Crítica: Café

Açúcar demais nesse café

Cannes 2018: Ash Is Purest…

Festival de Cannes 2018. Competição.

Crítica: O Estrangeiro

Viva o herói solitário!

Crítica: Chang Jiang Tu –…

Por Fabricio Duque Direto do Festival de Berlim  16 de Fevereiro de 2016 O chinês “Chang Jiang Tu – Crosscurrent”, que integra a competição oficial do Festival de Berlim 2016, do diretor “Yang Chao (de “Run Away”, “Passages”, este exibido…

Crítica: As Montanhas Se Separam

Entre "dumplings", Pet Shop Boys e “mercadoria”

Crítica: Nie Yinniang (The Assassin)

Por Fabricio Duque Direto do Festival de Cannes 2015 “Nie Yinniang (The Assassin)”, de Hou Hsiao-Hsien (de “Café Lumière”), da mostra competitiva oficial, e vencedor na categoria de Melhor Direção, conduz-se plenamente por uma fotografia exuberante. Cada frame é uma…

Crítica: Mensagem Cega

Por Philippe Torres A parceria Franco-chinesa, dirigida por Lou Ye, traz a história de um grupo de deficientes visuais, trabalhadores de uma casa de massagem. Tem-se um foco no personagem de Ma, um jovem que perde a visão ainda criança.…

Crítica: Coming Home

Por Philippe Torres Do diretor de O Clã das Adagas Voadoras, Herói e Lanternas Vermelhas, Zhang Yimou volta a trabalhar com a estrela chinesa Gong Li, que por sinal está magistral. Conta a história de um casal que é separado…

Crítica: Cães Errantes

Por Fabricio Duque “Cães Errantes” representa um cinema que imerge o espectador em metáforas silenciosas, revoltas individuais passivas, tentativas frustradas de resignação, em solidões sinestésicas, planos longos e reflexivos, em tempo estendido (corrente) da realidade, em ações cotidianas e literais…

Crítica: Sozinha

Por Fabricio Duque Wang Bing discute a questão intrínseca do documentário, que se apresenta como uma edição da condição individual humana (tendo comportamento ficcional. O docudrama utiliza-se da naturalidade extremada de ser e de agir, indicado pelos olhares  dos “personagens”,…