O Homem do Rio

Entre realidades fantasiosas

Por Fabricio Duque

Durante o Festival de Cannes 2013

Em “O Homem do Rio”, do diretor francês Philippe de Broca (de “Esse Mundo é dos Loucos”, e que foi o 1º Assistente de Direção de “Os Incompreendidos”, de François Truffaut), conserva-se a estrutura francesa da ‘Nouvelle Vague’, respeitando suas características típicas e o estrangeirismo até o final. Aqui, a narrativa (de elipse, som ambiente na maioria do tempo, e edição ora acelerada, ora de espera) utiliza-se de referências aventureiras de “A Pantera Cor-de-Rosa”, de Blake Edwards (este realizado um ano antes do longa-metragem em questão – e menos “debochado ao ridículo” que o do Inspetor Jacques Closeau) à saga “007”, a fim de conduzir o espectador a liberdades poéticas da física-quântica-temporal que ultrapassam o limite humano das possibilidades de salvamento, quase “portais tridimensionais” desprovidos de perigos e “machucados”.

No longa-metragem, tudo é hiper-dimensionado (inclusive a abertura multicolorida), gerando uma epifania sintomática, que pode ser explicada pela projeção fantasiosa da mente do nosso protagonista, Jean-Paul Belmondo – sendo Belmondo (de “O Demônio das Onze Horas”, “Acossado”). Há franceses “famintos”; ladrões “espertos” (facilidade do roubo); policiais “bobões” e displicentes; segredos de estatuetas “Maltecas” amaldiçoadas; reações exageradas e encenadas (a risada, o sequestro) – como uma ópera tendenciosa ao mistério (porém óbvia), contemporânea e dramática; passagem ao Brasil, comprada com moedas e sem passaporte (pela Panair do Brasil). Daí, o filme representa um retrato histórico do início dos anos sessenta pelo Rio de Janeiro, Brasília e Amazonas, com suas tomadas aéreas, o calor, a praia, o Centro do Rio, Copacabana, o aeroporto Santos Dummont, a música do morro, soldados na rua, o jornal O Globo, o menino “malandro” engraxate (chamado Wilson, uma referência ao “brasileiro” do filme “Samba”, provavelmente, e que se apresenta como poliglota sozinho em uma casa ‘ultra’ projetada manualmente), a melancia, o buraco da fechadura “gigante”, a janela quase “porta”, a nostalgia do sol de fim de tarde em uma praia deserta (quase Dorival Caymmi), a fotografia sombreada pelo céu do por do sol no morro, a cama rede, nadar na Baía de Guanabara (mais rápido que o barco), o picolé, moradores locais sambando, carros explodidos e em cor rosa com estrelas verdes (talvez aí seja o indicativo da fantasia) e a viagem do Rio a Brasília, passando pelos monumentos turísticos e políticos.

Tudo em “O Homem do Rio” é permitido. A imaginação “corre solta”. Caminha-se entre a malícia e a ingenuidade. A subserviência medrosa e a arrogância sobrevivente. A festa, os fogos de artifício, o helicóptero, vestidos de gala com capacetes protetores, a corrida sem parar, a bicicleta ao acaso, tudo causa um efeito terapêutico nos estrangeiros, que observam nossa caricatura como férias, incluindo reviravoltas toscas, patéticas e resolvidas como um “conto de fadas”, como por exemplo, um francês passeando pelo rio Amazonas e encontra nosso personagem principal quase sendo devorado por um crocodilo depois de cair de um avião que aprendeu a pilotar naquele momento. O paraíso é o Amazonas. “Garotas, bebidas, músicas”, diz-se. Entre “gorilas brutamontes” e atmosfera de “Zé Carioca” com Carmem Miranda, passando por Oscarito, “O Homem do Rio” “apela” ao cipó “Tarzan”, brigas gratuitas, “ogras” e selvagens, para “resgatar” a mocinha e fornecer a mensagem da ganância punida. Concluindo, um filme que parece um “Indiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida” abrasileirado (que foi a inspiração para que Steven Spielberg criasse sua aventura), e que a frase final definidora da fantasia é “Tive que atravessar Paris inteira”, e a resposta é “Que aventura!”. Uma dica ao espectador: tente retroceder à época de realização do filme para que a experiência seja bem mais divertida e interessante! “O Homem do Rio”, indicado ao Oscar de 1965 na categoria de Melhor Roteiro Original, foi apresentado, em cópia restaurada no Festival de Cannes 2013, no Cinema de La Plage, e ganhou os cinemas de Paris.

Trailer

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *