Tipóia

Reação Tardia

Por Jorge Cruz

Mostra Sesc de Cinema 2019

Em “Tipóia“, o trio Paulo Silver, Jande Silver e Lidiane Bernardino faz um trabalho exemplar de aproximação estética da realidade para deixar o espectador com as suas impressões sobre um dos períodos mais conturbados da sociedade brasileira, na transição entre 2015 e 2016. Doura essa pílula de contextualização histórica partindo de uma premissa que apavora nove em cada dez assalariados, qual seja, a de nos deparamos por um longo período em casa – na companhia da televisão e seu bombardeio de capitalismo do caos.

Iniciando com uma brincadeira sensorial de narrativa que remete à meditação, o curta-metragem verbaliza em seus primeiros momentos sua proposta de divagação da mente. Todavia, nas representações que sucedem essa introdução, fica claro que a ideia é a de identificação imediata, com filmagem caseira onde a perda de foco é por vezes permitida. Ao som de mensagens de Whatsapp e jornais matutinos da TV aberta, “Tipóia” formula com inteligência essa mistura de sofrimento do protagonista Paulo, obrigado a ficar em casa por conta de  um problema no braço, com a impotência de quem assiste o parquinho pegando fogo à distância.

Não há juízo de valor na obra, acompanhamos o personagem e seus testemunhos de discursos políticos sobre escândalos de corrupção do governo de Michel Temer convivendo com a forte propaganda em prol da Reforma da Previdência. Deixa para ser mais incisivo no trato com as artes, em especial o próprio cinema. Não sentencia a morte da produção nacional como Murilo Salles Sandra Werneck fizeram no curta “Pornografia” de 1992. É uma obra política ao se valer das circunstâncias, escancarando a crise institucional brasileira de forma que o espectador que assim não entenda seja obrigado a repelir esse produto audiovisual.

Dentro da programação da 3ª Mostra Sesc de Cinema, o curta-metragem “Tipóia“, como representante de Alagoas, talvez seja a alegoria mais politizada do festival. Uma boa maneira de ressignificar discursos para falar muito sem se valer de discursos diretos.

Anuncie no Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *