Trindade

Um retrato de Brasil?

Por Vitor Velloso

Mostra de Cinema de Gostoso 2021

Existe o registro e o “acaso”. Alguns dizem que no cinema não existe o acaso: Se está no corte final, é porque deixaram, não é mais acaso. Pode até ser, mas o aviso no início do filme diz muito. “Trindade” de Rodrigo Meireles é um retrato do Brasil do subdesenvolvimento, dos ecos da escravidão, do racismo, da precariedade, da miséria, da cantoria, do sorriso, da comida caseira, da fé e de relações dúbias. Trindade canta, mas não tá só. O “acaso” estourou o microfone. 

A vida tem alguns “acasos” e a protagonista conheceu todos que não deveria. Agora conta sua história, nos dá o tom das faces de um país que possui alguns muitos… “acasos” e “casos isolados”. 

O projeto enquadra o rosto de Trindade muito próximo à objetiva, tentamos observar seus olhos, muitas vezes escondidos e esse incômodo evoca sentimentos confusos no espectador. Desde o primeiro momento, ela possui uma força monstruosa, o impacto de cada frase, de cada novo trecho de sua vida. Uma sabedoria que só as piores versões do Brasil podem render, com a cabeça certa. A falta de julgamento na fala de Trindade é uma das virtudes que o filme aproveita, ocupando o rosto da protagonista na tela grande (que falta faz um cinema). A montagem encontra espaços para inserir breves imagens de apoio, mas o nome do filme não é por acaso. Ela é o filme. 

Com sorte, o espectador pode ouvir “Trindade” falar, cantar e contar. Mas não só ela. O “acaso” reservou um pequeno momento, um breve encontro, onde a história ecoa junto com a oralidade, tradição e ancestralidade no rosto de uma mulher negra brasileira que viu um Brasil bem de perto. E o trópico novamente mostrou que ele é quente, mas com um pouco de Oxum… 

Contudo… alguns “acasos” podem ser incômodos. A prioridade em falar do sofrimento e de uma superação sem relacionar a clara base na fé, canção, de Jurema à Oxum, se torna incômoda. Soa uma exposição pouco ocasional, um bocado fetichista (o que se traduz na linguagem) que não consegue relacionar os elementos que Trindade apresenta. Alguns acasos mereciam um debate.

Trailer

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 3 =