Anuncio zazie

Que Horas Ela Volta?

Tudo Sobre uma Mãe

Por Fabricio Duque

Que Horas Ela Volta?

Uma das características marcantes da cineasta Anna Muylaert (de “Durval Discos”, “É Proibido Fumar”, “Chamada A Cobrar”) é hiper-dimensionar a naturalidade cotidiana quase a um documentário da vida privada moderna. Em “Que Horas Ela Volta?”, seu mais recente filme, que “galgou” primeiro o sucesso da carreira internacional, aborda-se a eterna luta de classes entre empregados e patrões, com seus “falsos” relacionamentos sociais (uma “auto” condescendência de hipocrisia comportamental e ou um estágio “blasé” versus uma “intimidade afetiva”). A narrativa “ultra” realista deve-se muito às interpretações de todo o elenco, que se entregam sem limites e pudores a fim de retratar, exata e fielmente, a atmosfera do ambiente “inóspito” abordado. Não há como o espectador sair imune da resignação subalterna nivelada por baixo da “empregada (ou “doméstica” – pela “nova” nomenclatura de tratamento – que quem faz é a soberba atriz Regina Casé de “Eu, Tu, Eles” – incluindo seu sotaque “pernambucano-paulistano” – que, com mérito inquestionável, venceu na categoria de Melhor Atriz no Festival de Sundance 2015) e da autoridade “senhora de engenho de ser” – “redesenhada” à expressão politicamente correta “patroa” – da matriarca (a sempre excelente Karine Teles, de “Riscado”).

O confronto acontece quando a filha (um “rato”, uma afronta e um perigo), totalmente “segura de si” e com gigantesco “ímpeto arrogante” (deslumbrada, invasiva, “abusada”, “sem noção”, oferecida e “estranha”) da “escrava” resolve viver com a mãe na cidade grande (com o objetivo de fazer vestibular para Arquitetura na FAU – uma “das faculdades mais difíceis”), não “querendo” se comportar como uma “serviçal” (e assim a “inteligência” ganha mais “reconhecimento” – está de “igual para igual”, como o gostar pelo suco de lima da Pérsia). A maestria de “Que Horas Ela Volta?” é seu desenvolvimento, com suas ações, choques culturais e sua “aristocracia” defasada, superficial e insegura (“Estilo é se conhecer”). É inevitável não referenciar aos filmes: “Casa Grande”, de Fellipe Barbosa; “Doméstica”, de Gabriel Mascavo; e “Domésticas”, de Fernando Meirelles. Mas diferente destes ou no curta-metragem “Cloro”, de Marcelo Grabowsky, aqui é aprofunda da uma latente espontaneidade e uma liberdade cerceada.

Podemos perceber, que praticamente, não se “extrai” atores e ou encenações teatrais, e sim um documento incisivo de antropologia social de nossa própria realidade de cada dia, “reverberando” um “livre” Big Brother de edição que capta a essência das particularidades que necessitam de retroalimentação. Não há uma “produção” sistemática e ou pragmática, mas uma sensibilidade tenaz quase à moda dos filmes do cineasta chinês Jia Zhang-Ke. O roteiro de “Que Horas Ela Volta?” questiona “criações e cuidadores”, como a empregada que se comporta “mais mãe que a mãe” (“entendendo” e “encobrindo” a maconha do “filho” e o sorvete favorito), quase uma “substituta” da mãe “ausente” (individualizada em seu próprio mundo) – e que recebe um carinho “puro”, e que diz “sem papas na língua”: “é gente ruim que coloca a forminha vazia de gelo na geladeira” e “Tem que dar Mucilon para não ‘cagar’”. Por estar tempo “demais” ali naquela família, a “nova escrava” social usa uma liberdade sincera para dizer o que pensa, logicamente com respeito, que se “acha” realmente uma parte integrante (consumindo o “resto” do mínimo da felicidade), e que “abusa” de pequenos prazeres, como o sol na área do varal de roupas.

Outra maestria do filme é sua câmera acompanhada e “bisbilhoteira”, que “fofoca” inclusive a “diversão” do final de semana (o forró), mas que “impede” o espectador de participar da “vida rica do Morumbi”, apenas pelo viés dos “serviçais” (que não escondem as marcas dos produtos, como Limpol e Casas Bahia, por exemplo). Traduz-se por uma narrativa do olhar. A atenção está nos detalhes, como na camisa do show de Kings of Leon, Arcade Fire, Morcheeba e Elvis Costelo, denotando cultura “out of popular”. “Quando eles oferecem é por educação, porque eles têm certeza que vamos dizer não”, “ensina” a filha. Talvez a cena mais explícita seja a do “descasado”, das “xícaras” – “preto no branco, branco no preto”. Concluindo, “Que Horas Ela Volta?” não possui “barrigas”, tampouco falhas. É cirúrgico, porque realiza com excelência a “necropsia” da “alta” sociedade brasileira. Observação final. Como dá “pena” da empregada e como dá “medo” a patroa.

É por essas e tantas outras que o longa-metragem é hiperbólico e recomendado. Nota máxima. Obra-prima. Finalizando, a diretora Anna Muylaert arremata de vez: “O roteiro parte de uma situação ficcional para mostrar vários aspectos sociológicos e antropológicos de um momento recente da história do país, mas não só isso. Tínhamos dúvidas se os estrangeiros entenderiam essa situação, que é bem brasileira, mas entenderam, sim. Pessoas de várias nacionalidades se identificaram com o filme em Sundance, negras ou latinas. De alguma forma, sabem como se sentem cidadãos de segunda classe. A plateia americana riu e se emocionou bastante, não colocou o social como ponto principal. Os europeus, sim, é que se interessaram mais por essas questões. Tanto é que distribuidores da França e da Itália já estão conversando com nosso agente de vendas”.

Nota da Redação. A Premiação do PRÊMIOS PLATINO DEL CINE IBEROAMERICANO aconteceu no dia 24/07, no Uruguai. O grande vencedor foi “O ABRAÇO DA SERPENTE”, que ganhou Melhor Filme de Ficção, Melhor Direção, Melhor Música Original, Melhor Montagem, Melhor Direção de Arte, Melhor Fotografia e Melhor Direção de Som. E nosso brasileiro “QUE HORAS ELA VOLTA?”, de Anna Muylaert, que está em cartaz com “Mãe Só Há Uma”, venceu na categoria de Cine y Educación en Valores. 
5 Nota do Crítico 5 1

Trailer

Banner Vertentes Anuncio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.