Após Chile, Argentina e São Paulo, chega ao Rio, no Estação NET Botafogo, a Mostra Aventuras do Cinema Mudo

 

Três dias de aventuras e ousadias na tela com filmes mudos, dos mais diversos temas, com acompanhamento musical ao vivo, dos mais diferente estilos

 

O Instituto suíço IOIC – Institute of Incoherent Cinematography comemora seus 10 anos com uma turnê no Brasil, Chile e Argentina, com a mostra Aventuras do Cinema Mudo –  uma seleção de filmes mudos, entre ficção e documentários sobre divertidas e audaciosas aventuras e expedições gloriosas, e filmes de estética ousada e experimental.

Filmes Sci-Fi,  explorando o mundo da fantasia das mais modernas tecnologias, outros filmes etnográficos e documentários à margem do mundo civilizado, relatos de expedições e viagens, a conquista de lugares tão remotos como o Pólo Sul, o Monte Everest ou o planeta Marte, e filmes experimentais que examinam o caráter sonhador e delirante do meio moderno.

Todos estes filmes são apresentados com bandas ao vivo por músicos internacionais de vários gêneros, desde jazz e música improvisada, a pós-rock, electronica e música experimental contemporânea. Um dos principais destaques da mostra será a apresentação do filme “L’ Inhumaine” de Marcel L’ Herbier no Rio de Janeiro, Santiago de Chile e Buenos Aires,  com uma orquestra de improvisadores internacionais que se alternam, formado exclusivamente para esta sessão.

Esta mostra faz parte do programa COINCIDÊNCIA – Intercâmbio Cultural Suíça-América do Sul – da fundação suíça para a cultura Pro Helvetia.

 

Programação Completa

 

AVENTURAS DO CINEMA MUDO
Estação NET Botafogo – 19, 20, 21 de setembro de 2019

 Quinta-feira, 19 de setembro de 2019

19:00 A Aventura da Evolução (La aventura de la evolución)
filme:  Evolução (Evolution) (US 1923, 41 min, HD), Dave & Max Fleischer
Música: Cadu Tenório  / Cadu Tenório (elec)

“Uma pergunta que você sempre se fez: como viemos parar na terra?” Uma resposta ilustrada e várias outras perguntas são colocadas pelos famosos irmãos pioneiros Max e Dave Fleischer, os inventores da técnica do rotoscópio e criadores de tais figuras famosas, como Koko, Betty Boop e Popeye. A interpretação de Fleischer da eterna disputa entre ciência e religião apresenta argumentos científicos que apóiam a teoria de Darwin em uma combinação de sequências animadas e encenadas.

O professor de dissonância eletrônica Cadu Tenório vai apresentar um novo som eletrônico ao vivo desta jóia cinematográfica educacional em que o homem busca seu lugar na história da natureza.

 20:00 Sobre a vida e morte das plantas
Filme:  O Milagre das Flores  (Das Blumenwunder) (DE 1926, 63 min, HD), Max Reichmann
Música:  Tout Bleu /   Simone Aubert (voc, git, elec), POL (elec) & Agathe Max (vl, elec)

“O milagre das flores” é um filme alemão de movimento rápido que, pela primeira vez, torna visível o movimento contínuo das plantas em larga escala. A matéria prima cinematográfica foi retirada de um filme promocional para fertilizantes. Em combinação com cenas de dança pantomímicas que representam o crescimento e auto-movimento das plantas, este filme sobre a vida e a morte das plantas torna-se um exemplo visualmente encantador da chamada Kulturfilm.

Tout Bleu é a nova banda da cantora e guitarrista de Genebra, Simone Aubert com POL em eletrônica e Agathe Max em violino amplificado. Seus sons exploram uma onda atmosférica, um convite pré-rock para viajar e introspecção. O resultado é uma música integral, escura e tensa, cheia de doçura e alimentada pela esperança. Em outras palavras, os ingredientes perfeitos para um elogio da melancolia dos seres.

21h30 A efemeridade do paraíso (La fugacidad del paraíso)

filme:  Sombras Brancas dos Mares do Sul (White Shadows in the South Seas) (US 1928, 89 min, SD), W.S. van Dyke & Robert Flaherty
Música:   Bitter Moon /  Réka Csiszér (voc, elec) & Simone Bernardoni (elec)

Sempre, desde a primeira circunavegação da terra, as ilhas do Mar do Sul têm sido uma superfície de projeção para os desejos do mundo chamado civilizado. Que tal desejo também carrega as sementes de sua própria destruição, é o que este primeiro filme filmado no Taiti demonstra dolorosamente. Comerciantes de pérolas se aproveitam sem qualquer pudor dos nativos e a introdução do conhaque na vida da ilha literalmente termina com eles. Apenas um médico com seus próprios problemas de alcoolismo tenta resistir. Mas ele está sozinho em sua oposição às forças destrutivas.

Este visualmente impressionante canto de cisne sobre a busca da ilha ideal recebeu o segundo Oscar de Melhor Câmera em 1928. Desta vez, mostramos o filme com um novo som de Bitter Moon, a dupla electro-tropical de Réka Csiszér e Simone Bernardoni.

23:15 Um épico goona-goona em Technicolor ( Un épico goona-goona en Technicolor)
filme:  Legong: Dança das Virgens  (Legong: Dance of the Virgins) (US 1935, 55 min, SD), Henri de la Falaise
Música: Dadaglobal  / David Daniel (elec)

O filme Legong foi filmado em Bali em 1933 e é um dos últimos filmados com a tecnologia de duas cores Technicolor. O termo “épico Goona-Goona” refere-se a um tipo particular de cinema que explora a cultura indígena. Este está localizado em partes remotas do mundo e mostra mulheres com os seios à mostra, com a desculpa do interesse etnográfico no estilo da National Geographic. Esta mistura é evidente em um aviso da época: “Bali … um jardim do Éden com dezenas de ‘Evas’! Veja a estranha dança de Rongda, a bruxa! Romance no Mar do Sul! Cerimônias de cremação em massa!”

David Daniel – Dadaglobal estudou piano e violoncelo e dedicou-se à música eletrônica desde tenra idade. Seus projetos de engarrafamentos eletrônicos coletivos, como o Compact Flash Bit Band e o Superlive, são sons simbióticos e acontecimentos visuais. Para esta viagem de cinema à ilha de Bali, o músico vai apresentar uma variedade de sintetizadores, baterias eletrônicas e outros dispositivos acústicos.

0:30 O mundo raro de HP Lovecraft (El mundo raro de HP Lovecraft
filme:  O Chamado de Cthulhu (The Call of Cthulhu (US 2005, 47 min, SD), Andrew Leman
Música: Dave Phillips (elec, voc)

“O Chamado de Cthulhu” é o conto mais famoso do autor de culto HP Lovecraft. O filme de aventura globetrotting retoma a construção tripartida da narrativa e a partir de 1920 passa por 1908 a 1870 e retorna. Além disso, a história incorpora a visão niilista de HP Lovecraft, sua perspectiva cósmica e seu sentimento de que a humanidade está condenada por sua própria insignificância.

Dave Phillips, um dos fundadores do lendário grupo do final do século 20, Schimpfluch, faz o som ao vivo deste filme mudo do século 21. Com seus dispositivos eletrônicos, manipula com virtuosismo e em tempo real seu gigantesco arquivo de gravações de campo

Sexta-feira, 20 de setembro de 2019

19:00 Um Chaplin Bolchevique
Película: Felicidade (Schastye) (RU 1934, 62 min, SD), Aleksandr Medvedkin
Música: Dave Phillips Dave Phillips (elec, voc)

Segundo Sergey Eisenstein, esta sátira burlesca sobre a situação na Rússia antes e depois da revolução é a resposta bolchevique a Charlie Chaplin. E Chris Marker dedicou um documentário ao diretor russo, onde o filme Felicidade desempenha um papel central. O protagonista é um camponês russo explorado que tenta encontrar um lugar na nova ordem social. O caminho cheio de obstáculos que leva à comunidade da fazenda coletiva passa por uma cascata implacável de episódios caricatos e expressivos que expõem uma sociedade corrupta que aspira à liberdade individual.

Dave Phillips é um ativista sônico e ruidista intransigente com uma profunda compaixão pelo sofrimento “humanimal”. Esta é a estreia de sua nova trilha sonora para esta comédia surrealista sobre o socialismo real que é diametralmente oposta ao realismo social.

20:30 O Himalaya cinematográfico
filme: O Épico do Everest (The Epic of Everest) (UK 1924, 86 min, HD), John Baptist Lucius Noel
Música:           Elgar / Hans Koch (bcl, ss), Flo Stoffner (g) & Lionel Friedli (dr)
Trailer:            https://youtu.be/ih_LxzenSvM

Nem George Mallory nem seu companheiro Andrew “Sandy” Irvine sobreviveram à sua terceira tentativa em escalar o monte Everest em 1924. Foram vistos pela última vez a uns 250 metros abaixo do cume. Ainda hoje em dia, 20 anos depois de encontrar os corpos, especula-se se conseguiram ou não chegar ao topo antes de morrerem. Indiscutível é o fato que o acontecimento épico deixou para a posteridade as impressionantes imagens atmosféricas que o capitão Noel fez com sua câmera de mão. Ele seguiu a expedição até 7.000 metros de altitude e depois continuou filmando da base com uma câmera telescópica fabricada sob medida.

O trio de improvisação livre Elgar com Hans Koch em clarinete baixo e saxofone soprano, Flo Stoffner na guitarra e Lionel Friedli na bateria fará o som ao vivo deste filme visualmente deslumbrante.

22:30 A Epopeia de um povo perdido (La epopeya de un pueblo perdido)
Película:          Grama: uma batalha da nação pela vida (Grass: A Nation’s Battle for Life (US 1925, 71 min, HD), Merian C. Cooper & Ernest B. Schoedsack
Música:           Carla Boregas & Maurício Takara  Carla Boregas (elec) & Maurício Takara (elec, dr)

O documentário etnográfico dos dois pioneiros Merian C. Cooper e Ernest B. Schoedsack segue a tribo Bakhtiari em sua jornada cansativa através da Pérsia em busca de pastagens melhores para seu rebanho. O documentário apresenta a jornada dos cineastas como uma narrativa de recreação de uma cultura antiga. Ao ser introduzido ao público por um povo em movimento no presente, a migração é representada como uma antiga cultura de movimento, ou seja, recriando uma cultura tradicional e estável do passado.

A artista musical portuguesa Carla Boregas e o engenheiro de som brasileiro Maurício Takara são dois terços da excepcional banda Rakta de São Paulo. Como dupla, eles colocam a ênfase na improvisação livre e tocam sintetizadores, bateria e percussão.
00:00 A exploração da Antártida (La exploración de la Antártida)
Película: O Grande Silêncio Branco (The Great White Silence) (UK 1924, 107 min, HD), Herbert G. Ponting
Música: Tout Bleu, Simone Aubert (voc, git, elec), POL (elec) & Agathe Max (vl, elec)

Nada menos que Sua Majestade o próprio Rei George recomendou este filme: “Eu quero que toda criança britânica veja este filme porque ajudaria a fomentar o espírito de aventura sobre o qual o Império foi fundado.” A expedição Terra Nova de 1910-13 foi um esforço do governo e cidadãos envolvidos no que era então o Império Britânico para plantar a Union Jack no Pólo Sul. As imagens do pioneiro do filme Herbert Ponting estão entre as mais proeminentes da chamada era heróica da exploração antártica.

A banda Tout Bleu convida para uma viagem musical ao sul seguindo este sonho nostálgico do Império Britânico. E claro que não só os meninos mas também as meninas são bem-vindos …

Sábado, 21 de setembro de 2019

PROGRAMA FAMILIA ( curtas + filme )

16:00 Viagens ao espaço extraterrestre (programa de 5 curtas)

Viagem à Lua (Le Voyage dans la lune (FR 1902, 14 min, HD, colorido à mão), Georges Méliès
A viagem à Júpiter (Le Voyage sur Jupiter) (FR 1909, 10 min, SD, colorido à mão), Segundo de Chomón
O motorista automático (The Automatic Motorist) (UK 1911, 6 min, HD), Walter R. Booth
Viagem à marte  (Trip to Mars) (US 1924, 7 min, HD), Dave & Max Fleischer
Controle da Terra de Ko-Ko’s (Earth Control (US 1928, 6 min, HD), Dave & Max Fleischer

Música: Dadaglobal, David Daniel (elec)

A primeira aventura  cinematográfica importante de uma viagem ao espaço extraterrestre é a famosa “Viagem à Lua” (1902) do grande mago do início do cinema narrativo, o francês George Méliès. Daí em diante, muitos filmes se baseiam em viagens espaciais como a “Viagem à Júpiter” do segundo grande mestre do início do cinema, o espanhol Segundo de Chomón, como o divertido “El Motorista automático” (1911) do pioneiro inglês Walter R. Booth ou alguns filmes dos irmãos  Fleischer, especialmente os curtas com o palhaço Koko, protagonista de “Out of the Inkwell” (1918-1929), uma série animada muito querida na época do cinema mudo.

O artista eletrônico Dadaglobal, famoso por suas sonorizações bem humoradas de filmes mudos vai sonorizar estes cinco curtas. Viajemos junto com ele ao espaço sideral!

As aventuras do príncipe Achmed
Filme: As aventuras do Príncipe Achmed (Die Abenteuer des Prinzen Achmed) (Deutschland 1926, 64 min, HD), Lotte Reiniger
Música: Bitter Moon, Réka Csiszér (voc, elec) & Simone Bernardoni (elec)

As origens do filme de animação com silhuetas remontam à tradição venerável de mais de 2000 anos de teatro de sombras chinês. Com este primeiro longa metragem de animação sobre as aventuras do Príncipe Achmed, o personagem mais famoso de “As Mil e Uma Noites”, a diretora Lotte Reiniger garantiu um lugar no panteão dos maiores animadores de todos os tempos.

A dupla electro-tropical Bitter Moon com a cantora Réka Csiszér e a tecladista Simone Bernardoni farão o som deste fascinante filme.

21:00 O surgimento de Dada (La irrupción de Dada       (curta + filme)           
Película: Balé Mecânico (Ballet mécanique) (FR 1924, 16 min, HD), Fernand Léger & Dudley Murphy
Música: zEros, Sanannda Acácia (elec) & J.-P. Caron (elec)

O filme dadaísta de Fernand Léger combina a abstração dinâmica do construtivismo com as qualidades absurdas e rebeldes do dadá. Esta é uma obra-prima de filme experimental associada ao movimento dadaísta parisiense em torno de Francis Picabia e Marcel Duchamp. Isto foi dirigido à linha de frente contra André Breton e seus surrealistas, e especialmente contra o Primeiro Manifesto Surrealista que acabara de ser publicado. De acordo com os dadaístas, André Breton não era um revolucionário, mas um arrivista, ou nas palavras de Picabia: “um pequeno burguês que adora pequenas coleções de pinturas”.

A dupla carioca zEros apresentará uma composição em andamento inspirada no “Ballet mécanique” de George Antheil, que foi originalmente concebido como um acompanhamento do filme de Fernand Léger, mas acabou sendo uma peça musical independente.

Um grande mosaico da arte moderna (Un gran mosaico del arte moderno
Película: A Desumana (L’Inhumaine)  (FR 1924, 121 min, HD), Marcel L’Herbier
Música: IOIC Improvisers OrchestraLuisa Lemgruber (elec), Carla Boregas (elec), Cadu Tenorio (elec), Hans Koch (bcl, ss), Flo Stoffner (g), Eduardo Manso (g), Mauricio Takara (dr) & Lionel Friedli (dr), Lucía Santalices  https://ioic.ch/artist/718

Um ano antes da Exposição Internacional de Artes Decorativas e Indústrias Modernas de 1925, onde surgiu o termo Art Deco, Marcel L’Herbier visava alcançar um grande feito. Com L’Inhumaine ele criou uma síntese de todas as artes junto com os artistas mais excepcionais de sua geração, como o teórico Ricciotto Canudo pediu para o cinema. Seu manifesto pela moderna arte e tecnologia francesa combina o design de Alberto Cavalcanti, Claude Autant-Lara e Fernand Léger, a arquitetura de Robert Mallet-Stevens, os figurinos de Paul Poiret, os móveis de Pierre Chareau e Michel Dufet, o balé por Jean Börlin e a música de Georges Antheil e Darius Milhaud (que já se perdeu), para criar um grande Gesamtkunstwerk.

O IOIC – Institute of Incoherent Cinematography vai apresentar o filme La inhumana (L’Inhumaine) com uma nova performance musical. Uma orquestra internacional de dez músicos de improvisação de diferentes gêneros – música experimental clássica, jazz, rock e contemporânea – representará os dois temas centrais do filme: tecnologia contra a modernidade, humanidade contra a desumanidade. Juntamente com instrumentos tradicionais e modernos, uma série de instrumentos eletrônicos especialmente projetados para essa função atuam como extensões do corpo humano.

Serviço

AVENTURAS DO CINEMA MUDO
de 19 a 21 de setembro
Estação NET Botafogo

ingressos;
quinta R$50,00 / 25,00
sexta R$50,00/ 25,00

sábado
programa família R$ 50,00 / R$25,00
última sessão: R$100,00 / 50,00

PASSE POR DIA somente quinta e sexta: 80,00 (não há meia)
PASSE TOTAL 220,00 (não há meia)

Anuncie no Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *