Squish!

A programática abstrata

Por Vitor Velloso

Durante o Festival de Locarno 2021

Algumas experimentações perseguem ideias tão diluídas que soam estruturalismos irracionais. Apesar do paradoxo ser conceitualmente absurdo, é essa “liquidez” ativa que rege “Squish!” de Tulapop Saenjaroen. Fomentando uma reflexão do “movimento”, as coisas tomam um caminho que flerta com paradigmas diletantes e imbróglios de pouca resolução formal. Quando a proposta é utilizar-se das colagens e da cultura tailandesa para encontrar respostas para determinadas perguntas, ou simplesmente representá-las, o filme até funciona como um barato visual. Mas a programática publicidade da contemporaneidade em suas ligações globalizadas acaba fomentando um espectro ideário que não chega a lugar algum. No fim, parece um recorte pouco consciente de um jogo de marketing, onde devemos aprender como as “assimilações” ocorrem em suas virtualidades.

“Squish!” se torna uma experiência que se esvazia de sentido e não dialoga nem com as próprias ideias, tornando tudo um objeto de abstração para conceituações diversificadas e plurais de uma realidade que não se mantém. Quando a homenagem opera diante da tela, o espectador é capaz de enxergar as tendências da representação funcionando a favor da obra, como nos trechos de vídeos do “YouTube”, onde vemos diversas possibilidades se deformarem. Mas o movimento ininterrupto da colagens iniciais, dá lugar à essas abstrações que sempre findam na temática do suicídio como uma constante, seja como assimilação da realidade pelos aplicativos ou a desistência genuína. O maior problema aqui é que as boas compreensões formais não se desenvolvem ao ponto de se articularem de maneira crítica, pelo contrário, o abandono parece programático e pensado para diluir os conceitos no próprio pragmatismo do “movimento”. Aí, não tem ideia que se sustente em meio aos “pós” que o filme abarca com tanto vigor. É essa falta de consistência que o filme enaltece como sua forma/conteúdo, mas a armadilha industrial é como um grilhão produtivo, sempre no cio.

Trailer

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 + oito =