Os Miseráveis

Por Fabricio Duque

A margem à espera de humanidade

Por Fabricio Duque

Durante o Festival de Cannes 2019

Exibido na mostra competitiva a Palma de Ouro do Festival de Cannes, “Les Miserables”, do diretor francês Ladj Ly (que “decupa as realidades da vida social e política é um estudo de caso sobre o cotidiano xenófobo mascarado de politicamente correto (apenas à frente das câmeras). Suas personagens, nesta fábula realista de um dia, “ganham” a possibilidade da mudança, ainda que em situações de choque, fazendo com que o espectador em graus diferentes infira ao racista policial (que precisa entender a malemolência das investidas e não simplesmente rebater com agressividade, achando que o grito cessa a baderna) do filme “Três Anúncios Para um Crime”, de Martin McDonagh. Mas aqui a redenção acontece por outros estímulos mais próximos à revolução de Ken Loach e com que de Grace em “Dogville”, de Lars von Trier.

“Os Miseráveis”, tradução literal ainda não oficial e sem data de lançamento no Brasil, reverbera o escritor Victor Hugo, e nós espectadores, também participantes deste mundo em modificação constante, percebemos que a obra literária comporta-se altamente moderna e atemporal, como uma análise comportamental. Sim, talvez o mais difícil seja compreender e respeitar as idiossincrasias intrínsecas do ser humano, que é consumido, influenciado e transformado pelo meio em que vive.

“Les Miserables” conduz sua narrativa pela estética do novo cinema, que é imergir despertando a sinestesia, aguçando sentimentos e reações a um sensação desesperadora e primitiva, nas verdades mais obscuras reinantes livremente nos inconscientes mais subalternos. A câmera é próxima, direta e urgente para captar o existencialismo da imagem e o coloquial cotidiano de pequenos prazeres e músicas esperançosas.

O filme é sobre a paranoia crescente. Sobre o medo que incutimos. O outro, a pessoa próxima a nós, tornou-se nosso inimigo real, quase literalmente um “inferno” na máxima do filósofo francês Jean-Paul Sartre. Há também perguntas provocativas e questionadoras pairando no ar (que mais propicia uma reflexão que uma resposta propriamente dita): qual o verdadeiro propósito da vida? Abrir mão das próprias vontades por menores que sejam? Qual o limite da felicidade? Quebrar coisas em um evento popular? Viver é participar de um estágio controlado todo o tempo e nunca desligar quanto às questões sociais?

“Les Miserables” quer inserir o espectador na ação do momento (preâmbulos estendidos), como se fosse um documentário do comportamento social de vidas passantes e continuadas (o jogo de futebol, a sobrevivência ao mundo capitalista e material, a troca de geografias por almejar um melhor lugar para ser e estar a luta de classes, o querer do aumento do poder como indexador, a importação dos costumes religiosos – muçulmanos), perdidas nas expectativas do mundo moderno, entre franceses, ciganos, radicais intolerantes e os com mentes mais abertas. O ser humano não é mais recebido e sim analisado por seu passado.

É um filme que se posiciona na ação, totalitária e imersiva, para assim potencializar a sensação de violência, intimidação e poder de seus policiais com seus “comportamentos inadequados” (que trocam insultos e apelidos cúmplices, como Backstreet Boys), funcionários públicos que deveriam monitorar lugares considerados mais perigosos (como o mesmo em Paris que foi escrito por Victor Hugo – um “fato cultural”), proteger pessoas (especialmente os “ilegais”,  aqueles que habitam à margem da sociedade) e garantir seus direitos constitucionais do ir e vir “contra a brutalidade do mundo”. E não pensar que “simpatia” automaticamente desencadeará “abuso”.

“Les Miserables”, que pode ser divido em três partes (retrato documental de um mega evento; o desenrolar da trama potencializada nos conflitos; e cena final, uma sequência revolucionária black bloc, com um que de “O Resgate do Soldado Ryan”, de Steven Spielberg, com “The Square”, de Ruben Östlund), é também uma análise de caso sobre a causa de uma guerra, em que uma simples e a mais corriqueira ação pode mudar e movimentar todo o equilíbrio. Eles são os miseráveis, primitivos, esquecidos, distantes da redenção e “brincam” com o que têm. E entre drones filmados, em uma tomada área de ambientação, e circos, tudo é uma aula de humanidade, condensando múltiplas questões sociais e camadas psicológicas com o intuito de construir um panorama intimista do agora no mundo. Pode soar como uma sucessão de clichês? Sim. Mas bem executado, elementos óbvios acrescentam ao invés de apenas ilustrar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *