Ficha Técnica

Direção: M. Night Shyamalan
Roteiro: M. Night Shyamalan
Elenco: Noah Ringer, Nicola Peltz, Jackson Rathbone, Cliff Curtis,Dev Patel
Fotografia: Andrew Lesnie
Música: James Newton Howard
Direção de arte: Robert Fechtman, Gerald Sullivan e Richard L. Johnson (supervisor)
Figurino: Judianna Makovsky
Efeitos especiais: Industrial Light & Magic / Quantum Creation FX / Tinsley Transfers / Svengali Visual Effects
Produção: Scott Aversano, Frank Marshall, Sam Mercer e M. Night Shyamalan
Estúdio: Paramount Pictures | Nickelodeon Movies | Blinding Edge Pictures | The Kennedy/Marshall Company
Distribuidora:Paramount Pictures (EUA) | United International Pictures – UIP ( Brasil)
Duração: 103 minutos
País: Estados Unidos
Ano: 2010
COTAÇÃO: FRACO

A opinião

O diretor M. Night Shyamalan, um indiano hollywoodiano, ficou conhecido por escolher trabalhar com roteiros inteligentes que manipulavam o entendimento do espectador. A sua característica principal era a surpresa. O suspense seguia a linha psicológica atraindo a curiosidade e gerando um final surpreendente. Ele realizou esse feito com “O Sexto Sentido” e “A vila” (os melhores dele). Ainda seguiu a própria tradição com “Corpo fechado” e “Sinais” (mesmo utilizando ‘extra-terrestres’ não muito convincentes). Porém a surpresa apresentada transformou-se em previsibilidade. Assim os seus filmes perderam a novidade.

Em 2007, Night assinou contrato para dirigir três filmes Live-action baseados na animação Avatar: The Last Airbender (longa em questão), criado por Michael Dante DiMartino e Bryan Konietzko. Ele teve de mudar de nome por conta do filme de James Cameron.

O longa é a primeira parte de uma trilogia inspirada na série animado Avatar, desenho que se passa num mundo dividido em quatro nações: Água, Terra, Ar e Fogo. A Nação do Fogo está em guerra com as demais nações, da Água, do Ar e da Terra. O conflito tem a duração de um século e não há a menor previsão de quando chegará ao fim. Neste contexto, Aang (Noah Ringer) descobre ser o único capaz de controlar os quatro elementos. Ele se une a Katara (Nicola Peltz) e seu irmão Sokka (Jackson Rathbone), também guerreiros, para encontrar o balanço necessário para que a paz exista.

O diretor não busca a novidade. Ele objetiva a normalidade. É um filme comum. Utilizando elementos clichês do gênero aventura infanto-juvenil. Há técnicas milenares. Uma narração textual explicativa (a mesma usada em “Super Homem” e “Guerra nas estrelas”). Divididos em quatro livros. Cada para um elemento da natureza. São jovens com poder, em um mundo fantasioso e surreal, com seres que podem voar e que saem de icebergs. O estilo lembra “Narnia”. “Renda-se ao fogo”, diz-se.

Em diálogos não convincentes e ações resolvidas rapidamente, o filme é bobo, cansativo e não transpassa a atmosfera do desenho animado para a tela. “Ele começara mudando os corações. É no coração que todas as guerras são vencidas”, diz-se apelando para a aceitação total. Não se admite questionamentos de linguagem cinematográfica.

A proteção do último mestre do ar referencia o filme “Super Homem”. Ele retorna e encontra a destruição. Concentra-se para um novo mundo. Há príncipe banido por erro cometido. Brinca-se com a habilidade (desastrosa) da Mestre da Água. Traduzindo: é um filme família, politicamente correto. Nem os efeitos especiais convencem. Não recomendo. Mas se o espectador resolver assisti-lo mesmo assim, escolha a opção 3D.

Além de dar origem a um filme, o seriado também foi adaptado para os games, nos consoles PS3, Wii, Nintendo DS, PC e Xbox 360. Um desenho famoso, adorado por nerds de plantão. Portanto, prefira a versão de James Cameron (mesmo com a falta de história), que é incrível pela computação gráfica.

LEIA A OPINIÃO DE AVATAR (JAMES CAMERON) –> AQUI

O Diretor

Manoj Nelliattu Shyamalan, conhecido profissionalmente como M. Night Shyamalan (Mahé, 6 de agosto de 1970) é um cineasta indiano. Foi morar ainda na sua infância na Filadélfia, nos Estados Unidos. Filho de médicos, demonstrou paixão pelo cinema desde que ganhou uma câmera quando tinha oito anos de idade. Seu grande ídolo sempre foi Steven Spielberg.

Na época em que freqüentou a Universidade de Nova Iorque, Shyamalan resolveu alterar seu sobrenome do meio para Night, passando a assinar desse modo ao invés de Nelliyattu.Apesar de ter nascido na Índia, cresceu no subúrbio de Filadélfia, onde rodou todos seus filmes (menos Praying with Anger). Durante a adolescência fazia filmes caseiros, fato que prenunciou sua brilhante vida de cineasta. Desde seu filme Olhos Abertos, de 1998, sempre aparece atuando em seus filmes.

Em 2009, Shyamalan lançou oficialmente seu site pessoal, assim como seus filmes o site é completamente fora dos padrões normais. No site a pessoa será acompanhada por um corvo enquanto entra em uma estranha casa abandonada. O interessante do site é tentar descobrir aonde achar cada local que mostra detalhes dos seus
filmes.

Filmografia

1992 – Praying with Anger
1998 – Olhos Abertos
1999 – O Sexto Sentido
2000 – Corpo Fechado
2002 – Sinais
2004 – A Vila
2006 – A Dama na Água
2008 – Fim dos Tempos
2010 – O Último Mestre do Ar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *