Provavelmente me esquecerei

Por Vitor Velloso


O tempo das memórias sempre foi um tema abordado com frequência no cinema. Seja por sua capacidade afetiva ou complexidade imagética. O mercado audiovisual nacional, por sua vez, abraça a primeira causa possível, a fim de criar um produto comercial popular, com atores já conhecidos pelo grande público, José de Abreu e Danton Mello, dividem espaço neste novo filme de Tiago Arakilian, que busca contar a relação de Polidoro (José) e Paulo (Danton), pai e filho, respectivamente, onde um trauma passado havia separado os dois e por uma decisão judicial, eles são obrigados a terem encontros semanais para que Paulo possa comprovar a sanidade mental do pai.

A obra flerta entre o drama e a comédia, desenhando de forma progressista o desenvolvimento deste reencontro familiar atormentado pelas memórias. Ao mesmo passo, promove uma trama absurda, onde Polidoro compra um bordel, para ocupar sua mente. A comicidade do filme é suportada pelas relações das idades e dos temas sexuais. Formando um grau comum nas piadas impostas, forçando além da boa fé de muitas pessoas. Novamente, vê-se uma preocupação com carisma das personagens maior que sua própria dimensão na trama, por sorte os dois atores conseguem impôr uma química funcional e dinâmica o suficiente para mover o filme, ainda que ritmo seja um problema intenso da película.

O ato de amadurecimento diante da idade, é algo pessoal, nossa postura diante das diferentes fases de nossa vida, revelam algo assombroso em nossos medos e anseios, a finitude da consciência, não o contrário. Certas pessoas possuem menor dificuldade com a aceitação de fatos imutáveis, outras, entram num estado de negação constante. O mais sufocante é perder a consciência em grau que se tenha noção da aproximação do inevitável. E se prender a momentos no passado, é um ato tóxico a sanidade, quando ela não é afetada pelas suas próprias lembranças, perda delas. E num ato desesperado, mas completamente compreensível, o último recurso é se agarrar em fragmentos de felicidade que restam no escopo intelectual e são de uma mente fadada à nada.

No documentário, Alive Inside (2014), vê-se como pequenos gatilhos, em questão a música, despertam lampejos de tempos mais distante que o corpo retém. Aqui vemos um homem que entende a gravidade de sua doença e busca negá-la através de uma busca pelo espírito jovem inerte em seu corpo. Paulo respeita a vontade juvenil do pai de se desconectar do mundo, mas não consegue perdoar seu pai. O drama que rege a obra ganha força com o passar da projeção, mas o interesse do espectador vai se perdendo, pois a quantidade de tramas paralelas que não acrescentam nada, servindo apenas de pílulas humorísticas, vão aumentando.

Guta Stresser e Mariana Lima são subaproveitadas, sendo utilizadas como desculpa para explorar algum lado de um dos personagens principais. Guta interpreta Joelma, uma prostituta, barwoman, gerente e tudo que precisar, com alguns neurônios a menos. E Mariana Lima interpreta, Maria Pia, uma promotora de Justiça que deve fiscalizar esses encontros familiares. O arco desta, se resolve de forma óbvia, enquanto o da Joelma nem se inicia, é uma personagem utilizada para dar nó em algumas questões, sem nunca aprofundá-la.

Pequenas questões pessoais dos personagens que são trazidas à tona, podem dar um breve ar de sinceridade na forma como aquilo está sendo contado, porém, logo algum alívio cômico desnecessário e que rompe o tempo dramático, tirará esta visão das pessoas. De fato, o filme se esforça em ser singelo, mas parece não acreditar na própria força catártica e se entrega a convenções instantâneas industriais. José de Abreu se esforça na interpretação, mas seu personagem não possui dimensões para onde ir, e ele se perde no estereótipo que a própria indústria criou.

O diretor opta por enquadramentos e iluminação simples. Mas é notório uma tentativa de autoria, ainda que fracassada. Alguns enquadramentos em lugares inusitados, à la Zemeckis outros, movimentos, à la Scorsese, mas tudo feito sem alma e propósito. É possível que o filme ganhe alguns breves adeptos, pois alguns de seus ganchos emocionais de identificação popular, podem vir a funcionar para pessoas que se entreguem ao filme. Mas ainda assim, isso não fará dele um filme que funcione dentro da própria proposta.

Anuncie no Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *