DNA

Barulhos pela encenação mais pessoal

Por Fabricio Duque

Durante o Festival Varilux de Cinema Francês 2020

Não é só o novíssimo cinema italiano que vem aceitando perder suas essências, influenciadas pelas estrutura hollywoodiana de se fazer filmes, mas também o novo cinema francês. Se o primeiro transmutou seu realismo em melodrama, o outro se enveredou pela encenação da naturalidade, o que antes era cinema direto de cotidiano atravessado. Exibido no Festival Varilux de Cinema Francês, após ter sido selecionado oficialmente à edição não acontecida do Festival de Cannes 2020, “DNA” (representante dessa nova geração francesa de se fazer cinema), quinto-longa-metragem da realizadora Maïwenn (do excelente “Polissia” e atriz em mais de quarenta obras, incluindo neste filme em questão aqui), é um projeto pessoal. Talvez pessoal demais.

Dessa forma, “DNA” precisa de uma incondicional cumplicidade do espectador para que se mitigue criticas às fragilidades do roteiro (comportamentos construídos pelo conforto e pela obviedade), da direção (buscada pelo tom apenas ensaísta) e especialmente de seus atores (que interpretam uma ideia da própria encenação e não a internalização naturalista – a lágrima de um olho só, por exemplo). Não se sabe se essas escolhas pelo caminho fácil, quase de preguiça estrutural, possam ser explicadas pela relação de Maïwenn com a Argélia. Bem recentemente, Karim Aïnouz apresentou seu poético documentário “Marinheiro das Montanhas” no Festival de Cannes. Parece que, o que já foi pensado aqui, embase concretismo às opiniões. Projetos pessoais tendem à perda de parâmetros, alterando noções da racionalidade criativa, e ao amadorismo da formas narrativas, como as conversas que se nivelam na superfície, talvez por medo de acessar algo mais profundo (e doloroso) e/ou por intenção terapêutica de tornar o drama existencial em ficção. Assim, a trama segue por instantes. Um que de fragmentos captados e explicitados na edição que utiliza o corte como guia condutor.

O longa-metragem atravessa seu próprio limite de pessoalidade. A ingenuidade o olhar vira um inocência caseira. Não aquela que resgata a sinestesia dos encontros com familiares idiossincráticos, mas sim a de soar como uma estendida, livre (e sem apuro técnico) filmagem VHS em que se grava desconfortáveis (e de pena) verdades de uma idosa, e/ou os banhos ao som de Hip Hop e maconha no pós, por exemplo. “DNA” é sobre um resgate em livro da história desse ente próximo. As fotos, a infância do pai-avô na Argélia (“um sonho”), que geram choros emocionados, as “gravatas”, e logicamente conflitos de um deles (os responsáveis pela organização, entre filhas, netos, bisnetos) por achar “tradicional”, que levam a brigas com a “Amy Winehouse e essa maquiagem toda”. E escândalos cavados. Mas aos poucos “DNA” cutuca os problemas sociais da França, como o calor do hospital e a falta de enfermeiras (descaso dos funcionários – fumando ao invés de trabalhar). e o tratamento arrogante, agressivo e sem estabilidade emocional no retorno nas respostas, com música sentimental que encenam o sofrer e com a trilha sonora natal para ambientar o passado. “Uma vez na vida vocês não podem ficar quietos”, grita-se e tira fotos do morto (costume antigo – querendo a naturalidade em lidar com a morte (“a diferença entre suicídio e morte natural” e/ou o barulhos dos parafusos para fechar a urna) e não a morbidade de moral conservadora). Que França é essa de hoje que eles vivem? Que não ha nenhum segundo para sentir o luto? Que pragmatismo robótico é esse em se “livrar” do outro? Talvez estas sejam as perguntas a desvendar, entre protocolos, convenções e rituais.

“DNA”, que integra a edição especial do Festival do Rio no Telecine, começa mesmo após um preâmbulo de quase trinta minutos. As escolhas “psicológicas” sobre o “mostruário” do caixão que desencadeiam desavenças e “bufadas” guardadas. Cada um ali representa um papel. Um exemplo estereotipado (típico em entes tão diferentes de uma família). Brigas, confusões, gritos, enervações, recriminações, agressões. “Não se leve para a tristeza”, diz-se sobre o “masoquismo”. É um filme de núcleos. O humor espirituoso, por exemplo, vem da personagem de Louis Garrel, “que ganhou peso”. “Sabe o que é um pedófilo? Alguém que gosta de fio”, faz graça. “DNA” é um olhar peculiar e perspectivo da diretora (“tóxica”) sobre um povo já afrancesado, trazendo fotos de épocas, bandeira da Argel e discursos ficcionais sobre o confronto entre laicidade e religião e com gatilhos comuns de absorção emotiva e câmeras lentas de epifania (para re(olhar) o redor.

O longa-metragem, agora, com um que estrutural do movimento dinamarquês Dogma 95, tenta cavar mais desentendimentos entre eles, por colocações polêmicas, quase irracionais e sem conseguir parar, de “colocar loucos no mundo” (dito pela personagem interpretada por Fanny Ardant – que traz uma maturidade irritada). “DNA” adentra em outro desdobramento da trama. Neige (Maïwenn) precisa se encontrar. Descobrir realmente quem é. Usando a tecnologia moderna para acessar sua raiz. Pelo DNA. Onde está essa Argélia desconhecida? Receber a nacionalidade de lá. Fazer pedidos invasivos. E aprender a lidar com o amor, a raiva e ódio que sente ao mesmo tempo por seus familiares. E respeitar as decisões, iniciadas em sonhos. De ser francês e pronto. Tudo é muito construído na base de uma geração “desnutrida”, de jovens-adultos, que não consegue ouvir nenhum não. Que quer tudo e logo. Que vive intensamente e de forma egoísta as fases. E que obriga os outros a ter que resolver seus problemas pessoais, comportando como crianças à espera dos “pais”.

Não, não é assim Maïwenn que se “ganha” a batalha e o espectador. “Quanto mais barulho fizer, mais você é argelina”, explica-se quando se bebe um chá. Será essa o porquê de se gritar tanto, encenando o excesso? Será uma crítica a essa França que “afogou argelinos” (imagens documentais) no rio e que fala tão alto? A retórica questiona, em árabe, inclusive, a ideia do ouvir sem entender seus significados. Um novo mundo. Uma nova terra. Uma nova Argélia. Mas com as mesmas questões. Talvez tenha faltado à diretora conversar com Karim, apesar de seu final ter referências (não propositais) de “Nardjes A.”. Mas será que ela será feliz lá? Ou apenas deveria “amar sem dizer”?

Trailer

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *