A Gentle Creature

Por Fabricio Duque

a-gentle-creature-poster

Festival de Cannes 2017: “A Gentle Creature”


Do diretor ucraniano Sergei Loznitsa (de “Na Neblina“, “Minha Felicidade“, “As Pontes de Sarajevo”, “Maïdan: Protestos na Ucrânia”), 143 minutos. Com Vasilina Makovtseva, Valeriu Andriuta, Lia Akhedzhakova.

Livremente baseado em um conto do russo de Moscou, Fyodor Dostoiévski. Após os correios enviarem de volta uma encomenda que enviou para seu marido, uma mulher decide deixar tudo para trás e viajar até uma parte remota da Rússia, onde o seu marido está preso, para descobrir a verdade sobre o paradeiro e sobre o estado dele. Em 1969, o cineasta francês Robert Bresson também realizou uma versão do conto em “Uma Mulher Delicada – Une Femme Douce” (seu primeiro filme em cores), ambientado em Paris. Dostoyevsky explora a psicologia humana na atmosfera política, filosófica, religiosa, social e espiritual da Rússia do século XIX.

“Uma Criatura Gentil – A Gentle Creature” integra a competição oficial a Palma de Ouro do Festival de Cannes 2017. Aguarde a crítica!


O diretor Sergei Loznitsa (Сергій Володимирович Лозниця), com 52 anos, nasceu em 5 de setembro de 1964. É conhecido por sua filmografia de documentários. Em 1987, formou-se no Instituto Politécnico de Kiev como matemático. Trabalhou no Instituto de Cibernética, desenvolvendo sistemas de criação de projetos e em inteligência artificial. Ao mesmo tempo, trabalhou como tradutor japonês. Em 1991, entrou no Instituto Gerasimov de Cinematografia , no departamento de direção de filmes na oficina de Nana Djordjadze. Desde 2000 trabalha como diretor de documentários em São Petersburgo. Em 2001, ele e sua família mudaram-se para a Alemanha. Em 2010, seu filme “Minha Felicidade – My Joy” foi selecionado para a competição oficial do Festival de Cannes. Seu filme de 2012, “Na Neblina – In the Fog” também competiu pela Palme d’Or. “Maidan” teve sua premier mundial em uma seleção especial em Cannes em maio de 2014, que aborda um registro dos protestos populares 2013-14 em Kyiv e sua supressão violenta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *