Simonal

Facebook
Twitter
WhatsApp
Pinterest
LinkedIn
Simonal

SimonalSimonal

Falta suíngue no Cha Cha Cha

Por Fabricio Duque

Festival do Rio 2018

 

Quase toda cinebiografia musical tenta sua reconstituição ficcional pelos moldes palatáveis, populares e narrativos de uma novela. Quase. “Simonal”, exibido no Festival do Rio 2018, após ter passado pelo Festival de Gramado do mesmo ano, ainda que facilitador em seus artifícios cênicos, difere-se por sua condução interpretativa, cujo protagonismo escalou o ator Fabrício Boliveira, que, optando por não “encarnar” literalmente o músico Wilson Simonal, conseguiu o desvencilhamento despretensioso de ter que ser por potencializar o brilho nos olhos.

É o que nas palavras do cineasta soviético Sergei Eisenstein, em “O Sentido do Filme”, define-se por “autenticidade da esfera da técnica interior do ator”. “É o estado, a sensação, a experiência sentida, em consequência direta em grau máximo de expressividade”. Sim, um ator deve naturalizar seu personagem a ponto dissociá-lo da própria construção.

“Simonal” pega carona no “Simonal – Ninguém Sabe o Duro que Dei”, de Cláudio ManoelMicael Langer e Calvito Leal, que estimulou o diretor (que trabalhou na pós-produção do documentário) estreante em um longa-metragem de ficção, Leonardo Domingues, a realizar a obra em questão aqui. Ele “descobriu a verdade atrás de tudo”. “É a história de uma ascensão em queda de um negro, pobre, que veio do nada e por sua voz chegou a ser um dos grandes artistas do Brasil”, complementa Leonardo.

É uma história da música brasileira na ditadura militar por um “tom de uma cuíca”. A narrativa desenvolve-se por imagens de arquivo, saturadas à nostalgia de um época glamurosa. A câmera acompanha, passeando por uma “classe artística inteira” e criando a sensação imersiva de pertencimento do espectador. De timidez e felicidade encenada. Era um tempo diferente, de “reunir a nata para um show surpresa”. “De celebrar a música e nosso encontro de um dos maiores cantores do Brasil”, o host faz sua apresentação e percebe a indignação dos outros culpando o artista. O público entende que é do fim ao início. Primeiro vemos a queda para depois entender a construção do sucesso.

“Simonal” é controverso, principalmente por abordar os boatos de um período sem defesas, que iniciou a ideia das “fake news”. O filme retrocede quinze anos para 1960 e a um “show para decolar”. Wilson Simonal nunca mudou seu jeito. Sempre foi transgressor, como pular na piscina e quebrar regras que “ninguém fez”. É seu início pré-fama e os testes musicais, entre personalidades, como Carlos Imperial (Leandro Hassum), Erasmo Carlos (João Sabiá), Miele. Tim Maia e Elis Regina. E o Clube do Rock. Sim, toda estrutura é muito encenada, ensaiada, caricata, anti-naturalista. Tipicamente um desenho mastigado ao público, porém esteticamente imagético (como os ângulos de jam sessions e ou as boas sacadas de criar paralelos com o timing da música – energia natural e edição ágil) em adequações adestradas, digressões-epifania, elipses temporais e “Broadway brasileira”.

Simonal é viril, marrento, arrogante, decidido, mulherengo, confiante, gosta de sexo forte por trás na cama e colocar propaganda para vender. E com “toda malandragem”. Ele transmuta-se e música “mais “pilantra e mais simplizinha. E patrocina a própria carreira solo. E com naturalidade desperta o que sempre soube ser, “Frank Sinatra do Beco das Garrafas”. A televisão é o próximo passo. “Quer ser mais consumido que Gomex”, diz o jargão da época. Entre contratos, lobbys, traições, e charmes, ele “se acha mais do que é”. “Minha sorte então mudou, porque mamãe passou açúcar em mim… Meu limão, meu limoeiro”, canções chicletes para divertir sem pensar. E gastos extravagantes.

“Conceito falso? Pilantragem leva felicidade”, diz. Lógico que com a fama aparecem as pedras sensacionalistas e “jornalistas racistas”, que enxergam “exibicionismo” em um “negão ter carro”. “Estou cansado de negro não poder fazer isso ou aquilo”, complementa. E por ingenuidade ou um lapso de luta social, Martin Luther King o faz ser preso no DOPS e degringolar sua carreira. “Panfletagem? Meu lance é música”, vela a Deus e ao diabo. Para sobreviver e cantar, tudo tem um significado. Amigos começam a “pedir coisas” e padroniza “ritmo e refrão e que se escafeda a letra”. Segue o estilo. Trabalha igual “a uma mula”.

“Simonal” excede os gatilhos comuns, que ficam simples demais. E por inocência (“irresponsabilidade e arrogância”), pede um favor a quem não deveria. E assim, o incidente, que ficou famoso e manchou sua história, manipulou e deturpou a verdade. Só que, ainda que julgado inocente, uma vez preso, sempre condenado. E uma voz de ouro encontra a decadência eterna e o ostracismo (a “morte histórica”), sem conseguir mudar a opinião pública e “colocar para fora a energia que ninguém resiste”. Perdoaram Elis e ele não. Até sua morte em 2000, tentou provar provar sua inocência. Em vão. Sim, uma época mudou tudo. Quem não lembra do ator Mário Gomes e o boato de ser “cenourinha”? Um filme que tinha tudo para decolar, mas faltou suíngue.

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *