Balanço Geral e Vencedores do Festival É Tudo Verdade 2024

Einhundertvier

Balanço Geral e Vencedores do Festival É Tudo Verdade 2024

Maior festival de documentários do país premia o filme brasileiro “Tesouro de Natterer”, o alemão “Cento e Quatro” e encerra com as canções de Luiz Melodia

Por Clarissa Kuschnir

Durante os dez dias do Festival É Tudo Verdade 2024 deu para sentir que este ano (confira aqui nossa cobertura completa por críticas de Fabricio DuqueLetícia Negreiros, Vitor Velloso, João Lanari Bo, Paula Hong e Pedro Sales) o festival voltou com mais força, conseguindo lotar várias sessões e reunindo um público cativo, em salas do Rio de Janeiro, no Estação Net Rio e Botafogo, e em São Paulo, claro (a “casa do festival”), ainda que a abertura tenha começado na Cidade Maravilhosa, com uma ótima curadoria de documentários nacionais e internacionais, tanto de longas quando de curtas e médias metragens.

“Quero agradecer de coração logo de cara a toda a equipe do É Tudo Verdade. E este ano temos uma equipe de jovens que está pela primeira vez fazendo o festival. Agradeço ao monitores que estiveram no dia-a-dia das projeções e que é uma equipe sempre jovem e que, adora cinema”, disse Amir Labaki ao fazer questão de homenagear essa nova geração de trabalhadores cinéfilos durante a cerimônia de premiação do festival, que divulgou no sábado, 13 de abril, os vencedores de sua 29ª edição.  Amir aproveitou para falar que este ano o festival retorna com a itinerância, com exibições em Belo Horizonte, no mês de junho. Então, público mineiro, aguarde que logo o festival chegará por aí. 

Além das concorridas sessões competitivas como todos os anos, os programas especiais se destacaram com a mostra Thomaz Farkas (que completaria 100 anos em 2024 e teve fala emocionada de Amir na cerimônia de abertura no Rio de Janeiro), no qual consegui conferir os títulos: “Thomaz Farkas, Brasileiro”, dirigido pelo veterano Walter Limar Jr. (que também compunha o Júri da Mostra Competitiva Nacional), em que o cineasta fala sobre  Farkas com entrevistas, mostrando um pouco de sua carreira; assisti também ao ótimo “Todo Mundo”, realizado pelo próprio Farkas em 1980 e no qual o realizador aborda as torcidas de futebol nos campeonatos brasileiros. E o que se vê nas telas daquela década não é muito diferente do que se tem hoje, ou seja, a velha e conhecida rivalidade das torcidas organizadas; “Paraíso Juarez”, também dirigido por Farkas, que apresenta a obra do artista plástico baiano Juarez Paraíso no Cinema Tupi em Salvador, na década de 70; e “Pixinguinha e a Velha Guarda do Samba”, este mais recente, dirigido pelo cineasta Ricardo Dias que recuperou imagens do cantor feitas por Thomaz Farkas, no IV centenário da cidade de São Paulo.

Leia também:

Tudo Sobre o Festival É Tudo Verdade 2024

Ainda dentro dos programas especiais teve a Retrospectiva Internacional do cineasta irlandês Mark Cousins, que esteve pela primeira vez no Brasil. Além de oito títulos de sua filmografia no qual eu consegui conferir o lindo “Uma História de Crianças e Cinema, e Eu Sou Belfast”, o cineasta deu uma masterclass mediada por Amir Labaki. O realizador falou sobre seu processo de criação dos filmes. Com muita descontração e já parecendo um brasileiro, Cousins arrancou risadas da plateia ao dizer que o documentário não é sexy e não tem o glamour dos longas de ficção. 

“Documentários não tem estrelas do cinema, não têm tapete vermelho, mas fazem com que cheguemos perto da realidade e fazem com que refletimos o esplendor dos lugares, abrindo nossos olhos e fazendo com que seguimos em frente”, disse Cousins durante a masterclass. No Rio de Janeiro também aconteceu uma conversa “estendida” com o público. E o documentarista, e pesquisador, que tem uma vasta carreira e diversos livros publicados, aproveitou sua estada aqui no Brasil para capturar imagens desse imenso território com tantas histórias para contar. E nós, só temos que agradecê-lo.

O filme Tesouro de Natterer, de Renato Barbieri, que retrata a coleção de mais de 50 mil objetos indígenas feitas pelo naturalista austríaco Johann Natterer, foi o grande vencedor desta edição como Melhor Documentário Brasileiro, na categoria de longas e médias metragens. E recebeu o prêmio R$ 20.000,00. “Pelos compromissos com pesquisa, com o tempo e a memória, pela bela fotografia”, justificativa do júri oficial, que esse ano foi composto por: Edileuza Penha de Souza, Miriam Biderman e Walter Lima Jr. Já o curta brasileiro “As Placas São Invisíveis”, de Gabrielle Ferreira, recebeu o Troféu É Tudo Verdade de Melhor Filme (e prêmio R$ 6.000,00). O trio justificou a escolha: “Pelo convite de refletir sobre a invisibilidade das barreiras sociais, políticas e econômica, que muitas vezes impedem a plena participação de todos os indivíduos na sociedade e, consequentemente, no acesso à permanência ao ensino superior público e de qualidade”. E ainda concedeu uma Menção Honrosa para o curta indígena, Aguyjevete Avaxi’i””, de Kerexu Martim, “Pelo cuidado, pela poesia, mas sobretudo pela reconstrução da vida.  Pelo semear, acompanhar, crescer. colher, debulhar, preparar e alimentar.  Como diria Chico Buarque “Afagar a terra. Conhecer os desejos da terra. Cio da terra, a propícia estação. E fecundar o chão.””

Tesouro Natterer
Cena do filme “Tesouro Natterer”, de Renato Barbieri

O longa alemão Cento e Quatro de Jonathan Schörnig, foi escolhido pelo júri, como o Melhor Documentário Internacional, que ainda recebeu o prêmio de R$ 12.000, e justificativa do júri composto por Helena Solberg, Mark Cousins e Sérgio Tréfaut: “Um filme que olha para uma das mais importantes questões dos nossos tempos – imigração – de uma forma crua, envolvente e cheia de adrenalina. À medida que se desenrola em tempo real, percebemos que este filme deveria ser visto em todos os lugares.”. O trio também concedeu uma Menção Honrosa para o longa-metragem de produção japonesa, americana e inglesa, Diários da Caixa Preta”, de Shiori Ito. Já na categoria de curtas internacionais, que aliás estavam excelentes, “Só a Lua Entenderá”, da cineasta Kim Torres, foi o vencedor do Troféu É Tudo Verdade e recebeu o prêmio de R$ 6.000,00 (“Um retrato poético e onírico da infância e do envelhecimento. Um filme de momentos mágicos”). O curta, que é uma coprodução da Costa Rica e dos EUA, retrata a forma de vida de uma forma poética das moradoras de Manzallino. E uma Menção Especial ao filme Zinzindurrunkarratz“,de Oskar Alegria (Espanha), “uma generosa e sensorial peregrinação experimental pela memória e pelo som”.

O Prêmio Canal Brasil de Curtas foi concedido pelo júri composto por Ana Paula Barbosa (Narrativa Feminina); Janda Montenegro (Cabine Secreta/CinePOP); Paola Piola (AdoroCinema); Raphael Camacho (Guia do Cinéfilo); e Ricardo Ferreira (O Globo) e premiou o filme “A Edição do  Nordeste”, de Pedro Fiuza, “Por apresentar uma montagem criativa sobre a cultura e imaginário nordestino através do cinema”.

O Prêmio Mistika de Melhor Documentário da Competição Brasileira de Curtas-Metragens foi para o curta “As Placas São Invisíveis”, que ganhou R$ 8.000 em serviços de pós-produção digital. Os Prêmios EDT de Montagem 2024. (Associação de Profissionais de Edição Audiovisual) concedeu Melhor Montagem para: o curta-metragem “Utopia Muda”, de Julio Matos (Montagem de Lucas Lazarini e Julio Matos) e ao longa-metragemFernanda Young – Foge-me ao Controle, de Susanna Lira (Montagem de Ítalo Rocha).

Fernanda Young - Foge-me ao Controle
Cena do filme “Fernanda Young – Foge-me ao Controle”, de Susanna Lira

O Festival É Tudo Verdade 2024 exibiu um total de 77 produções entre longas, médias e curtas-metragens de 34 países. Suas retrospectivas celebraram o cineasta britânico Mark Cousins e o centenário de um dos grandes expoentes do audiovisual brasileiro, Thomaz Farkas. Lembro que o festival É Tudo Verdade 2024 continua exibindo seus curtas-metragens na plataforma do Itaù Cultural Play, até o dia 30 de abril. Além dos nove títulos nacionais (incluindo os ganhadores), o festival disponibiliza o curta de Thomaz Farkas Paraíso Juarez”, já citado aqui na matéria. Para assistir basta acessar: https://www.itauculturalplay.com.br/  e fazer um cadastro. E tudo isso de forma gratuita.

Após a sessão de premiação, que aconteceu na Cinemateca Brasileira, o Festival É Tudo Verdade 2024 encerrou com o longa-metragem “Luiz Melodia No Coração do Brasil”, de Alessandra Dorgan. Com sessão lotada, o filme arrancou palmas da plateia por conta de um roteiro bem amarrado (com narração do próprio cantor), com várias imagens de arquivos, passando pelos altos e baixos da carreira desse artista falecido em agosto de 2017, e com ótima direção musical da jornalista especializada em música, Patrícia Palumbo, que também assina o roteiro do filme ao lado de Alessandra Dorgan. E para o próximo ano, o Festival É Tudo Verdade acontecerá de 03 a 13 de abril. Nós vemos lá, sempre com a já tradicional cobertura do Vertentes do Cinema. 

LISTA COMPLETA DOS VENCEDORES DO FESTIVAL É TUDO VERDADE 2024

Festival E Tudo Verdade 2024

JURI OFICIAL

Melhor Documentário da Competição Brasileira: Longas ou Médias-Metragens

“Tesouro de Natterer”, de Renato Babieri   que recebe o prêmio R$ 20.000,00 e Troféu É Tudo Verdade

Melhor Documentário da Competição Brasileira: Curtas-Metragens

“As Placas São Invisíveis”, de Gabrielle Ferreira, que recebe o prêmio R$ 6.000,00 e o Troféu É Tudo Verdade.

Menção Honrosa da Competição Brasileira de Curtas-Metragens

Menção honrosa para “Aguyjevete Avaxi’i”, de Kerexu Martim

Melhor Documentário da Competição Internacional: Longas ou Médias-Metragens

“Cento e Quatro”, de Jonathan Schörnig que recebe R$ 12.000 e o Troféu É Tudo Verdade.

Menção Honrosa da Competição Internacional: Longas ou Médias-Metragens

Menção Honrosa a “Diários da Caixa Preta”, de Shiori Ito (Japão/ EUA/ Reino Unido)

Menção Especial da Competição Internacional: Longas ou Médias-Metragens

Menção Especial a “Zinzindurrunkarratz”, de Oskar Alegria (Espanha)

Melhor Documentário da Competição Internacional: Curtas-Metragens

“Só a Lua Entenderá”, dirigido por Kim Torres (Costa Rica/ EUA) que recebe R$ 6.000,00 e o Troféu É Tudo Verdade.

PREMIAÇÃO PARALELA

Prêmio Canal Brasil de Curtas (para Curtas da Competição Brasileira) 

“A Edição do Nordeste”, de Pedro Fiúza

Prêmio Mistika – Melhor Documentário da Competição Brasileira de Curta-Metragens

Melhor Documentário da Competição Brasileira de Curtas-Metragens, para o curta “As Placas São Invisíveis” – R$ 8.000 em serviços de pós-produção digital.

Prêmios EDT. (Associação de Profissionais de Edição Audiovisual) – Melhor Montagem (Curta e Longa-Metragem)

Curta-Metragem: “Utopia Muda”, de Julio Matos. (Montagem: Lucas Lazarini e Julio Matos)
Longa-Metragem: “Fernanda Young – Foge-me ao Controle”, de Susanna Lira (Montagem: Ítalo Rocha)

Pix Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta