Balanço Geral e Vencedores do Festival de Vitória 2022

Balanço Geral e Vencedores do Festival de Vitória 2022

Tudo o que aconteceu durante todo o dia da consagração dos premiados

Por Fabricio Duque

Sempre ouvi elogios sobre o Festival de Cinema de Vitória, o mais tradicional evento cinematográfico do Espírito Santo. Que cada ano era uma verdadeira experiência imersiva de filmes, encontros e música. Por questões de agenda, nunca consegui estar presente em uma das edições. Até que em 2022, fui convidado, ainda que de forma rápida, e então pude confirmar que tudo o que foi dito era verdade. O Festival de Cinema de Vitória é sim uma experiência. De cinefilia pulsante e orgânica. Em dois dias, recebi uma coletiva de imprensa com todos os realizadores, shows históricos: o último do tremendão Erasmo Carlos, outro de Johnny Hooker e outro de Maíra Freitas e Jazz das Meninas, no dia 24  de setembro, no Parque da Prainha, Vila Velha. reencontrei amigos e ídolos, como  Susanna Lira, Cavi Borges, Cristiano Burlan, Marcelia Cartaxo, Carlos Segundo, Alexandre Taquary e fui tratado com pompa por toda equipe de produção. Ah, e ainda teve as risadas, as conversas… O que dizer então sobre o Festival de Cinema de Vitória 2022? Que eu quero voltar, lógico, e para acompanhar todos os dias da edição de 2023.

O Festival de Cinema de Vitória, que chegou a sua edição 29, aconteceu de 19 a 24 de setembro. A 12ª Mostra Competitiva Nacional de Longas exibiu 5 filmes. “A Mãe”, de Cristiano Burlan (SP), que abriu o festival, aterrisou em terras capixabas, após estrear no Festival de Gramado. Nos próximos dias, foram exibidos o documentário A Mãe de Todas as Lutas, da realizadora carioca Susanna Lira; Ursa, de William de Oliveira (PR); Germino Pétalas no Asfalto, de Coraci Ruiz e Julio Matos. E encerrando a seleção, a ficção “Capitão Astúcia”, de Filipe Gontijo (DF). O júri da mostra de longas-metragens foi composto pelo cineasta e produtor carioca Cavi Borges, a roteirista e cineasta carioca Sabrina Fidalgo, e o diretor e roteirista, também carioca, André Felix, que tiveram muito trabalho para escolher os melhores. 

júri da 26ª Mostra Competitiva Nacional de Curtas e a 11ª Mostra Foco Capixaba trouxe Alexandre Soares TaquaryViviane Pistache e Leandra Moreira. Para a 12ª Mostra Quatro Estações, Andy MalafaiaGeovanni Lima e Izah Candido. Já a 11ª Mostra Corsária, Soia LiraAndré Dib e Anderson Bardot. A 9ª Mostra Outros Olhares trouxe como jurados Bertrand LiraAndré Dib e Daniela Zanetti. Para a 7ª Mostra Mulheres no Cinema, os escolhidos foram Liz DonovanPaula Alves de Almeida e Tamyres Batista. A 7ª Mostra Cinema e Negritude conta com os trabalhos de Ana Paula Alves RibeiroMarina Rodrigues e Adriano Monteiro. A 6ª Mostra Nacional de Videoclipes trouxe Tati RabeloAlexandre Soares Taquary e Silvana Ramalhete. Para a 5ª Mostra Nacional de Cinema Ambiental, Bertrand LiraClaudino de Jesus e Marina Abranches integraram o júri. E para encerrar, Mônica Trigo, diretora e curadora do Cinefantasy, que encerrou sua edição de 2022 um dia antes do FCV, ficou a cargo da 4ª Mostra Do Outro Lado – Cinema Fantástico.

Leia também: 

Tudo Sobre o Festival de Cinema de Vitória 2022

Críticas dos filmes do Festival de Vitória 2022

Os debates aconteceram sempre às 10 horas, no hotel Golden Tulip Porto Vitória, e foram abertos ao público. A Tenda Musical, com seus shows gratuitos ao público do Festival de Cinema de Vitória, foi realizada em conjunto com as mostras de cinema, buscando ampliar o acesso do público aos mais recentes lançamentos musicais tanto do Espírito Santo quanto do Brasil. Este foi o retorno do Festival de Cinema de Vitória ao formato presencial, após duas edições virtuais, que ocorreu no Centro Cultural Sesc Glória, no Cine Metrópolis, na Universidade Federal do Espírito Santo e no hotel Golden Tulip Porto Vitória – e também na cidade de Vila Velha, com uma atividade de formação sediada no Centro Estadual de Educação Técnica Vasco Coutinho. 

A programação, com cerca de 90 horas, foi composta por mostras competitivas de filmes, debates com os realizadores, homenagens, premiações e atividades de formação, transformando a cidade de Vitória na capital do cinema. Ao longo dos seis dias de atividades, o evento mobilizou um público presencial de cerca de 15 mil pessoas e de 90 mil pessoas por meio das redes sociais. A participação expressiva do público se mostrou ativa ao lotar as salas de cinema, na comoção e interações durante os debates, premiações e homenagens, contando com uma plateia diversificada tanto local quanto de outros estados. Participaram do 29º FCV estudantes, educadores, pessoas da classe artística e o público geral interessado em integrar a programação cultural.

A realização do 29º FCV contou com a atuação de cinco mil colaboradores, gerando cerca de 162 postos de trabalho e mais de mil empregos indiretos. Esta edição trouxe a exibição de 83 filmes, dentre longas e curtas metragens, de diversos gêneros, temáticas e estados brasileiros, que integraram as 13 Mostras desta edição, apresentando um panorama atual da criatividade e das pautas discutidas na produção audiovisual brasileira. Nas 12 mostras competitivas, os realizadores dos filmes selecionados por júri popular e pelo júri técnico foram premiados, em diversas categorias, pelo Troféu Vitória. As premiações ocorreram em uma cerimônia especial no Centro Cultural Sesc Glória, encerrando a programação do Festival. Além das exibições, a programação contou com diversos debates com os realizadores. No total, foram cerca de 128 participantes das oficinas, que se envolveram e aguçaram a criatividade em aprendizados teóricos e produções práticas.

A homenageada nacional do 29º FCV foi a atriz Bete Mendes. Como parte da homenagem, o 29º FCV produziu o Caderno da Homenageada Nacional que foi lançado durante coletiva de imprensa com a presença da atriz realizada às 15h do dia 22 de setembro de 2022 no hotel Goden Tulip Porto Vitória. Essa publicação impressa assinada pelos jornalistas Paulo Gois, Leonardo Vais e Laís Rocio traz uma extensa reportagem sobre a trajetória artística e biográfica da homenageada. Nesse mesmo dia, às 19h, no palco do Teatro Glória, no Centro Cultural Sesc Glória, Bete Mendes recebeu o abraço do público do 29º FCV e também o Troféu Vitória e uma jóia exclusiva da Carla Buaiz Jóias que foram entregues pela diretora do Festival de Cinema de Vitória, Lucia Caus, e pelo Secretário de Estado da Cultura do Espírito Santo, Fabricio Noronha.

O homenageado capixaba do 29º FCV foi o multiartista Sebastião Ribeiro Filho, o Tião Xará. Como parte da homenagem, o 29º FCV produziu o Caderno do Homenageado Capixaba que foi lançado na noite de encerramento do Festival, no dia 24 de setembro de 2022, no Teatro Glória, no Centro Cultural Sesc Glória. Essa publicação impressa assinada pelos jornalistas Paulo Gois, Leonardo Vais e Laís Rocio traz uma extensa reportagem sobre a trajetória artística e biográfica do homenageado. Nessa mesma ocasião, Tião Xará recebeu o abraço do público do 29º FCV e também o Troféu Vitória que foi entregue pelo músico e produtor João Moraes.

Nesta edição também foi concedido o Prêmio da Crítica definido por jornalistas e críticos de cinema da imprensa nacional, que participaram da cobertura do evento ao longo da semana. São eles: Maria do Rosário Caetano, Luiz Carlos Merten, Luiz Zanin, Victor Hugo Furtado e Vitor Búrigo. o time de profissionais premiou como melhor longa-metragem A Mãe, de Cristiano Burlan; e Madrugada, de Leonardo da Rosa e Gianluca Cozza, como melhor curta-metragem. A ABD Capixaba concedeu o Prêmio de Melhor Filme para Infantaria, de Laís Santos Araújo.

A Cerimônia de premiação aconteceu na noite deste sábado (24), no Teatro Glória, no Centro Cultural Sesc Glória, com os atores Johnny Massaro e Higor Campagnaro.


OS VENCEDORES DO FESTIVAL DE CINEMA DE VITÓRIA 2022

Sideral

26ª MOSTRA COMPETITIVA NACIONAL DE CURTAS

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Técnico)
Sideral (Carlos Segundo, FIC, 15’, RN)

Justificativa do Júri: Pelo enredo inusitado e pela escolha de um modo leve e divertido de propor uma reflexão sobre questões  contemporâneas.


Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Popular)
Fantasma Neon (Leonardo Martinelli, FIC, 20’, RJ)

Troféu Vitória – Prêmio Especial do Júri
Fantasma Neon (Leonardo Martinelli, FIC, 20’, RJ)

Justificativa do Júri: Pelo modo assertivo e lúdico com que a narrativa é apresentada e pela excelência na construção fílmica.


Troféu Vitória – Melhor Direção
Como Respirar Fora D’água (Júlia Fávero e Victoria Negreiros, FIC, 16’, SP)

Justificativa do Júri: Apesar de ser um filme de conclusão de curso, percebe-se na direção, o que Nina Simone formulou como Young, Gifted and Black. Revelando-se desde já, maestria técnica e domínio consciente na escolha de soluções narrativas.


Troféu Vitória – Melhor Roteiro
Manhã de Domingo (Bruno Ribeiro, FIC, 25’, RJ)

Justificativa do Júri: Pela delicadeza e força estética de uma narrativa de tantos subtextos, com um roteiro de refinada economia e dinâmica dramatúrgica. Uma atualização maravilhosa da ironia machadinha com luto e leveza.


Troféu Vitória – Melhor Fotografia
Madrugada (Leonardo da Rosa e Gianluca Cozza, DOC, 19’, RS)

Justificativa do Júri: Pela belíssima estética apresentada por um olhar feminino


Troféu Vitória – Melhor Contribuição Artística
Uma Paciência Selvagem Me Trouxe até Aqui (Érica Sarmet, FIC, 26’, RJ)

Justificativa do Júri: Pelo documento histórico e poético sobre ser e existir sapatão. Pela vigorosa pesquisa e excelência de roteiro. Por reivindicar visibilidade e libido. Por empunhar o polegar opositor e o indicativo em L de luta lésbica e Lula. O Brasil vai gozar de novo!


Troféu Vitória – Melhor Interpretação
Elenco de Hospital de Brinquedos (Georgina Castro, FIC, 13’, CE).

Justificativa do Júri: Ao elenco do filme como um todo. Em especial a pequena atriz protagonista, Ana Heloiza Ribeiro.

Menção Honrosa
Solmatalua
(Rodrigo Ribeiro-Andrade, DOC, 15’, SP)

Justificativa do Júri: Pelo incrível exercício de montagem.

Orixás Center (Mayara Ferrão, EXP, 13’, BA)

Justificativa do Júri: Pela beleza da fotografia  na tradução de uma Cosmogonia afrocentrada.


12ª MOSTRA COMPETITIVA NACIONAL DE LONGAS

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Técnico)
A Mãe (Cristiano Burlan, FIC, 93’, SP)

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Popular)
A Mãe (Cristiano Burlan, FIC, 93’, SP)


Troféu Vitória – Melhor Direção
A Mãe (Cristiano Burlan, FIC, 93’, SP)

Menção Honrosa (Direção)
Germino Pétalas no Asfalto (Coraci Ruiz e Julio Matos, DOC, 79’, SP)

Justificativa do Júri: Olhar dos pais para o filho em transição. Filme generoso e positivo


Troféu Vitória – Melhor Roteiro
Ursa (William de Oliveira, FIC, 70’, PR)


Troféu Vitória – Melhor Fotografia
A Mãe (Cristiano Burlan, FIC, 93’, SP)


Troféu Vitória – Melhor Contribuição Artística
A Mãe de Todas as Lutas (Susanna Lira, DOC, 84’, RJ)


Troféu Vitória – Melhor Interpretação
Marcélia Cartaxo (A Mãe (Cristiano Burlan, FIC, 93’, SP))


Menção Honrosa (Interpretação)
Fernando Teixeira (Capitão Astúcia, Filipe Gontijo, FIC, 90’, DF)

Justificativa do Júri: Brilhantismo do ator no filme de gênero/carisma.

Adriana Soltomaior (Ursa, William de Oliveira, FIC, 70’, PR)

Justificativa do Júri: Direciona a encenação no olhar do espectador do filme.


22º FESTIVALZINHO DE CINEMA DE VITÓRIA

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Popular)
A Aventura da Primeira Bicicleta (Carlos Henrique da Costa, FIC, 15’, SP)


12ª MOSTRA QUATRO ESTAÇÕES

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Técnico)
Filhos da Noite (Henrique Arruda, DOC, 16’, PE)

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Popular)
Tenho Receio de Teorias que Não Dançam (Gau Saraiva, EXP, 4’, BA)


11ª MOSTRA FOCO CAPIXABA

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Técnico)
Makumba (Emerson Evêncio, FIC, 24’, ES)

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Popular)
Makumba (Emerson Evêncio, FIC, 24’, ES)

Menção Honrosa
Latasha (Alex Buck, FIC, 23’, ES)


11ª MOSTRA CORSÁRIA

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Técnico)
Sonhos de Pedra (Thabata Ewara e Nay Mendl, EXP, 12’, SP)

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Técnico)
Fragmentos Pandêmicos (Aline Dias, Marcus Neves e GEXS, EXP, 15’, ES)

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Popular)
Fragmentos Pandêmicos (Aline Dias, Marcus Neves e GEXS, EXP, 15’, ES)


9ª MOSTRA OUTROS OLHARES

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Técnico)
Possa Poder (Victor Di Marco e Márcio Picoli, FIC, 19’, RS)

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Popular)
Angu Recheado de Senzala (Stanley Albano, DOC, 19’, MG)


7ª MOSTRA MULHERES NO CINEMA

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Técnico)
Chão de Fábrica (Nina Kopko, FIC, 24’, SP)

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Popular)
Two Girls With a Movie Camera (Slumber Party) (Victoria Brasil e Thamyris Escardoa, DOC, 7’, ES)


7ª MOSTRA CINEMA E NEGRITUDE

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Técnico)
Sethico (Wagner Montenegro, EXP, 14’, PE)

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Popular)
O Ovo (Rayane Teles, FIC, 23’, BA)


6ª MOSTRA NACIONAL DE VIDEOCLIPES

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Técnico)
Chorar – Artista: Karola Nunes feat. Pacha Ana e Curumin – 5’ – 2021 – MT – Direção: Juliana Segóvia

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Popular)
Tudo Eu – Artista: Amiri – 6’ – 2022 – SP – Direção: Elirone Rosa, Fernando Sá e Ione Maria

Menção Honrosa
Sou Negro – Artista: Monique Rocha – 5′ – 2022 – ES – Direção: Cintia Braga


5ª MOSTRA NACIONAL DE CINEMA AMBIENTAL

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Técnico)
Quanto Vale a Vida no Mangue? (Lucas Oliveira, DOC, 23′, SP)

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Popular)
Cavalo Marinho (Gustavo Serrate Maia, DOC, 25′, ES/DF)


4ª MOSTRA DO OUTRO LADO – CINEMA FANTÁSTICO

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Técnico)
O Que os Machos Querem (Ana Dinniz, FIC, 9’, PB)

Troféu Vitória – Melhor Filme (Júri Popular)
AzulScuro (Evandro Caixeta e João Gilberto Lara, FIC, 15’, MG)

Menção Honrosa
Colares, Talvez (Sandro Vilanova, FIC, 25’, DF)


PRÊMIO ABD CAPIXABA

Infantaria (Laís Santos Araújo, FIC, 23’, AL)

Menção Honrosa
Transviar (Maíra Tristão, DOC, 13’, ES)


PRÊMIO DA CRÍTICA 

Melhor longa-metragem da 12ª Mostra Competitiva Nacional de Longas
A Mãe (Cristiano Burlan, FIC, 93’, SP)

Melhor curta-metragem da 26ª Mostra Competitiva Nacional de Curtas
Madrugada (Leonardo da Rosa e Gianluca Cozza, DOC, 19’, RS)

Pix Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta