Preguiça cinematográfica

Por Vitor Velloso


A diretora Lynne Ramsay conquistou os olhos de diversos cinéfilos ao realizar “O Lixo e o Sonho”, onde evocava um formalismo aliado a uma força dramática que varreu prêmios e elogios. Em “Morvern Callar”, falhou terrivelmente e provou que toda essa pretensão formal possuía uma fragilidade imensa, sua própria construção. “Precisamos Falar Sobre Kevin” é parcialmente eficiente, por se tratar de um roteiro não original, Lynne se prendeu em elementos narrativos levemente mais concretos. “Você Nunca Esteve Realmente Aqui” é sua tentativa de fazer as pazes com a dita “Art house”, mostrando que todo seu valor formal é uma desculpa barata a fim de ser ovacionada por pretensiosos e categóricos de plantão, curiosamente, ela só agradou parte do próprio público-alvo.

Na trama “Joe” (o ator Joaquin Phoenix), um veterano de guerra, aceita, como trabalho, resgatar “Nina” (a atriz Ekaterina Samsonov), filha do Senador, de uma instalação onde ela é mantida como escrava sexual. As coisas saem do controle e ele deve tentar protegê-la a todo custo. É mais bobo do que parece. Joaquin Phoenix tenta segurar o projeto, mas não tem condições, Ramsay é uma das maiores picaretas do cinema contemporâneo. Tudo aqui soa tão falso, tão poser, tão pseudo e tão… nada, que demonstra o quanto a produção para os categóricos de nariz em pé metidos a besta da “Art house” são verdadeiros hipócritas. Todo o formalismo é para soar algo que eles admiram mas não conseguem alcançar, uma das tentativas de pegar atalho na ascensão rápida no cinema é conseguir agradar este público, não à toa vemos que ano após ano a opinião no Festival de Cannes parece cada vez mais polarizada e menos dialética.

É claro que não começou com a Ramsey, ela apenas deu continuidade a um conceito que nunca existiu, e foi criado e replicado por pseudo-poser-cinéfilos ao redor do mundo e incorporado por alguns cineastas. Enquanto vemos a cineasta tentar criar um personagem aparentemente rígido, enquanto resposta a tudo que assistiu e vivenciou, o que se reflete no físico do personagem, conseguimos enxergar como ela estava perdida na construção dramática do longa e decidiu abrir tudo para uma auto-decadência burguesa empobrecida, fruto desses diretores baratos tão aplaudidos por um nicho fajuto. Essa entrega a uma narrativa dissolvida, que busca uma experiência mais sensitiva, o que justifica a trilha sonora do Jonny Greenwood, não é necessariamente um problema, mas sim, a forma como ela é entregue ao público. Não dá para negar que Ramsey tem algum talento, o que incomoda é ter que ver uma diretora com um potencial formal decente, se render a uma mediocridade tão grande quanto a que ela realizou.

O contraponto total de sua direção é o Joaquin Phoenix, que ganha vida própria e abandona o filme. Claro, que há algum trabalho de direção dela por trás, mas é difícil enxergar como a mulher que dirigiu este troço, também dirigiu o ator a um trabalho sólido feito esse. Onde vemos um homem brutamontes, com um temperamento mínimo, sempre prestes a explodir. Não que isso seja alguma novidade, este tipo de personagem está ficando cada vez mais comum no universo narrativo, talvez por uma exposição maior após o bombástico lançamento de “The Last of Us”, onde se integrou uma possibilidade necessariamente experiencial com uma brutalidade invariável. É exatamente onde o filme tenta chegar. Passa muito longe, fica num dramazinho barato entre ele e a garota, tenta iniciar uma trama política super mal desenvolvida, apelando para o elemento da psique-inexplicável-humana, passando uma vergonha terrível.

É difícil falar de autoria aqui, pois as referências são abundantes, mas a colagem é feita de forma preguiçosa. O que irá definir a audiência será a paciência de aguentar uma hora e meia de nada, somado ao pretensiosismo, nada irreverente. Pois, o tempo passa de forma muito lenta durante a projeção, você sai cansado, não por causa do roteiro ou da direção, como no caso do Béla Tarr, o que, é claro, seria um elogio. É um cansaço de tentar ser enganado o tempo inteiro. E como já dizia o Zé do bar: “Quer mentir pra mentiroso?”. Não cola.

É melhor que “Morvern Callar”, o que é não é um exercício tão difícil, mas está longe de ser aquilo que se esperava da diretora. Ramsey entra para a lista das decepções gerais, de muitos. Junta com Tomas Alfredson, eles farão uma bela dupla na longa tábua dos esquecidos se continuarem desta maneira.

Anuncie no Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *