Tudo Sobre o Terceiro Mês da Mostra Um Curta Por Dia

Tudo Sobre o Terceiro Mês da Mostra Um Curta Por Dia

Durante todo setembro, comemora-se 14 anos do Vertentes do Cinema com a exibição de 30 filmes de diferentes gêneros e temáticas

Por Redação

E chegamos ao terceiro mês da Mostra Um Curta Por Dia. Os curadores Clarissa Kuschnir e Fabricio Duque seguem o desafio de exibir um curta-metragem diferente por dia, durante 24 horas, ao longo de um ano inteiro, em que nenhum filme será repetido. Ufa! Mesmo com toda essa nossa megalomania, é muito bom saber que se oferta infinitas possibilidades, de que esses filmes estão ao alcance de todos os leitores-espectadores do site. E, o melhor, de forma totalmente gratuita. Como já dissemos nas matérias dos meses anteriores, o Vertentes do Cinema é o único site de crítica no Brasil que exibe curtas-metragens desde sua criação em 2009. Mas nem tudo foram flores. Pelo contrário, nós precisamos lutar muito e quebrar muitas barreiras sócio-comportamentais.

Por exemplo, durante a pandemia do COVID, o Youtube baniu o Canal do Vertentes por “infringir questões morais contra a sociedade”. Esse foi o primeiro baque desse processo de exibição de curtas. O vídeo considerado “destrutivo e antiético” era um trailer de um filme que o próprio Festival de Locarno nos disponibilizou. Por conta disso, nosso canal foi banido para sempre, sem recurso algum, e nenhum advogado conseguiu reverter a decisão. A consequência: a perda de mais de 1000 conteúdos postados. Sim, isso gerou a primeira certeza de que nossa sociedade mundana tinha mudado mesmo. Retrocedido na liberdade e se encaretado ao comercial, de capitalismo moralista. Desistir? Nunca. O próximo passo: migrar para a plataforma Vimeo. Foi lá, durante anos, que muitos filmes “censurados, proibidos e inaptos” (contém ironia!) puderam ser exibidos ao público vertenteiro.

E aí aconteceu o segundo baque. De novo, um curta “violou as regras de conduta”, “Cloro”, de Marcelo Grabowsky, e assim, o Vimeo baniu inteiramente o canal do Vertentes, sem direito à recurso. E tudo, por conta de um único staff. E agora, José? O que fazer? Desistir? Jamais! Mas como disse nosso editor geral Fabricio Duque: “há males que vem para o bem”. O Universo com tudo isso só queria uma coisa: nos estimular a botar em prática uma ideia antiga que considerávamos ambiciosa demais. Pois é! Nós arregaçamos as mangas, tomamos um suco calmante de maracujá e aceitamos elevar o desafio. Sim, nós criamos nosso próprio espaço. Ou seja, o Vertentes agora se tornou uma plataforma única de curtas-metragens, inicialmente, e com projeção de filmes em geral. E de forma segura, visto há proteções contra pirataria. Não tem como fazer downloads, muito menos gravar a tela. Sim, nós temos o melhor Web Designer do mundo. Obrigado Hans! E assim, nós ganhamos a liberdade de colocar qualquer tipo de filme, sem censura (já que Vimeo e Youtube, não foram muito gentis com a gente!).

Leia também: 

Tudo Sobre o Segundo Mês da Mostra Um Curta Por Dia

Tudo Sobre o Primeiro Mês da Mostra Um Curta Por Dia

Para pensar o terceiro mês da Mostra Um Curta Por Dia, os curadores procuraram colocar os mais distintos curtas. Além de alguns conhecidos do circuito dos festivais, Clarissa e Fabricio buscaram abrir espaço para filmes que muitas vezes circularam pouco, ou nem mesmo puderam sair da gaveta de seus realizadores. É, acho que nosso site está no caminho certo (obrigado Universo!), porque o número de diretores que querem exibir seus trabalhos só aumenta. Os acessos aos curtas estão subindo cada vez mais! Por exemplo, curtas das edições anteriores, “Passeio” chegou a mais de 1500 visualizações em um dia, e “Cantando no Chuveiro”, quase a mil acessos. Esse retorno só nos faz com que os curadores pensem cada vez mais na diversidade de temas que podemos ter aqui.

Vamos então a nossa programação desse mês que está tão plural. A edição de setembro está bem especial, porque além de dar voz à campanha brasileira Setembro Amarelo de prevenção ao suicídio, iniciada em 2015, questão esta vital e de importância urgente, principalmente nesta pós-pandemia que causou uma sensação de desnorteamento do tempo atual, é o mês que o Vertentes do Cinema comemora 14 anos de existência. Especificamente no dia 17/09. O filme teria que estar à altura, não é? Lógico, assim os curadores escolheram “Salto no Vazio”, de Patrícia Niedermeier e Cavi Borges (leia a crítica AQUI e baixe grátis o folder ficha sobre o filme AQUI), que categorizamos como curta (por seus 64 minutos) para assim embasar nossa proposta. um filme ensaio onde os artistas personagens aparecem em diversos lugares do mundo, registrando uma série de coreografias e outras performances.

A programação do terceiro mês da Mostra Um Curta Por Dia exibirá curtas a partir dos anos 2000 até 2021.  E para começar o texto sobre os filmes, não poderia faltar Kleber Mendonça Filho, com seu “Recife Frio”. O cineasta pernambucano que recém lançou seu documentário “Retratos Fantasmas” nos cinemas já mostrava talento em 2009, quando lançou esse curta genial, que mistura o documentário com a ficção e traz para a capital pernambucana, o frio. Ou seja, imagina Recife da noite para o dia se tornar uma cidade fria? Seria o filme, uma reposta ao caos climático? E isso foi em 2009. Hoje, vivemos ainda mais o caos climático, em muitas cidades do mundo. É daqui para pior?

Ainda de Pernambuco temos “Nova Iorque”, de Leo Tabosa. A sensível ficção que narra a relação entre um aluno e uma professora que resolve largar seu passado e ir embora da pequena cidade do agreste é protagonizada pelas grandes Marcélia Cartaxo e Hermila Guedes. Da região do Nordeste, temos ainda curtas de: Petrus Cariry (recém vencedor de vários Kikitos no último Festival de Cinema de Gramado, com o longa “Mais Pesado é o Céu”) do Ceará, com “Dos Restos e Das Solidões”; Frederico Machado do Maranhão com “Infernos”, em que cineasta aborda a obra de seu falecido pai, o artista Nauro Machado; e a poética animação “Guaxuma”, da cineasta alagoana Nara Normande, radicada em Pernambuco, que conta passagens de sua infância, em sua terra natal.

Do Sudeste trazemos o curta “A Maldita”, documentário de Tetê Mattos, do Rio de Janeiro. “Eu não sou carioca, mas acho uma delícia e divertida, a forma como a niteroiense retrata, a rádio Fluminense FM”, justifica Clarissa. Ainda do Rio temos a incansável Susanna Lira com “Mãos de Vento e Olhos de Dentro” (que os curadores tiram do baú); “Escolhas”, de Ivann Willig, ficção em preto & branco filmada em uma bela fazenda no interior fluminense e protagonizada por Carolina Kasting, Tuna Dwek e Raul Labancca. Temos também Edu Felistoque e Nereu Cerdeira de São Paulo, com o documentário “Zagati” (ganhador do Kikito Prêmio Especial do júri), em que a personagem é um catador de lixo, que durante anos juntou pedaços de filmes e equipamentos, e resolveu montar uma pequena sala de projeção em sua garagem, promovendo sessões de cinema, para a comunidade de Taboão da Serra. “São aquelas histórias cinéfilas, que nos fazem acreditar no ser humano”, diz Clarissa. 

E o experimental também entra nessa leva com o poético “O Espaço do Não Ver”, do cineasta Guilherme Bonini, de Araraquara, interior paulista. Inclusive, o curta foi vencedor na categoria de melhor filme experimental, na última edição do Curta Campos do Jordão. E temos muito mais diretores como: Davi Mello, Juliana Rojas, Marco Dutra, Laís Melo, Caru Alves, Iuri Bermudes, Leona Jhovs, Daniel Ribeiro, Clovis Mello, Roberto Berliner, Marcelo Grabowsky (o causador de tudo! obrigado Marcelo!), Luelane Loiola Corrêa, Marcos Pimentel, Joana Oliveira, Quico Meirelles, Gustavo Melo, Gabriel Amaral de Almeida, Renan de Cillo, Regina Miranda e Yuri Costa.

A curadora Clarissa Kuschnir complementa um parênteses-referência para falar dos curtas de setembro: “faço questão de me estender um pouco para dizer que estou indo esse ano, em várias sessões da 34ª edição do Curta Kinoforum – Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo. Além das ótimas sessões de curtas nacionais, internacionais e latino-americanos (como é separado pelo festival) consegui acompanhar um pouco as mesas sobre curta e mercado. Em uma das mesas estava Zita Carvalhosa, a diretora geral do evento fez questão de dizer que esse ano ela quis fazer um festival muito maior (depois de dois anos pandêmicos) e mais espalhado pela cidade, para que as pessoas possam ir às sessões e conhecer o que está se fazendo no mundo e no Brasil, em termos de curtas-metragens.”

“Eu acho que hoje em dia precisamos repensar um pouco esse espaço de circuito de exibição dos filmes e para isso, eu sou uma pessoa que adora pensar politicamente nesse assunto. Quando eu penso, eu penso que as telas dos cinemas é uma passo para você entrar em outras telas. Então temos que batalhar juntos. Estamos reabrindo o festival pós pandemia (pois o ano passado foi bem menor) e sentimos que os mais jovens não conhecem os festival. Eu acho que se viessem aqui, iriam adorar. Mas é uma hábito de assistir a um filme em casa. Então o objetivo de um festival é conseguir levar o público para se encontrar, assim como acontece em Clermont- Ferrand (o maior festival de curtas do Mundo, na cidade Francesa de mesmo nome)”, disse Zita.  

Clarissa continua: “Por isso eu concordo que não tem melhor lugar para assistir e discutir filmes do que em um festival, porém, nem todo mundo tem essa oportunidade. É aí que entram as outras janelas de exibições, para que esses curtas possam ser exibidos. E assim o Vertentes procura ocupar um espaço importante dessas janelas, fora dos festivais.”

PROGRAMAÇÃO COMPLETA DO SEGUNDO MÊS DA MOSTRA UM CURTA POR DIA

DIA 01/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

SILDENAFIL

(Sildenafil, 2008, Brasil, 17 minutos, de Clovis Mello, Crítica AQUI). Com Ricardo Petraglia e Marilia Medina. É um curta que tem que ser visto. Em meio a uma casamento em crise, uma mulher de meia idade obriga seu marido à experimentar Viagra. A partir deste momento toda uma sequência de dramáticos acontecimentos deixam o seu marido em pânico.


DIA 02/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

A PESSOA É PARA O QUE NASCE

(A Pessoa é para o Que Nasce, 1998, Brasil, 6 minutos, Documentário, de Roberto Berliner, RJ). Com Conceição, Maria, Regina. A vertigem da visão. A ausência que provoca excesso. O compromisso com a sobrevivência. A experiência da vida através da falta. Três irmãs cegas cantam em troca de esmola em Campina Grande, Paraíba.


DIA 03/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

CLORO

(Cloro, 2014, Brasil, 18 minutos, de Marcelo Grabowsky, Crítica AQUI). Sob o sol ofuscante, Clara se esforça para enxergar sua família e a realidade que a cerca. Com  Ana Vitória Bastos, Beatriz Nunes, Daniela Galli, Flávio Mariano, Marília Coelho, Matheo Marra, Miriam Padilha, Roberto Birindelli.


DIA 04/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

COMO SE MORRE NO CINEMA

(Como se Morre no Cinema, 2002, Brasil, 20 minutos, Documentário, de Luelane Loiola Corrêa, RJ). Com  Henri Raillard, Jurandir Oliveira, Luiz Carlos Vasconcelos, Pablo Uranga, Stela Freitas. Memórias do papagaio que participou da filmagem do clássico Vidas Secas, em 1962, quando atuou ao lado da cachorra Baleia.


DIA 05/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

BIOGRAFIA DO TEMPO

(Biografia do Tempo, 2004, Brasil, 8 minutos, Documentário, Experimental, de Marcos Pimentel e Joana Oliveira, MG). Uma reflexão sobre a memória, construída pelo encontro das obras do brasileiro Pedro Nava e do cubano Santiago Alvarez.


DIA 06/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

DOS RESTOS E DAS SOLIDÕES

(Dos Restos e das Solidões, 2006, Brasil, 13 minutos, de Petrus Cariry, CE). No meio da caatinga Inhamuns, a terra mais seca e pobre do Ceará, vagando entre as ruínas e as sombras, vive Dona Laura, com seus 70 anos, remoendo memórias e dores. O presente é desolação e decadência; o passado é uma lembrança.


DIA 07/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

A MALDITA

(A Maldita, 2007, Brasil, 20 minutos, Documentário, de Tetê Mattos, RJ). Em março de 1982 entra no ar, em Niterói, a Rádio Fluminense FM, conhecida como Maldita, que com irreverência, ousadia e criatividade na programação, rompe com os padronizados mercados de música estrangeira e dá início a chamada geração Rock 80.


DIA 08/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

ASSUNTO DE FAMÍLIA

(Assunto de Família, 2011, Brasil, 12 minutos, Ficção, de Caru Alves de Souza, SP). Prêmio Especial do Júri Nacional. Com Cláudia Assunção, Johnnas Oliva, Kauê Telloli, Ney Piacentini, Thiago Balieiro, Thiago Pinheiro. Domingo. Dia de clássico no campeonato brasileiro. A família de Rossi se organiza em torno da TV. A mãe olha pela janela enquanto o pai e o irmão mais velho assistem ao jogo. Rossi tenta achar seu lugar na casa.


DIA 09/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

A GALINHA QUE BURLOU O SISTEMA

(A Galinha que Burlou o Sistema, 2012, Brasil, 14 minutos, Experimental, de Quico Meirelles, SP). Numa granja industrial, uma galinha tem uma visão: toma consciência da engrenagem que rege sua vida, que determina seu destino. Mesmo enclausurada entre milhões de galinhas que não compartilham de sua angústia, ela acredita que a vida pode ser diferente.


DIA 10/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

TENTEI

(Tentei, 2017, Brasil, 14 minutos, Ficção, de Laís Melo, PR). Com  Carlos Henrique Hique Veiga, Janine Mathias, Patricia Saravy, Richard Rebelo. A coragem foi se fazendo aos poucos conforme a angústia tomava o corpo. Em certa manhã, Glória, 34 anos, parte em busca de um lugar para voltar a ser.


DIA 11/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

MÃOS DE VENTO, OLHOS DE DENTRO

(Mãos de vento e olhos de dentro, 2008, Brasil, 13 minutos, de Susanna Lira, RJ). A amizade entre duas crianças que brincam de encontrar desenhos em nuvens se transforma depois que uma delas descobre um segredo.


DIA 12/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

INFERNOS

(Infernos, 2006, Brasil, 14 minutos, 35mm, de Frederico Machado). Filme que aborda a vida e a obra do poeta Nauro Machado, pai do diretor, de forma livre, misturando filme experimental, documentário, ficção e poesia. Trilha-sonora de Joaquim Santos.


DIA 13/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

GRILADA

(Grilada, 2013, Brasil, 7 minutos, de Davi Mello, CRÍTICA AQUI). Eles ainda estão chamando. O filme é o que chamamos de filme sensorial, visto que acontece pela pausa no tempo da ação, e cuja ambiência etérea conduz campos psicológicos do se estar, que se comportam como sensações sobrenaturais do invisível.


DIA 14/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

RECIFE FRIO

(Recife Frio, 2009, Brasil, 24 minutos, de Kleber Mendonça Filho). Um meteorito cai sobre Recife e a cidade começa a enfrentar baixas temperaturas. O local sofre com os efeitos deste acontecimento sobrenatural e deixa de ser tropical para incluir até pinguins em sua região. Trata-se de um mocumentário sobre uma estranha mudança climática na cidade.


DIA 15/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

ESCOLHAS

(Escolhas, 2017, Brasil, 20 minutos, de Ivann Willig). Produção de Janine Bastos. Fotografia de Kennel Rógis. Com Carolina Kasting,Tuna Dwek, Raul Labancca. Sul do Brasil, 1940. Mãe e filha vivem o mesmo drama e têm suas vidas transformadas, depois que segredos marcantes são revelados por ambas.


DIA 16/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

MODELO MORTO, MODELO VIVO

(Modelo Morto, Modelo Vivo, 2020, Brasil, 25 minutos, de Iuri Bermudes e Leona Jhovs). Manuela, uma mulher trans, ao frequentar uma oficina de modelo vivo, desperta para sua própria beleza e potência.


DIA 17/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

SALTO NO VAZIO

(Salto no Vazio, 2017, Brasil, 64 minutos, de Cavi Borges e Patricia Niedermeier). As memórias da viagem feita pelo casal de artistas Cavi Borges e Patrícia Niedermeier são transformadas em um filme-ensaio. O cenário é composto de paisagens localizadas no Brasil, Estados Unidos, Alemanha, Síria, França e Hungria, onde foi registrada uma série de coreografias e outras performances criadas por ambos.


DIA 18/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

ZAGATI

(Zagati, 2001, Brasil, 17 minutos, de Edu Felistoque e Nereu Cerdeira). José Luiz Zagati, um catador de lixo de 52 anos, é apaixonado por cinema desde a infância. Tendo passado anos revirando o lixo dos outros, conseguiu juntar pedaços de filmes e de equipamentos suficientes para montar um uma pequena sala de projeção em sua própria garagem, onde aos domingos exibe filmes para a comunidade de Taboão da Serra. Kikito Prêmio Especial Do Júri no Festival De Gramado. Melhor Roteiro Cine Pe.


DIA 19/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

URANO

(Urano, 2013, Brasil, 7 minutos, de Daniel Nolasco). Vênus deitada, Urano nas esquinas. Curta-metragem experimental de Daniel Nolasco com montagem de Daniel Abib. Foi um dos primeiros curtas de Nolasco, que posteriormente lançou os curtas Plutão e Netuno. Urano é um curta bem artístico que exibe e captura a beleza e a sensualidade do corpo masculino em diversas fases da vida adulta.


DIA 20/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

O ESPAÇO DO NÃO VER 

(O Espaço do Não Ver, Brasil, 2021, 12 minutos, de Guilherme Bonini). O entrecruzamento de segmentos artísticos por meio de ruídos sonoros e fragmentos em imagens, promovem a construção de uma linguagem que explora os sentidos auditivos e visuais humanos, através de sensações que abrangem a inclusão ao reconhecimento do “invisível” em sua existencialidade territorial. Roteiro, fotografia, som, montagem e direção de Guilherme Bonini.


DIA 21/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

NOVA IORQUE

(Nova Iorque, Brasil, 2017, Ficção, 24 minutos, de Leo Tabosa, Crítica AQUI). Hermila e Leandro querem fugir. Hermila e Leandro querem ficar. Com Hermila Guedes, Juan Calado, Marcelia Cartaxo. O filme venceu o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2019.


DIA 22/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

FAUSTO DE OCTÁVIO III

(Fausto de Octávio III, 2019, Brasil, 17 minutos, de Cavi Borges, Otávio Terceiro, CRÍTICA AQUI https://vertentesdocinema.com/fausto-de-octavio-iii/). em ares de making of minimalista. Numa nua e crua versão, a posição interpretativa do ator Otavio Terceiro para o texto Fausto Primeiro, de Fernando Pessoa, é, no mínimo, taciturna. Sob esta perspectiva, o ator, com sua voz grave e penetrante, tem liberdade para interpretar segundo seu próprio desassossego, inventando sonoplastia,  sugerindo músicas de Sergio Ricardo, que aparece como uma participação especial, cantando com sua voz maviosa a canção Esse nosso olhar.


DIA 23/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

O JEITO BRASILEIRO DE SER PORTUGUÊS

(O Jeito Brasileiro de ser Português, 2000, Brasil, 15 minutos, Ficção, de Gustavo Melo, RJ). Com Amir Haddad, Flávio São Tiago, Lúcio Andrey, Márcia Frederico. Manoel, um português, proprietário de um típico bar no subúrbio carioca, tem sua vida transformada após a instalação de uma antena parabólica para transmitir os jogos do campeonato brasileiro para seus fregueses.


DIA 24/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

UM RAMO

(Um Ramo, 2007, Brasil, 15 minutos, de Juliana Rojas e Marco Dutra). Clarisse descobre uma pequena folha crescendo em seu braço direito. Com Gilda Nomacce, Ney Piacentini, Lilian Blanc, Pedro Costa, Luis Mármora, Helena Albergaria, Júlia Albergaria, Natacha Dias, Matheus de Jesus, Marina Tranjan, Marat Descartes.


DIA 25/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

A MÃO QUE AFAGA

(A Mão que Afaga, 2012, Brasil, 19 minutos, de Gabriela Amaral Almeida). No aniversário de nove anos de seu único filho, uma operadora de telemarketing planeja uma festa que tem poucas chances de dar certo.


DIA 26/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

GUAXUMA

(Guaxuma, 2018, Brasil, 15 minutos, de Nara Normande). A amizade e o amor de infância entre Nara e Tayra, criadas na região litorânea de Alagoas. O curta é simples em sua abordagem, mas acerta milimetricamente em suas temáticas. A complexidade e densidade que ele toma ao longo de sua projeção faz o tom dele quase se inverter, o espectador é pego de surpresa e quando entendemos para onde ele caminha, sentimos o peso das memórias que a diretora apresenta no início, e como elas não apenas moldam nosso caráter mas também são a herança de nossos esforços.


DIA 27/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

EU NÃO QUERO VOLTAR SOZINHO

(Eu não Quero Voltar Sozinho, 2010, Brasil, 17 minutos, de Daniel Ribeiro). A vida de Leonardo, um adolescente deficiente visual, muda com a chegada de Gabriel, um novo aluno em sua escola. O jovem vive a inocência da descoberta do amor e da homossexualidade, ao mesmo tempo em que lida com o ciúme da amiga Giovana.


DIA 28/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

BICHA-BOMBA

(Bicha-Bomba, 2019, Brasil, 9 minutos, de Renan de Cillo). Este filme “não é capaz de vingar as mortes, redimir os sofrimentos, virar o jogo e mudar o mundo. Não há salvação. Isso aqui é uma barricada! Não uma bíblia.” “Bicha-Bomba” nos coloca, a partir de imagens de vídeos caseiros dos anos 1990, no absurdo caso de assassinato de um filho de oito anos por entender que ele estava se comportando fora do padrão imposto. O filme teve como inspiração a censura que ocorreu na exposição “Queermuseu: Cartografias da Diferença na Arte Brasileira”, no Santander Cultural em Porto Alegre. Na época, grupos conservadores decidiram censurar a exposição de temática LGBTQI+, apontando como um dos principais motivos as obras da série “Criança Viada”, da artista Bia Leite.


DIA 29/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

WATER CLOCK

(Water Clock, 2021, Brasil 9 minutos, de Regina Miranda, CRÍTICA AQUI https://vertentesdocinema.com/water-clock/). Nosso tempo interno/externo mudou durante a pandemia. Esse filme é uma olhada sobre a sensação de diluição desse tempo. Em “Water Clock”, novo curta-metragem de Regina Miranda, essa percepção se torna mais explícita quando sensações ofertam atravessamentos a seus espectadores. O que encontramos é uma tradução da essência da vida, por formas,  fusões, desprendimentos, desconstruções e sinergias em um equilibrado caos visual.


DIA 30/09 – Início 09:00 – Assista por AQUI

EGUM

(Egum, 2020, Brasil, 23 minutos, Ficção, de Yuri Costa, RJ). Com Bruna Rodrigues, Diomar Nascimento, Francisca Silva, Paulo Guidelly, Valéria Monã. Após anos afastado devido à violenta morte do irmão, um renomado jornalista retorna para a casa de sua família para cuidar de sua mãe, que sofre uma grave e desconhecida doença. Numa noite, o jornalista recebe a visita de dois estranhos, que têm negócios desconhecidos com seu pai. Esse encontro, juntamente com acontecimentos que o levam a desconfiar que algo sobrenatural se abateu sobre sua mãe, fazem-no temer uma nova tragédia.


SERVIÇO

Mostra Um Filme Por Dia – Terceiro mês

Online no site Vertentes do Cinema

vertentesdocinema.com

De 01 de setembro a 30 de setembro de 2023

Cada curta será exibido por 24 horas, somente.

Evento Gratuito.

Pix Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta