Por Fabricio Duque

“Phoenix”, exibido no Festival de Toronto 2014, é o novo filme do diretor alemão Christian Petzold (de “Barbara”, “Yella”, “Jericó”), que tem como característica básica a utilização da narrativa clássica, subvertendo e contrastando o óbvio ao humaniza-lo na própria liberdade poética da trama. O que poderia ser considerado um clichê e ou uma “preguiça”, aqui é apresentado propositalmente como uma maestria. A história, baseada no romance “Le Retour des Cendres”, de Hubert Monteilhet, apresenta-se nos detalhes. O roteiro busca a sutileza não explicativa, a percepção teatralizada dos sentimentos de dentro para fora dos personagens ao “gerá-los” com passividade subentendida, fugas “radicais” (e apaixonadamente passionais) e determinação do querer possível acima de todas as coisas, buscando uma reconstrução imagética, defensiva e de distopia metafórica do passado “assaltado” no presente. Tudo está explícito e implícito ao mesmo tempo, quando se utiliza da performance figurativa do marido perante a “aparição” de um “fantasma parecido” de sua mulher, que conseguiu sobreviver ao campo de concentração nazista, mas que ele “custa” a acreditar, se “torne” a mesma de antes dos trágicos acontecimentos. Trocando em miúdos, ela precisa fingir que não é, para que assim possa “aprender” a ser o que era e já não é mais. Ufa! É essa, a exata maestria de “Phoenix”, um jogo de cena, entre o ser e não ser, que objetiva “desnortear” seus personagens “mostrando” a verdade sem dúvidas ao espectador. Concluindo, um filme filosófico como um jogo de xadrez em que todos sabem de antemão de todos os movimentos. Recomendado.

Anuncie no Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *