MOSTRA BRASIL CINEMUNDI

Formada por longas-metragens cujos projetos, em edições anteriores da CineBH, participaram do programa Brasil CineMundi, maior encontro de coprodução do país. A seleção da Mostra Brasil CineMundi conta com vários cases de títulos que circularam internacionalmente e que vêm recebendo reconhecimento e premiações, como “A Febre” (Maya Da-rin, Brasil/ Alemanha/ França), “A Morte Habita à Noite” (Eduardo Morotó, SP/ PE), “Aos Olhos de Ernesto” (Ana Luisa Azevedo, RS), “Carro Rei” (Renata Pinheiro, PE), “Desterro” (Maria Clara Escobar, Brasil/ Argentina/ Portugal) e “Todos os Mortos” (Marco Dutra e Caetano Gotardo, Brasil/ França).

A Sessão CineMundi exibe diversos filmes premiados e exibidos em festivais nacionais e internacionais:

“Os filmes da Mostra CineMundi deste ano traçaram caminhos singulares na rede de estradas proporcionadas pelos festivais – e alguns enfrentaram o desafio de repensar estratégias diante das dificuldades impostas pela pandemia da COVID-19.”

LISTA COMPLETA

“A Febre” (2020), de Maya Da-Rin – Brasil/ Alemanha/França
“A Morte Habita à Noite” (2020), de Eduardo Morotó – São Paulo/Pernambuco
“Aos Olhos de Ernesto” (2019), de Ana Luiza Azevedo – Rio Grande do Sul
“Carro Rei” (2021), de Renata Pinheiro – Pernambuco
“Desterro” (2020), de Maria Clara Escobar – Brasil/Argentina/Portugal
Por Onde Anda Mankunaíma” (2020), de Rodrigo Séllos – Roraima/São Paulo
“Todos os Mortos” (2020), de Caetano Gotardo e Marco Dutra – Brasil/França

Amador
Still do filme “Amador”, de Cris Ventura

MOSTRA A CIDADE EM MOVIMENTO

Com curadoria de Paula Kimo, a Mostra A Cidade em Movimento é composta por 20 filmes realizados de forma totalmente independente em Belo Horizonte e região metropolitana. Sob a temática este ano “Cidade (em) comum”, os títulos foram divididos em cinco seções, cada uma delas fazendo um recorte distinto das várias formas de enxergar e se relacionar com o espaço urbano através do audiovisual.

A Mostra “A Cidade em Movimento”:

“Em sua 6ª edição, a Mostra A Cidade em Movimento traz como perspectiva a ideia de comum no cinema, convocando as relações entre filme, processo e cidade na construção de um sentido de comunidade. Uma comunidade que partilha o fazer, a experiência e o compromisso político das imagens. É possível pensar uma comunidade de imagens que dialoga com as práticas e fazeres coletivos que movem a cidade? Como os gestos de produção coletiva e compartilhada se inscrevem nos filmes que a cidade produz, não apenas do ponto de vista temático, mas também na forma, na narrativa e nos processos de criação e distribuição dos filmes? Por meio de tais provocações, a Mostra direciona seu olhar para a cidade compartilhada entre os sujeitos e as coletividades que produzem a experiencia cinematográfica. Onde filmar não é o ato primeiro (aquele de produzir um filme), mas “um ato com”, um gesto comum. Onde as imagens se abrem à coletividade, tomam posição e surgem no mundo não apenas para torná-lo visível, mas também para constituí-lo e transformá-lo.”

LISTA COMPLETA

“Amador” (2020), de Cris Ventura
“Aurora” (2019), de Leo Ayres
“Casa Número Zero” (2021), de Breno Mesquita
“Conselheira” (2021), de Rafael Bacelar
“Ela, Dora!” (2020), de Franco Dafon e Renata Victoriano
“Sessão 27” (2021), de Haendel Melo
“[O Vazio que Atravessa]” (2021), de Fernando Moreira
“Cidade Analógica” (2019), de Eduardo DW e Álvaro Starling
“Dinheiro” (2021), de Sávio Leite e Arthur B. Senra
“O Resto” (2021), de Pedro Gonçalves Ribeiro
“Opção do Tomo” (2021), de Antônio Beirão Xavier
“A Única Coisa que Entendo como Norte é a Liberdade” (2021), de Luciana Cezário
“Ditadura Roxa” (2020), de Matheus Moura
“Morde & Assopra” (2020), de Stanley Albano
“Um de Vermelho e um de Amarelo” (2020), Lipe Canêdo, Gm & Fr4ad
“Coletivo” (2020), de Wend Fernandes
“Dois” (2021), de Guilherme Jardim e Vinícius Fockiss
“Escorre” (2021), de Thiago Monteiro & Kelly Criffer
“Eu vi nos seus olhos, da janela, eu vi, que era o fim” (2021), de Larissa Muniz
“Urdido” (2021), de Samuel Quintero
“A Batalha das Colheres” (2015), de Fabiana Leite
“Minha Raiz” (2018), de Labibe Araujo
“Vida Maria” (2006), de Márcia Ramos
“Brooklin” (2019), de Coletivo CineLeblon
“Memórias de Mim” (2019), de Filme de Rua

O testamento do doutor mabuse
Still do filme “O Testamento do Dr. Mabuse”, de Fritz Lang

MOSTRA DIÁLOGOS HISTÓRICOS

Assim como a CineBH exibe um recorte significativo da produção contemporânea mundial, a Mostra Diálogos Históricos tem por objetivo relacionar o que se vê hoje com aquilo feito no passado. Conectada à temática “Cinema e Vigilância”, a Diálogos Históricos tem em 2021 três longas-metragens fundamentais, que contarão com bate-papo com profissionais para acompanhar cada sessão. Serão: “Aelita, Rainha de Marte” (Yakov Protazanov, 1924, Rússia), comentado pelo pesquisador João Lanari; “O Testamento do Dr. Mabuse” (Fritz Lang, Alemanha, 1933), com comentários do crítico Inácio Araújo; e “O 5º Poder” (Alberto Pieralisi, Brasil, 1962), comentado pelo pesquisador Reinaldo Cardenuto.

A Mostra Diálogos Históricos da presente edição possui a temática “O Poder Oculto se Revela”:

“A Mostra Diálogos Históricos em 2021 se relaciona à Temática Central da 15ª CineBH,Cinema e Vigilância, buscando justamente na história do cinema alguns instantes em que as ações de controle foram transformadas em elementos expressivos por cineastas atentos ao que acontecia em seus contextos.Todas as sessões são acompanhadas por um bate-papo entre curadores da CineBH e críticos ou pesquisadores convidados para falarem sobre o filme em questão…Em todos os três filmes, o espectador se sentirá exasperado, inquieto, com a sensação de ser olhado e acompanhado por algum tipo de vigilância fora de seu controle. Não se iluda: neste exato instante, você está, sim, sendo monitorado por algum aparato eletrônico. O cinema, raramente inocente, sempre soube tratar disso.” Curadores – Marcelo Miranda, Francis Vogner dos Reis, Pedro Butcher.

LISTA COMPLETA

“Aelita, A Rainha de Marte”, de Yakov Protazanov – URSS
“O 5º Poder”, de Alberto Pieralisi – Distrito Federal
“O Testamento do Dr. Mabuse”, de Fritz Lang – Alemanha

Trincheira
Still do filme “Trincheira”, Paulo Silver – Leia a crítica aqui

CINE-ESCOLA E MOSTRINHA

Espaço para a formação de novos espectadores de cinema, em programas especialmente pensados para atender escolas, estudantes ou famílias. Nas sessões Cine-Escola, os títulos são selecionados de acordo com faixa etária, com orientações de classificação indicativa a professores e educadores. Já na Mostrinha, estão os curtas “Trincheira” (Paulo Silver, AL) e “Torcida Única” (Catarina Forbes, SP) e o longa “Miúda e o Guarda-Chuva” (Amadeu Alban, BA), produções que vão agradar a toda a família.

SESSÃO CINE-ESCOLA

“A Menina e o Velho”, Luciano Fucinato (SC)
“Ana & Copacabana”, Edem Ortegal (RJ)
Atravessa a Vida“, João Jardim (RJ)
“Mensagem das Estrelas”, Ariel Pereira Quintela (SP)
“O Menino e o Ovo”, Juliana Capilé (MT)
“O Meu Bichinho de Estimação”, Jaqueline Dulce Moreira (MG)
“Raone”, Camila Santana (SP)
“Vento Viajante”, Os Alunos / Analúcia Godoi (CE)

MOSTRINHA

“Miúda e o Guarda-Chuva”, Amadeu Alban (BA)
“Torcida Única”, Catarina Forbes (SP)
Trincheira“, Paulo Silver (AL)


As Mostras que compõem a CineBH, mostram uma diversidade na curadoria na compreensão da temática principal que é “Cinema e Vigilância”, mas concentra na exibição de obras que despertaram a curiosidade do público e já caminha com alguns prêmios e louros ao redor do mundo. A presença de coproduções internacionais chama a atenção.

Para acompanhar a cobertura completa da 15ª Mostra de Cinema Internacional de Belo Horizonte, fique ligado no Vertentes do Cinema.

CineBH 2021


PROGRAMA DE FORMAÇÃO E DEBATES – CINEBH 2021

Para ampliar conceitos e práticas na capacitação de profissionais, troca de experiências entre diferentes agentes do setor audiovisual, intercâmbio, encontros, diálogos, discussões e rede de contato e conexões globais com foco no mercado audiovisual, o Programa de Formação Audiovisual integra a programação da 15ª Mostra CineBH e do 12º Brasil CineMundi – Encontro Internacional de Coprodução. Serão 50 profissionais brasileiros e estrangeiros de destaque na cena audiovisual em 5 debates, 10 rodas de conversa, 2 masterclasses internacionais, 1 showcase, 2 workshops internacionais, 5 painéis, um estudo de caso e 2 filmes em processo.


OFICINAS E LABS DE ROTEIRO – CINEBH 2021

Com o propósito de contribuir para a formação da nova geração de críticos de cinema, a oficina ANÁLISE DE ESTILOS CINEMATOGRÁFICOS será ministrada pelo crítico, programador e professor Victor Guimarães (MG). O objetivo da atividade, voltada para participantes de 18 a 25 anos, é desenvolver análise crítica e estética de filmes brasileiros contemporâneos e selecionar cinco jovens universitários para integrar o Júri Jovem da 25a Mostra de Cinema de Tiradentes (janeiro/2021), que elegerá o melhor longa-metragem da Mostra Olhos Livres. A oficina será realizada de 1o a 03 de outubro, sexta a domingo, das 10 às 12 horas, na sexta, e em dois turnos no sábado e no domingo, de 10 às 12 horas, e das 14 às 16 horas. São oferecidas 25 vagas.

De 1º a 3 de outubro, terça a sábado, das 9h30 às 12h300, a realizadora audiovisual, diretora e roteirista Camila Cordeiro Ribeiro (BA) será a responsável pela oficina “PRODUÇÃO DE ARTE”, com oferta de 30 vagas, para interessados a partir de 18 anos. A atividade tem como objetivo apresentar o que é a direção de arte, a complexidade do departamento e o que faz a produção de arte. E ainda colocar em prática e discutir as etapas do processo de execução de um projeto de arte, com seus desafios e eventualidades, com todas as etapas a serem desenvolvidas: pesquisa, projeto conceitual, projeto técnico, construção, montagem, filmagem e desprodução.

Nos dias 28 e 29 de setembro e 02 e 03 de outubroterça e quarta e sábado e domingo, das 11 às 13 horas, a roteirista e diretora Ludmila Mônaco Martinez (SP) ministrará a oficina “STORYTELLING CINEMATOGRÁFICO”, com oferta de 20 vagas, para interessados a partir de 18 anos. A atividade tem como proposta oferecer instrumentais teóricos e práticos para que os participantes possam identificar a sua própria voz e organizar as suas ideias a fim de expressá-las em forma de um roteiro de curta-metragem, com foco no trabalho com imagens de arquivo, a partir da reflexão sobre o poder das imagens que evocam o passado e a possibilidade de criar narrativas audiovisuais que constroem e reconstroem múltiplas visões sobre o passado.

E de 28 a 30 de setembro, de terça a quinta-feira, das 9h30 às 12h30, o premiado produtor Rodrigo Teixeira (SP) será o responsável pela oficina “PRODUÇÃO CRIATIVA PARA CINEMA”, com oferta de 25 vagas, para interessados a partir de 18 anos. A atividade tem o objetivo apresentar segredos por trás da produção criativa para cinema e proporcionar a troca de experiências e vivências da profissão, em aulas dinâmicas e orgânicas.

E de 30 de setembro a 3 de outubro, das 10 às 13 horas, a designer, gestora e empreendedora sociocultural Bruna Kassab ministrará a oficina “FINANCIANDO MEU FILME”, com oferta de 30 vagas. A atividade tem o objetivo de discutir e apresentar os formatos e soluções de financiamento e sustentabilidade para projetos cinematográficos. Durante a oficina, os participantes vão conhecer inúmeras possibilidades de financiamento, como desenvolver cada uma delas de forma objetiva e menos burocrática, compartilhando dicas, ferramentas, estratégias, e possibilidades de sustentabilidade dentro do cenário do audiovisual.

O Programa de Formação Audiovisual da 15a edição da CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte promoverá também dois labs de roteiro: “Ficção e documentário” e “Isso dá comédia?”.

roteirista Di Moretti (SP) ministra o LABORATÓRIO DE ROTEIRO DE FICÇÃO E DOCUMENTÁRIO. A atividade engloba temas que descrevem a confecção de um roteiro cinematográfico e a distinção entre os roteiros de documentário e de ficção. No Lab, serão analisadas essas diferenças e similaridades, para entender como as duas linguagens funcionam na escrita do roteiro, ficcional ou documental. Cada um dos quatro módulos do Lab se divide entre explanações teóricas e exercícios práticos. Pretende-se, como produto final, o desenvolvimento de um argumento de curta-metragem. O Laboratório será realizado entre os dias 28 de setembro e 1o de outubro, terça a sexta, das 10 às 12h30. São oferecidas 25 vagas, para interessados a partir de 18 anos.

E a atriz, produtora, escritora e roteirista Tatá Lopes (RJ) será a responsável pelo LAB DE ROTEIRO “ISSO DÁ UMA COMÉDIA?”, focado no processo de elaboração dos fundamentos do humor e como transformar ideias em roteiros para cinema ou TV. Os participantes vão aprender como criar personagens engraçados, desenvolver o roteiro e criar cenas de humor a partir das falhas do personagem e do conflito do filme. O Lab será realizado de 28 a 30 de setembro, terça a quinta-feira, das 16 às 18 horas. São ofertadas 20 vagas, para interessados com conhecimento prévio de roteiro para cinema ou TV, a partir de 18 anos.

WORKSHOPS E MASTERCLASSES INTERNACIONAIS – CINEBH 2021

O workshop de COPRODUÇÃO INTERNACIONAL será ministrado por Sophie Erbssócia do Cinéma Defacto e da co-empresa independente Gaïjin. Neste workshop, a produtora francesa falará sobre os principais aspectos para coproduzir a nível internacional, compartilhará sua experiência e dará conselhos sobre como se inserir nesse mercado internacional. Sophie Erbs pertence a uma geração de produtores que se dedicam a construir pontes criativas entre talentos de todos os países. Ela é membro do EAVE e do ACE e já produziu e coproduziu 20 longas-metragens, entre eles “Los Perros”, de Marcela Said (Cannes 2017), “Milla”, de Valérie Massadian (Prêmio Especial do Júri em Locarno 2017), “The Harvesters”, de Etienne Kallos (Un Certain Regard 2018), “The Load”, de Ognjen Glavonic (Quinzaine des Réalisateurs 2018), “Apprentice”, de Boo Junfeng (Cannes 2016) e “The Here After”, de Magnus von Horn (Cannes 2015). A atividade será realizada no dia 30 de setembro, quinta, das 10h30 às 12 horas, e são ofertadas 50 vagas. O workshop será realizado em inglês, com tradução simultânea e terá a moderação de Séverine Roinssard – produtora Parati Films, colaboradora Brasil CineMundi | França.

AUDIENCE DESIGN será o tema do Workshop Internacional ministrado por Isona Admetla, coordenadora de fundos World Cinema Fund | Alemanha. O workshop abordará a metodologia e uma descrição do incrível potencial que o Audience Design tem, ampliando a abordagem clássica de marketing e distribuição. Os filmes são escritos, financiados, produzidos, filmados e pós-produzidos. Antes de se tornarem filmes, os projetos participam de mercados de coprodução. E um dia eles podem ser convidados por um ou até vários festivais e, então, encontrar um público pela primeira vez. Como lidar como Produtor e/ou diretor com o maior desafio da produção, principalmente nos dias de hoje: a visibilidade de um filme? O confronto com o futuro público de um filme deve começar muito cedo. Durante ou mesmo antes das filmagens ou finalização de um filme, o Audience Design deve fazer parte do contexto da produção. A atividade será realizada no dia 1º de outubro, sexta, das 10h30 às 12 horas e são ofertadas 50 vagas. O Workshop será ministrada em inglês, com tradução simultânea e terá a moderação de Paulo de Carvalho – produtor Autentika Films, colaborador Brasil CineMundi | Brasil/Alemanha.

A masterclass DISTRIBUIÇÃO INTERNACIONAL E SALES AGENCY será ministrada por Eric Lagessepresidente da Pyramide Films|França, uma das maiores distribuidoras independentes francesas. O principal ativo da Pyramide é a diversidade de gêneros, diretores e seus produtores e a empresa agora administra um catálogo de mais de 250 títulos. Nesta masterclass, Eric Lagesse falará sobre sua experiência, oportunidades em seu país, desafios, resultados e avanços na distribuição internacional e sales agency. A atividade será realizada dia 29 de setembro, quarta, das 10h30 às 12 horas, e são ofertadas 50 vagas. A Masterclass será realizada em inglês, com tradução simultânea e terá a moderação de Séverine Roinssard – produtora Parati Films, colaboradora Brasil CineMundi | França.

roteirista, produtor e diretor uruguaio-espanhol Federico Veiroj será o responsável pela Masterclass Internacional ROTEIRO E PROCESSOS DE CRIAÇÃO. Os cinco longas que escreveu e dirigiu foram exibidos nos principais festivais internacionais e receberam diversos prêmios. Nesta masterclass, Federico falará sobre o processo de criação dos roteiros de seus filmes, destacando cenas e compartilhando temas e pontos de partidas para o desenvolvimento de suas histórias. A atividade será realizada no dia 30 de setembro, quinta, das 15 às 16h30, e são ofertadas 50 vagas. A Masterclass será ministrada em inglês, com tradução simultânea e terá a moderação de Pedro Butcher – curador e crítico de cinema, colaborador Brasil CineMundi | Brasil.


SERVIÇO

15a CINEBH- MOSTRA INTERNACIONAL DE CINEMA DE BELO HORIZONTE

BRASIL CINEMUNDI –12th INTERNATIONAL COPRODUCTION MEETING

28 de setembro a 03 de outubro de 2021

Online e gratuita

LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA

ESTE EVENTO É REALIZADO COM RECURSOS DA LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA DE BELO HORIZONTE

Patrocínio: MATER DEI, CEMIG | GOVERNO DE MINAS GERAIS

A Mostra A Cidade em Movimento é patrocinada com recursos do Fundo Internacional de Ajuda para Organizações de Cultura e Educação 2021 do Ministério das Relações Exteriores da República Federal da Alemanha, do Goethe-Institut e de outros parceiros: www.goethe.de/hilfsfonds

Parceria Cultural: SESC EM MINAS, GOETHE INSTITUT

Apoio: EMBAIXADA DA FRANÇA NO BRASIL, INSTITUTO UNIVERSO CULTURAL, CASA DA MOSTRA E CAFÉ 3 CORAÇÕES.

Idealização e realização: UNIVERSO PRODUÇÃO

SECRETARIA ESPECIAL DE CULTURA | MINISTÉRIO DA CIDADANIA| GOVERNO FEDERAL

Com edições anuais e consecutivas, a CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte, o evento de cinema da capital mineira, chega a sua 15a edição de 28 de setembro a 03 de outubro de 2021, em formato online e gratuita, reafirmando seu propósito de mostrar o cinema para o mundo, promover o diálogo entre as culturas, aproximar povos e continentes, fazer a conexão do cinema brasileiro com o mercado audiovisual, realizar encontros de negócios, investir na formação, intercâmbio e cooperação internacional, construir pontes nas escolas, comunidades, redes sociais e com a cidade de Belo Horizonte e Minas Gerais.

A 15a CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte e o 12o Brasil CineMundiintegram o Cinema sem Fronteiras 2021 – programa internacional de audiovisual idealizado pela Universo Produção e que reúne também a Mostra de Cinema de Tiradentes (centrada na produção contemporânea, em janeiro) e a CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto (que difunde o audiovisual como patrimônio e ferramenta de educação, em junho).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *