Cinema russo e soviético gratuito até junho!

De janeiro a junho, nos sábados às 19 horas, serão exibidos 22 longas, que ficarão abertos para visualização

Por João Lanari Bo

Desta vez é a Black Friday do cinema online! De janeiro a junho, nos sábados às 19 horas, a CPC UMES irá disponibilizar gratuitamente boa parte das  pérolas do seu acervo, filmes produzidos pela Mosfilm, o grande estúdio de cinema da União Soviética. Serão 22 longas, que ficarão abertos para visualização até às 19 horas do dia seguinte, domingo, no canal da distribuidora.

Logo em fevereiro, uma torrente de clássicos. No dia 5/2, o filme que Akira Kurosawa rodou na Sibéria em 1975, Dersu Uzala. Depois de cinco anos sem filmar um longa-metragem, Kurosawa conseguiu produzir, com apoio da Mosfilm, mais um grande sucesso global. A história é inspirada no relato de um militar russo inspecionando a fronteira com a Manchúria. A luz siberiana inunda o espaço cinematográfico e convida o espectador a uma irresistível imersão na natureza, mediada pelos sentidos afiados de Dersu, sempre consciente de seus limites e sem gestos grandiloquentes. Em plena Guerra Fria, ganhou o Festival de Cinema de Moscou e o Oscar de melhor filme estrangeiro. Só mesmo Kuro-san para fazer uma ponte dessas.

Em seguida, no dia 12/2 Aleksandr Nevsky, de Serguei Eisenstein. O roteiro começou a ser escrito em 1937 com o escritor Pavlenko, e foi aprovado por Stálin em novembro daquele ano, com corte da passagem final do envenenamento do Príncipe – “o roteiro termina aqui… um príncipe bom como esse não pode morrer!” – escreveu o líder no pé da página. As filmagens começaram em junho de 1938 e terminaram em tempo recorde, para os padrões de Eisenstein e pela escala da produção – batalhas com centenas de figurantes, cenários de neve em pleno verão – com o fiel Tissé na fotografia, Serguei Prokófiev na música e o ator Nikolai Tcherkássov no papel principal (esse último imposto pelo estúdio, sob orientação de Stálin). Sem dúvida o mais linear dos filmes do diretor, Aleksandr Niévski estreou em dezembro e foi sucesso de público e crítica, doméstica e internacionalmente.

Leia aqui o Tudo Sobre a 7a Mosfilm 2020!

Vá e veja, no dia 19/2, é talvez a obra-prima do cinema soviético da Perestroika. Lançado em 1985, não é, em essência, um filme realista sobre a guerra: é um pesadelo de sobreposições, horror sobre horror, som e mudez subjetivos sobre imagens polidas, cinza, verde, marrom e amarelo mofado. Elem Klimov, o diretor, dedica tempo e metragem não apenas às performances dos atores, mas também à paisagem, luz, cor e outras minúcias:  o filme é a jornada do jovem personagem de casa para os múltiplos locais de massacre, genocídios e, por fim, liberação.

Ainda em fevereiro, no dia 26, outra obra-prima: A Ascensão, de 1977, é o último filme de Larisa Shepitko, mulher de Klimov, morta precocemente em 1979 em um acidente de carro. A trama segue dois partisans soviéticos que enfrentam o inverno rigoroso em busca de comida para sustentar seus companheiros: os percalços são inevitáveis, captura e interrogatório, tortura por soldados nazistas e colaboradores. À medida que a narrativa se aprofunda, surgem dilemas morais e existenciais, vida e a morte, já que a sobrevivência só será possível por meio da traição. A Ascensão ganhou o Urso de Ouro no Festival Internacional de Cinema de Berlim de 1977.

A mostra prossegue até junho, trazendo no último mês três produções do grande Andrei Tarkovsky: Andrei Rublev, no dia 4; Solaris, dia 11; e Stalker, dia 18, todos produzidos na União Soviética, respectivamente em 1966, 1972 e 1979. Depois de intermináveis rusgas criativas com produtores e autoridades do cinema, Tarkovsky emigrou para a Europa Ocidental, realizando na Itália Nostalgia, em 1983, e O Sacrifício, em 1986, na Suécia, vindo a falecer logo após completar o filme. Sua morte igualmente precoce interrompeu uma carreira singular e artisticamente exitosa. Seus filme ocupam um lugar de relevo na história do cinema, que pouquíssimos diretores conseguem alcançar.

O projeto “Cinema Soviético e Russo em Casa”, do CPC-UMES Filmes, retorna para uma segunda edição neste ano de 2021. Já a partir do dia 22 de janeiro, o público poderá aproveitar o melhor do cinema soviético e russo todos os finais de semana no canal CPC-UMES Filmes do Youtube.

São 22 longas dos mais variados gêneros na programação deste semestre. Filmes de importantes diretores como Serguey Eisenstein, Grigori Chukhray, Karen Shakhnazarov e Andrei Tarkovsky. As exibições serão a partir de matrizes restauradas pelo próprio Estúdio Mosfilm, o maior e mais importante estúdio de cinema da Rússia.

As exibições dos filmes do Estúdio Mosfilm no canal do CPC-UMES Filmes foram iniciadas em julho de 2020 e ofereceram uma alternativa de qualidade para todos os que se mantiveram em suas casas devido à pandemia.  Entre julho e novembro, foram apresentadas 20 sessões gratuitas de filmes do Mosfilm.

O projeto “Cinema Soviético e Russo em Casa” é uma realização do Centro Popular de Cultura da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de São Paulo (CPC-UMES), que distribui e comercializa no Brasil, em DVD e Blu-Ray, Streaming, TV e Cinema os filmes produzidos pelo Estúdio Mosfilm.

Como funciona?

Cada filme estará disponível toda sexta feira a partir das 19h e poderá ser assistido até as 19h do domingo.

Para assistir o filme, basta acessar o canal CPC-UMES Filmes no Youtube no horário da exibição.

Aproveite e ative as notificações do canal para receber as novidades do CPC-UMES Filmes.


PROGRAMAÇÃO COMPLETA

Janeiro

22/01 – ANNA KARENINA. A HISTÓRIA DE VRONSKY
29/01 – UM ACIDENTE DE CAÇA

Fevereiro

05/02 – DERSU UZALA
12/02 – ALEKSANDR NEVSKY
19/02 – VÁ E VEJA
26/02 – A ASCENSÃO

Março

05/03 – A BALADA DO SOLDADO
12/03 – QUANDO VOAM AS CEGONHAS
19/03 – TIGRE BRANCO
26/03 – O CAMINHO PARA BERLIM

Abril

02/04 – AMIGOS VERDADEIROS
09/04 – ESTAÇÃO BIELORRÚSSIA
16/04 – A PRISIONEIRA DO CÁUCASO
23/04 – A VIDA É MARAVILHOSA
30/04 – O HOMEM DO BOULEVARD DES CAPUCINES

Maio

07/05 – ELES LUTARAM PELA PÁTRIA
14/05 – CIDADE ZERO
21/05 – O MENSAGEIRO
28/05 – BORIS GODUNOV

Junho

04/06 – ANDREI RUBLEV
11/06 – SOLARIS
18/06 – STALKER


SINOPSES DOS FILMES

ANNA KARENINA – A HISTÓRIA DE VRONSKY

2017 / COR / 138 MIN. / DRAMA
Direção: Karen Shakhnazarov / Roteiro: Alexey Buzin e Karen Shakhnazarov / Música: Yuri Poteenko

Sinopse: 1904. Guerra Russo-Japonesa. Manchúria. Hospital militar russo em um vilarejo chinês parcialmente destruído. Sergei Karenin, responsável pelo hospital, descobre que o Conde Vronsky, em recuperação ali, é o homem que arruinou a vida de sua mãe, Anna Karenina. Sem nutrir esperanças ou esperar respostas, Karenin faz a Vronsky a pergunta que o vem atormentando por toda a vida: o que fez sua mãe tirar a própria vida?

UM ACIDENTE DE CAÇA

1978 / COR / 107 MIN. / DRAMA
Direção: Emil Loteanu / Argumento Original: Anton Chekhov / Música: Eugen Doga

Sinopse: Adaptado da novela de Anton Chekhov, publicada como folhetim em 1884-85 e considerada precursora do romance policial psicológico, o filme penetra no vazio moral da aristocracia decadente ao narrar o drama da jovem Olga, filha de um servo, cobiçada por três homens de meia-idade.

DERSU UZALA

1975 / COR / 143 MIN. / DRAMA
Direção: Akira Kurosawa / Argumento Original: Vladimir Arsenyev / Música Original: Isaak Shwarts

Sinopse: Explorador e cartógrafo do exército russo mapeia a Sibéria no fim do século 19, com a ajuda de caçador nativo avesso aos padrões mercantis de conhecimento e relação com a natureza. Produzida pelo Mosfilm, a obra trouxe de volta às telas o mestre japonês, que tentara o suicídio em 1971. Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 1976.

ALEKSANDR NEVSKY

1938 / P&B / 108 MIN. / GUERRA
Direção: Serguey Eisenstein / Roteiro: Pyotr Pavlenko, Serguey Eisenstein / Música: Serguey Prokofiev

Sinopse: Na primeira metade do século 13, o príncipe Aleksandr Nevsky evita o confronto com os tártaros que impunham pesados tributos às cidades russas e concentra esforços na organização de um exército popular para derrotar uma ameaça mais perigosa: os temíveis Cavaleiros Teutônicos, que pretendiam se apossar do território russo, submetê-lo ao Sacro Império Romano-Germânico e erradicar sua cultura.

VÁ E VEJA

1985 / COR / 143 MIN. / GUERRA
Direção: Elem Klimov / Argumento e Roteiro: Ales Adamovich / Música: Oleg Yanchenko

Sinopse: Em 1943, o adolescente Floria, de uma aldeia bielorrussa, encontra um velho fuzil e se junta ao movimento guerrilheiro de resistência contra os nazistas. A ocupação da Bielorrússia foi de uma selvageria sem precedentes. Das 9.200 localidades destruídas na URSS durante a 2ª. Guerra Mundial, 5.295 estavam situadas na região. Mais de 600 vilas foram aniquiladas, e 2.230.000 soviéticos foram mortos lá durante os anos da invasão alemã.

A ASCENSÃO

1977 / P&B / 109 MIN. / DRAMA
Direção: Larisa Shepitko / Argumento Original: Vassil Bykov / Roteiro: Yury Klepikov e Larisa Shepitko / Música: Alfred Schnittke

Sinopse: No rigoroso inverno que assola a URSS durante a 2ª Guerra Mundial, dois partisans deixam seu acampamento a procura de alimentos para o grupo. A jornada é de provações e sofrimento. Capturados pelos nazistas, reagem diferentemente ao mesmo tratamento brutal. Adaptação do romance ‘Sotnikov’, do escritor Vassil Bykov, o filme ganhou o Urso de Ouro, no Festival de Berlim (1977).

A BALADA DO SOLDADO

1959 / P&B / 88 MIN. / GUERRA
Direção: Grigori Chukhray / Argumento original: Grigori Chukhray e Valentin Yezhov / Música: Mikhail Ziv

Sinopse: Durante a 2ª Guerra, o soldado Alyosha destrói dois tanques alemães. Ao invés de uma medalha, pede uma licença para visitar a mãe. Na jornada, o jovem compartilha com o povo os sacrifícios da vida na retaguarda. Premiado nos festivais de Cannes, São Francisco, Londres e Milão.

QUANDO VOAM AS CEGONHAS

1957 / P&B / 96 MIN. / DRAMA
Direção: Mikhail Kalatozov / Argumento e Roteiro: Viktor Rozov / Música: Moisey Vaynberg

Sinopse: Veronika e Boris, um jovem casal de namorados, é separado pela convocação do rapaz para o Exército Vermelho durante a 2ª Guerra Mundial. Ansiosa por notícias do front, a moça é acolhida pela família de Boris quando sua casa é destruída por um bombardeio, e acaba forçada a se envolver com o primo do rapaz, com quem resignadamente se casa, mas continua a esperar por Boris. Palma de Ouro no Festival de Cannes (1958).

TIGRE BRANCO

2012 / COR / 104 MIN. / GUERRA
Direção: Karen Shakhnazarov / Argumento Original: Ilya Boyashov / Música Original: Yuri Poteenko e Konstantin Shevelyov

Sinopse: Encontrado quase morto entre destroços no campo de batalha, o tanquista Ivan Naidionov tem uma recuperação surpreendente, que desafia a capacidade de compreensão dos médicos. Mais misteriosa se torna a história quando ele revela que foi atingido pelo Tigre Branco, indestrutível tanque alemão que surge e desaparece por encanto, deixando um rastro de destruição e morte.

O CAMINHO PARA BERLIM

2015 / COR / 82 MIN. / GUERRA
Direção: Serguei Popov / Argumento Original: Emmanuil Kazakevich e Konstantin Simonov / Música: Roman Dormidoshin

Sinopse: Condenado, por covardia, ao fuzilamento, tenente russo tem várias oportunidades de escapar, enquanto cruza a estepe escoltado por soldado cazaque até o posto de comando. Baseado em escritos de Konstantin Simonov e Emmanuil Kazakevich, o filme foi lançado por ocasião do 70º aniversário da vitória do Exército Vermelho sobre o fascismo.

AMIGOS VERDADEIROS

1954 / COR / 100 MIN. / COMÉDIA
Direção: Mikhail Kalatozov / Argumento original: Aleksandr Galich / Música: Tikhon Khrennikov

Sinopse: Era uma vez três garotos que moravam em um subúrbio de Moscou. Borka tornou-se um famoso cirurgião; Sashka, professor de pecuária; e Vaska, doutor em arquitetura. Lembrando-se da promessa dada um ao outro quando crianças, eles partem em uma jangada pelo rio Volga e passam por muitas aventuras.

ESTAÇÃO BIELORRÚSSIA

1971 / COR / 100 MIN. / DRAMA
Direção: Andrey Smirnov / Argumento: Vadim Trunin / Música: Bulat Okudzhava e Alfred Shnitke

Sinopse: Quatro veteranos da 2ª Guerra Mundial se encontram 25 anos depois, no funeral de um ex-camarada de armas que permanecera no exército. Antes de retornarem a seus afazeres, vivem um dia repleto de recordações e situações inesperadas.

A PRISIONEIRA DO CÁUCASO

1966 / COR / 80 MIN. / COMÉDIA
Direção e Argumento original: Leonid Gayday / Música: Aleksandr Zatsepin

Sinopse: Em viagem de pesquisa ao folclore do Cáucaso, o jovem estudante Shurik se apaixona pela atlética, belíssima e politizada Nina. Mas a garota é sequestrada pelo homem mais poderoso da região, que planeja impor a ela um casamento arranjado. Mais uma comédia em que Gayday ultrapassou a marca dos 76,4 milhões de ingressos vendidos.

A VIDA É MARAVILHOSA

1979 / COR / 116 MIN. / DRAMA
Direção: Grigory Chukhray / Argumento Original: Giovanni Fago / Música: Armando Travajoli

Sinopse: O piloto Antonio Murillo foi expulso do Exército por se recusar a abrir fogo contra uma embarcação que transportava mulheres e crianças em fuga. Seu principal objetivo agora é viver sem complicações, dirigindo seu táxi, mas ao envolver-se com Mary, garçonete de um café local, terá que fazer uma escolha. A história se passa num país sem nome, situado na Europa, governado por uma Junta Militar.

O HOMEM DO BOULEVARD DES CAPUCINES

1987 / COR / 97 MIN. / COMÉDIA
Direção: Alla Surikova / Argumento original: Eduard Akopov / Música: Gennady Gladkov

Sinopse: Na alvorada do século 20, Mr. Johnny First chega ao Oeste Selvagem com um projetor e alguns rolos de filme. O título dessa deliciosa sátira ao western way of life é uma alusão ao Salão Indiano do Grand Café do Boulevard des Capucines, onde os Irmãos Lumière encantaram as plateias com sua maravilhosa invenção.

ELES LUTARAM PELA PÁTRIA

1975 / COR / 157 MIN. / GUERRA
Direção: Serguei Bondarchuk / Argumento original: Mikhail Sholokhov / Música: Vyacheslav Ovchinnikov

Sinopse: Reconstituição dos três dias de retirada de um regimento do Exército Vermelho em direção à Stalingrado, sob a ótica de três soldados de origens diferentes — um engenheiro agrônomo, um mecânico e um mineiro. Baseado em romance do Nobel de literatura Mikhail Sholokhov, foi indicado à Palma de Ouro de 1975.

CIDADE ZERO

1988 / COR / 101 MIN. / COMÉDIA
Direção: Karen Shakhnazarov / Argumento e Roteiro: Aleksandr Borodyansky e Karen Shakhnazarov / Música: Eduard Artemev

Sinopse: Durante a perestroika, quando tudo parece estar de cabeça para baixo, Aleksei Varakin, representante de uma indústria de Moscou, é enviado a uma pequena cidade para tratar com um fornecedor de máquinas de ar condicionado. O que era uma viagem de negócios corriqueira se transforma em pesadelo, à medida que Varakin se envolve em situações bizarras.

O MENSAGEIRO

1986 / COR / 89 MIN. / DRAMA
Direção: Karen Shakhnazarov / Roteiro: Karen Shakhnazarov e Aleksandr Borodyanskiy / Música: Eduard Artemev

Sinopse: Vivendo durante a era Gorbachev numa sociedade à deriva, rapaz sem noção consegue emprego de office boy. Através de uma das entregas, ele conhece o professor Kuznetzov e sua filha Katya. Para irritar o professor, ele afirma ter engravidado Katya. Para sua surpresa, ela confirma a sua história.

BORIS GODUNOV

1986 / COR / 140 MIN. / DRAMA
Direção e roteiro: Serguey Bondarchuk / Música: Vyacheslav Ovchinnikov

Sinopse: Com a morte do czar Ivan, o Terrível, Boris Godunov se torna regente e 13 anos mais tarde, em 1598, assume o trono, com aparente relutância, assombrado por rumores de que fora responsável pelo envenenamento do legítimo herdeiro de Ivan, o filho Dimitry. Alguns anos depois, um pretendente posa como o príncipe perdido e lidera uma revolta para derrubar Boris.

ANDREI RUBLEV

1966 / P&B / 182 MIN. / DRAMA
Direção: Andrei Tarkovsky / Roteiro: Andrei Konchalovsky e Andrei Tarkovsky / Música: Vyacheslav Ovchinnikov

Sinopse: No verão de 1400, Andrei Rublev deixa o monastério onde foi criado e vai a Moscou para pintar os afrescos de uma catedral do Kremlin. Lá é confrontado com a violência e as dificuldades a que o povo russo era submetido na época. O filme é dividido em histórias curtas que desenham uma visão dos caminhos que levaram o monge, canonizado em 1988, a se tornar o maior pintor de ícones da escola medieval russa.

SOLARIS

1972 / COR / 167 MIN. / FICÇÃO CIENTÍFICA
Direção: Andrei Tarkovsky / Argumento Original: Stanislaw Lem / Música Original: Eduard Artemyev

Sinopse: Cientista enviado para investigar fenômenos ocorridos na estação espacial que orbita Solaris, reencontra ali a esposa, que se matara há 10 anos. Depois de ser bombardeado com raios-x, o oceano que cobre o planeta parece dotado de poderes para penetrar no íntimo dos seres humanos e materializar suas memórias, tornando-as reais. Grande Prêmio do Júri no Festival de Cannes (1972).

STALKER

1979 / COR / 162 MIN. / FICÇÃO CIENTÍFICA
Diretor: Andrei Tarkovsky / Roteiro: Arcady Strugatsky e Boris Strugatsky / Música: Eduard Artemyov

Sinopse: Num futuro indefinido, um guia (stalker) conduz dois homens conhecidos como Escritor e Professor a uma área proibida, a “Zona”. Dentro dela há uma usina desativada com um aposento que possui a propriedade de realizar os desejos de quem entrar nele. Prêmio Especial do Júri no Festival de Cannes (1980).

Cinema russo e soviético gratuito até junho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *