Teto Parede

O certo e o errado

Por Chris Raphael

Mostra Cavídeo em Berlim

O errado é errado mesmo que todo mundo esteja fazendo. O certo é certo mesmo que ninguém esteja fazendo. Este ditado popular, de autor desconhecido, traduz em poucas palavras o sentimento que está permeando as atitudes da sociedade contemporânea. Esta nova ordem mundial, seduzida pelo luxo e opulência,  incorre em muitos fazendo o errado e poucos fazendo o certo, em um jogo de aparências. Realidade distorcida. Ou retorcida. Ou contorcida. Não importa, não está normal.

“Teto Parede” é o título do curta metragem de Eduardo Speroni, que assina o roteiro em parceria com Isadora Krummenauer. É uma produção de 2018, entre Fernanda Curi e Cavi Borges. A direção é de Eduardo Speroni. Trata da substancia humana, base de todas as coisas e das consequências entre as atitudes pessoais dos personagens principais. Em locações que parecem ser autênticas e não somente um cenário, a situação se desenrola.

Em uma alegoria realista, uma mensagem é conduzida pelo fio tênue que separa a esperança da desesperança, guardando em seu o desfecho o cerne da questão. O certo e o errado não se cruzam, mas sim, caminham paralelamente sem nunca se encontrar. São duas metade de um mesmo objeto, precisam existir juntos. E a complexidade desta união é o que nos torna humanos. Ou não. É sempre prudente uma avaliação destes limites e quem sabe, uma recalibragem. Ninguém está a salvo, todos podemos tropeçar e cair. Mas sempre há maneiras e meios de corrigir qualquer falha, grande ou pequena.

Quanto ao público, há tempos recorrem às realidades que suprem a falta do que precisam, seja coragem, amor ou esperança. Às vezes lágrimas e às vezes risos. Buscam nos  livros e  nos filmes, torcem para que contém uma boa estória, ouvem músicas que embalam a alma. E, para  sorte, de todos, há uma superlotação de sonhadores na forma de músicos, atores, cineastas; artistas que querem expor suas próprias angústias, traumas, amores, sofrimentos, alegrias. Ainda bem. Olhamos de longe, do lado de fora. Às vezes, aplaudimos de pé. Teto Parede.

Anuncie no Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *