Balanço Geral e Vencedores do Festival de Toronto 2021

Uma análise pelo o que aconteceu no festival canadense, que contou com prêmio da Indústria para o filme brasileiro “A Nuvem Rosa”

Por Fabricio Duque

O Festival de Cinema de Toronto 2021 foi uma experiência desafiadora. Não só pelas exibições para a imprensa que aconteceram online, mas principalmente pela grande quantidade de filmes ofertados por dia, estes que não deram nenhuma opção ao que assistiam, visto que cada um vinha com a força importante de ter sido exibido em outros festivais precedentes, às vezes em curtos intervalos se falarmos de Veneza. Sim, essa é a maravilha da cinefilia. Independente da obra audiovisual ser boa, excelente ou quase impossível de assistir, tudo é válido, chegando a causar ansiedades passionais. Esse também representa uma aula de vida, de aceitar as perdas e comemorar as vitórias, como receber aquele link daquele filme esperado, e/ou ouvir a música de uma nova banda que ganha a atenção total. Pois é, são esses detalhes, micro ações invisíveis que estimulam e dão energia para assistir sete filmes por dia. E para conferir todas as coletivas de imprensa e as conversas pós-filmes e tudo disponibilizado pelo canal do TIFF Originals no Youtube (veja aqui).

Ontem, dia 18 de setembro, o Festival de Toronto encerrou suas exibições e anunciou os vencedores. E o prêmio mais importante vem do público. O Vertentes do Cinema assistiu a 37 longas-metragens (alguns com quase três horas de duração), durante o festival, fora os outros “coletados” anteriormente. Sim, nós cinéfilos somos competidores de nós mesmos. A pressão estava na iminência dos filmes expirarem, e quando acontecia causava um sentimento de perda. Um sensação de “putz”. Como foi mencionado na matéria anterior (leia aqui), o festival acontece por seus doadores. Por doação. Os membros retroalimentam todo o ciclo de realização. Tanto que os comerciais, antes dos filmes, mostraram esse agradecimento. O primeiro era sobre o Território indígena próximo a fronteira do Canadá, que contou com as imagens de arquivo dos filmes (de 1987 a 2017) da “legendária” cineasta e artista Alanis Obomsawin, celebrada nesta edição do festival e “todo dia”, sobre a “terra histórica que você está”, território “protegido por Dish With One Spoon Wampum Belt Covenant”. E que também pode ser exemplificado na ficção “Ste. Anne”, obra exibida nesta edição.

O Festival de Toronto focou todo seu festival na luta por espaço das cineastas. De filmes dirigidos por mulheres. TIFF é comprometido em elevar as vozes minoritárias por desafiar o status quo, por celebrar da diversidade, por criar oportunidades, porque toda história tem o poder de transformar o caminho que nós vemos o mundo, tudo para promover o fundo NBCUniversal que promove a diversidade, equidade e inclusão no filme”. E ser um festival para todos. O comercial do parceiro L’Oréal Paris traz a atriz Viola Davis como a host que disse “Autovalorização é uma jornada e não uma destinação”, sobre a jornada de “toda mulher”. Sim, amplificar vozes foi o lema do festival, mas que curiosamente tem Rotten Tomatoes como um dos parceiros de mídia. Mas vamos ao que mais interessa, não é mesmo? As cotações e os premiados.

A Nuvem Rosa
Still do Filme “A Nuvem Rosa”, de Iuli Gerbase – Leia a crítica aqui

O Festival de Cinema de Toronto 2021 anunciou os vencedores da 46ª edição, e que terminou esta noite com a exibição de “One Second” de Zhang Yimou no Visa Screening Room no Princess of Wales Theatre e Roy Thomson Hall.

“2021 trouxe uma seleção excepcional de filmes que entusiasmaram o público do Festival em todo o mundo”, disseram Joana Vicente e Cameron Bailey, Co-Diretores do TIFF. “Nossa programação apresentou autores amados ao lado de novas vozes na produção de filmes, incluindo várias mulheres poderosas. O TIFF deu as boas-vindas à imprensa, à indústria, às estrelas internacionais e aos diretores de volta à cidade e aos cinemas. A ampla gama de narrativas cinematográficas de todo o mundo é uma prova da singularidade dos filmes que estão sendo feitos. Estamos muito gratos e orgulhosos do Festival deste ano. Graças ao hibridismo do Festival, a plataforma da indústria do TIFF deu as boas-vindas a cerca de 4.000 profissionais da indústria e da imprensa de todo o mundo, tanto digitalmente quanto pessoalmente. TIFF continua sendo um site de atividade da indústria e um mercado-chave para vendas de títulos de filmes, hospedando 105 exibições de mercado e facilitando as vendas de “France”, “Silent Night”, “A Banquet” e “Huda’s Salon”, bem como o título Industry Selects “A Nuvem Rosa”.

O evento de 2021 arrecadou fundos para o fundo de diversidade, equidade e inclusão do TIFF, Every Story, e defendeu um retorno seguro, focado na comunidade e inspirador aos cinemas. Durante a transmissão de uma hora (assista acima), a duas vezes indicada ao Oscar Jessica Chastain no Festival with “The Eyes of Tammy Faye” e “The Forgiven”, que receberá o prêmio TIFF Tribute de Melhor Atriz, apoiado pela Família Tory; e Benedict Cumberbatch, indicado ao Oscar, que também esteve no TIFF com “The Electrical Life of Louis Wain” e “The Power of the Dog”, que receberá o prêmio de ator de tributo do TIFF; O cineasta franco-canadense indicado ao Oscar Denis Villeneuve, que receberá o prêmio TIFF Ebert Diretor e trouxe uma Duna épica e de tirar o fôlego para o TIFF na tela grande; premiado documentarista, escritor, cantor e ativista Alanis Obomsawin, que será homenageado com o Prêmio Jeff Skoll na Impact Media apoiado pela Participant Media, também comemorado com uma retrospectiva e estreia de seu novo e poderoso curta Honor to Senator Murray Sinclair ; o diretor de fotografia Ari Wegner, cujo impressionante trabalho foi apresentado em “The Power of the Dog”, que receberá o prêmio TIFF Variety Artisan; Danis Goulet, cineasta do Cree / Métis Night Raiders, que receberá o prêmio TIFF Emerging Talent, apresentado pela L’Oréal Paris e apoiado pela MGM; e a lenda da música seis vezes vencedora do Grammy, Dionne Warwick, cujo documentário “Dionne Warwick: Don Don’t Make Me Over” teve uma estreia mundial no Festival, será homenageado com o Prêmio Tributo Especial.


OS VENCEDORES DO FESTIVAL DE TORONTO 2021

Yuni
Still do filme “Yuni”, de Kamila Andini

PRÊMIO PLATAFORM

Batizado em homenagem ao segundo longa-metragem de Jia Zhang-ke, “Plataforma” é o programa competitivo do Festival Internacional de Cinema de Toronto que defende visões de direção ousadas. Agora em seu sexto ano, a Platform é curada pelo diretor artístico e co-diretor do TIFF, Cameron Bailey. Os membros do júri do prêmio da plataforma para 2021: Riz Ahmed (presidente do júri), Clio Barnard, Anthony Chen, Kazik Radwanski e Valerie Complex.

O júri da plataforma forneceu a seguinte declaração: “O júri foi movido por um filme que traz uma perspectiva nova e íntima para uma história de amadurecimento, marcada por uma estrutura sutil, enquadramento delicado e cinematografia exuberante. Por nos atrair para um mundo interior único raramente visto na tela”.

Prêmio Plataforma de 2021 vai para “Yuni”, dirigido por Kamila Andini.

Menção honrosa do Júri do Prêmio da Plataforma vai para “Mlungu Wam (Boa Senhora)”, de Jenna Cato Bass.

Belfast
Still do filme “Belfast”, de Kenneth Branagh

PEOPLE’S CHOICE AWARDS 2021

Uma longa tradição no TIFF, o People’s Choice Awards está completando 44 anos. O prêmio acontece de acordo com a votação do público.

O vencedor do Prêmio TIFF 2021 People’s Choice:

“Belfast”, de Kenneth Branagh

O segundo lugar do Prêmio TIFF 2021 People’s Choice:

“Scarborough”, de Shasha Nakhai e Rich Williamson

O terceiro lugar do Prêmio TIFF 2021 People’s Choice:

“The Power of the Dog”, de Jane Campion

O vencedor do Prêmio TIFF 2021 People’s Choice Documentário

“The Rescue”, de E. Chai Vasarhelyi e Jimmy Chin

O segundo lugar do Prêmio TIFF 2021 People’s Choice Documentário

“Dionne Warwick: Don’t Make Me Over”, de Dave Wooley e David Heilbroner

O terceiro lugar do Prêmio TIFF 2021 People’s Choice Documentário

“Fuga (Flee)“, de Jonas Poher Rasmussen

O vencedor do Prêmio TIFF 2021 People’s Choice Midnight Madness

“Titane”, de Julia Ducournau.

O segundo lugar do Prêmio TIFF 2021 People’s Choice Midnight Madness

“You Are Not My Mother”, de Kate Dolan

O terceiro lugar do Prêmio TIFF 2021 People’s Choice Midnight Madness

“DASHCAM”, de Rob Savage

Scarborough
Still do filme “Scarborough”, de Shasha Nakhai e Rich Williamson

PRÊMIO SHAWN MENDES FOUNDATION CHANGEMAKER

Apresentado pela Fundação Shawn Mendes, o Prêmio Changemaker 2021 é concedido a um filme do Festival que aborda questões de mudança social e vem com um prêmio em dinheiro de 10.000 dólares. O vencedor foi selecionado pelo Next Wave Committee do TIFF, um grupo de jovens amantes da sétima arte que reconhece o poder do cinema de transformar o mundo. A Fundação Shawn Mendes também fará uma contribuição anual em apoio ao TIFF Next Wave, ajudando o TIFF a entregar iniciativas importantes para elevar as vozes dos jovens. Os jurados do Prêmio Changemaker são membros do Comitê Next Wave do TIFF: Norah Daudi, Sia Mehta, Saharla Ugas, Julia Yoo, Lina Zhang, Charles Liu, Naiya Forrester, Honora Murphy, Dev Desai, Elli Tripp, Michelle Kofia e David Rhomberg.

O Prêmio Changemaker de 2021

“Scarborough”, de Shasha Nakhai e Rich Williamson. Shasha Nakhai desenvolveu “Scarborough” na TIFF Industry em 2019 como cineasta inaugural do TIFF Talent Accelerator.

O Comitê da Próxima Onda (New Wave) do TIFF forneceu esta declaração: “Este filme está gravado em meu coração. “Scarborough “é uma história totalmente cativante e comovente de três famílias entrelaçadas que não são estranhas ao sofrimento. Através dos encantos de desajustados e heróis improváveis, os diretores Shasha Nakhai e Rich Williamson colocam grandes questões sociais enquanto os enquadram em uma história real e afirmativa de resiliência, comunidade e amor. Escrito e dirigido com poder e graça, este filme realmente me faz sentir em casa.”

“Os diretores Shasha Nakhai e Rich Williamson fizeram a seguinte declaração: “Obrigado ao TIFF por dar a este filme uma plataforma. Foi uma estrada muito longa e desafiadora para chegar até aqui, e somos muito gratos ao Comitê Next Wave do TIFF e à Fundação Shawn Mendes por este prêmio. Estamos felizes porque as pessoas estão saindo do filme sentindo-se emocionadas, vistas e afirmadas, com um compromisso renovado com a comunidade – e o que esperamos é um compromisso renovado para resistir às forças que buscam apagar, fraturar e monetizar a comunidade. Estamos entusiasmados em levar este filme a um público mais amplo após o Festival, e especialmente ansiosos para usá-lo como uma ferramenta para apoiar o trabalho de linha de frente que já está sendo feito nas inúmeras questões que ele aborda.”

Ste Anne
Still do filme “Ste Anne”, de Rhayne Vermette – Leia a crítica aqui

AMPLIFY VOICES AWARDS APRESENTADOS PELO CANADA GOOSE

Canada Goose abraça a diversidade em todas as suas formas e definições, incluindo técnica e paixão que transporta a narrativa para a tela. Este ano, Canada Goose apresenta o Prêmio Amplify Voices aos três melhores filmes de cineastas sub-representados. Todos os filmes da Seleção Oficial de cineastas BIPOC emergentes e cineastas canadenses foram elegíveis para esses prêmios, e os três vencedores receberão um prêmio em dinheiro de 10.000 dólares cada, oferecido pelo Ganso do Canadá.

Os jurados de 2021 para o Prêmio Amplify Voices apresentado pelo Canada Goose: Yung Chang, Calvin Thomas, Kaniehtiio Horn, Hugh Gibson e Aisha Jamal.

Os prêmios Amplify Voices apresentados pelos vencedores do Canada Goose são:

Prêmio Amplify Voices de Melhor Longa-Metragem Canadense:

“Ste. Anne”, de Rhayne Vermette

Declaração do júri: “O filme de estreia de Rhayne Vermette mostra-nos uma visão única que faz pleno uso de todas as ferramentas do cinema para nos atrair para sua topografia emocional. Profundamente pessoal, mas convidativo, “Ste. Anne” é a verdadeira arte cinematográfica feita em um cenário que muitas vezes não aparece no cenário do cinema canadense.”

Menção Especial:

“Scarborough”, de Shasha Nakhai e Rich Williamson

Declaração do júri: “Com um forte senso de lugar, “Scarborough” conta uma história sincera sobre a comunidade que encanta com ótimas performances de seus atores, tanto jovens quanto velhos.”

Prêmio Amplify Voices:

“The Gravedigger’s Wife”, de Khadar Ayderus Ahmed

Declaração do júri: “Ao mesmo tempo específica para a cultura somali e universalmente reconhecível, a esposa do Coveiro conta uma história profundamente romântica que é emocional e visualmente envolvida. Com Omar Abdi como seu guia magnético, a jornada de Guled cativa da primeira cena ao quadro final.”

Prêmio Amplify Voices:

“A Night of Knowing Nothing”, de Payal Kapadia

Declaração do júri: “O documentário único de Payal Kapadia equilibra o pessoal e o político com um instantâneo surpreendente de seu país natal. Chocante às vezes, mas também arrebatador em sua beleza, A Night of Knowing Nothing é um primeiro longa que já demonstra sua forte voz como cineasta.”

Love, Dad
Still do filme “Love, Dad”, de – Leia a crítica aqui

IMDbPro SHORT CUTS AWARDS

Os Prêmio IMDbPro Curtas-Metragens Awards 2021: para Melhor Filme, Melhor Filme Canadense e o Prêmio Share Her Journey para melhor filme de uma mulher. Cada filme vencedor receberá uma bolsa de 10.000 dólares canadenses e uma associação de um ano à IMDbPro, o recurso essencial para profissionais da indústria do entretenimento, para ajudá-los a continuar a ter sucesso em suas carreiras. Esses prêmios se baseiam na história de quase 20 anos da IMDbPro de capacitar profissionais de entretenimento para descobrir novos talentos e projetos, e em seu compromisso contínuo de apoiar e trabalhar de forma colaborativa com organizações que criam maior diversidade, equidade e inclusão na indústria do entretenimento, incluindo TIFF’s Share Sua campanha Journey.

Os 2021 jurados para os Short Cuts Awards da IMDbPro: os cineastas Sudeep Sharma, Tiffany Hsiung e Nicole Delaney.

Os vencedores dos três prêmios são:

Prêmio IMDbPro de Melhor Curta-Metragem:

“Displaced”, de Samir Karahoda

Declaração do júri: “Destacando-se em uma forte seleção de filmes, Displaced de Samir Karahoda nos cativou com seu visual, locais e personagens únicos que deram vida à quixotesca, porém duradoura, dedicação a um esporte – e a um país – difícil de articular , até para si mesmo.”

Menção Honrosa

“Trumpets in the Sky”, dir. Rakan Mayasi

Prêmio IMDbPro para Melhor Curta-Metragem Canadense:

“Angakusajaujuq – The Shaman’s Apprentice”, de Zacharias Kunuk

Declaração do júri: “Angakusajaujuq de Zacharias Kunuk – O Aprendiz do Xamã é um stop-motion cativante que encapsula uma série de texturas, sons e expressões diferenciadas que o convidam coletivamente para a jornada do aprendiz em aprender o conhecimento tradicional e cuidar da comunidade enquanto confronta seus próprios medos . Você não pode deixar de sentir que as perguntas feitas ao aprendiz devem ser consideradas por todos nós: Quem é você? O que você aprendeu?”

Menção Honrosa

“Nuisance Bear”, de Jack Weisman e Gabriela Osio Vanden

IMDbPro Prêmio Share Her Journey (Compartilhar a Jornada Dela)

“ASTEL”, de Ramata-Toulaye Sy

Declaração do júri: “O ASTEL de Ramata-Toulaye Sy nos emocionou com sua poderosa narrativa, belas fotos e uma atuação cativante que explora as complexas nuances da feminilidade, do patriarcado e da maioridade quando você menos espera.”

Menção Honrosa

“Love, Dad”, de Diana Cam Van Nguyen


CONFIRA A SEGUIR NOSSA COBERTURA EM COTAÇÕES DO FESTIVAL DE TORONTO 2021

7 Prisioneiros
Still do filme “7 Prisioneiros”

5 CÂMERAS

7 PRISIONEIROS

(2021, Brasil, 93 minutos, de Alexandre Moratto).

A NUVEM ROSA

(2021, Brasil, 105 minutos, de Iuli Gerbase)

SILENT LAND

(Cicha Ziemia, 2021, Polônia, Itália, República Tcheca, 113 minutos. de Aga Woszczyńska).

FUTURA

(2021, Itália, 110 minutos, de Pietro Marcello, Francesco Munzi e Alice Rohrwacher)

COSTA BRAVA, LEBANON

(Costa Brava, 2021, Líbano, França, Espanha, Suécia, Dinamarca, Noruega, Quatar, 106 minutos, de Mounia Akl)

4 CÂMERAS

INEXORABLE

(2021, França, Bélgica, 98 minutos, de Fabrice Du Welz).

THE OTHER TOM

(El otro Tom, 2021, México, Estados Unidos, 111 minutos, de Rodrigo Plá e Laura Santullo).

YOU ARE NOT MY MOTHER

(2021, Irlanda, 93 minutos, de Kate Dolan).

THE MIDDLE MAN

(2021, Noroega, Canadá, Alemanha, Dinamarca, 95 minutos, de Bent Hamer)

DRIVE MY CAR

(2021, Japão, 179 minutos, de Ryusuke Hamaguchi).

MURINA

(2021, Croácia, Eslovênia, Brasil, Estados Unidos, 95 minutos, de Antoneta Alamat Kusijanović).

ALL MY PUNY SORROWS

(2021, Canadá, 108 minutos, de Michael McGowan).

DUG DUG

(2021, Índia, 107 minutos, de Ritwik Pareek).

ÎNTREGALDE

(2021, Romênia, 104 minutos, de Radu Muntean). Assistido no Festival de Cannes 2021.

PETITE MAMAN

(2021, França, 72 minutos, de Céline Sciamma). Assistido no Festival de Berlim 2021.

NO ONE’S WITH CALVES

(Niemand ist bei den Kälbern, 2021, Alemanha, 116 minutos, de Sabrina Sarabi). Assistido no Festival de Locarno 2021.

VENGEANCE IS MINE, ALL OTHERS PAY CASH

(Seperti Dendam, Rindu Harus Dibayar Tuntas, 2021, Alemanha, Singapura, 116 minutos, de Edwin).

FUGA

(Flee, 2021, Dinamarca, França, Holanda, Noruega, Suécia, 90 minutos, de Jonas Poher Rasmussen). Assistido no Festival É Tudo Verdade 2021.

3 CÂMERAS

TRUE THINGS

(2021, Reino Unido, 102 minutos, de Harry Wootliff).

AMERICA LATINA

(2021, Itália, 93 minutos, de Damiano D’Innocenzo e Fabio D’Innocenzo).

ATTICA

(2021, Estados Unidos, 116 minutos, de Stanley Nelson)

TERRORIZERS

(2021, Taiwan, 127 minutos, de Ho Wi Ding)

ENCOUNTER

(2021, Estados Unidos, Reino Unido, 108 minutos, de Michael Pearce).

DIONNE WARWICK: DON’T MAKE ME OVER

(2021, Estados Unidos, 95 minutos, de Dave Wooley e David Heilbroner).

THE GUILTY

(2021, Estados Unidos, 90 minutos, de Antoine Fuqua).

THE STARLING

(2021, Estados Unidos, 103 minutos, de Theodore Melfi).

LOVE, DAD

(Váš táta, 2021, Eslováquia, República Tcheca, 12 minutos, de Diana Cam Van Nguyen).

STE. ANNE

(2021, Canadá, 80 minutos, de Rhayne Vermette). Assistido no Festival Ecrã 2021.

2 CÂMERAS

THREE FLOORS

(Tre Piani, 2021, Itália, França, 120 minutos, de Nanni Moretti).

FRANCE

(2021, França, Alemanha, Itália, Bélgica, 133 minutos, de Bruno Dumont).

THE FALLS

(Pu Bu, 2021, Taiwan, 129 minutos, de Chung Mong-Hong).

BENEDICTION

(2021, Reino Unido, 137 minutos, de Terence Davies).

THE STORY OF MY WIFE

(A feleségem története, 2021, Hungria, Alemanha, Itália, França, 169 minutos, de Ildikó Enyedi).

ALL IS HEAVEN

(Du som er i himlen, 2021, Dinamarca, 86 minutos, de Tea Lindeburg).

VIOLET

(2021, Estados Unidos, 92 minutos, de Justine Bateman).

KICKING BLOOD

(2021, Canadá, 80 minutos, de Blaine Thurier).

MATAR A LA BESTIA

(2021, Argentina, Brasil, Chile, 79 minutos, de Agustina San Martín).

MLUNGU WAN (GOOD MADAM)

(Mlungu Wam, 2021, África do Sul, 92 minutos, de Jenna Cato Bass).

THE ODD-JOB MEN

(Sis dies corrents, 2021, Espanha, 85 minutos, de Neus Ballús). Assistido no Festival de Locarno 2021.

I’M YOUR MAN

(Ich bin dein Mensch, 2021, Alemanha, 105 minutos, de Maria Schrader).

SALOUM

(2021, Senegal, 84 minutos, de Jean Luc Herbulot).

1 CÂMERA

THE SURVIVOR

(2021, Estados Unidos, Canadá, Hungria, 129 minutos, de Barry Levinson).

THE WHEEL

(2021, Estados Unidos, 83 minutos, de Steve Pink).

AFTER BLUE (DIRTY PARADISE)

(After Blue (Paradis Sale), 2021, França, 130 minutos, de Bertrand Mandico).

HELLBOUND

(2021, Coreia do Sul, 150 minutos, série, dos criadores Yeon Sang-ho, Choi Gyu-seok).

MEDUSA

(2021, Brasil, 127 minutos, de Anita Rocha da Silveira). Assistido no Festival de Cannes 2021.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *