Anuncio zazie

Abraços Partidos

os abraços menos coloridos  de Almodóvar

Por Fabricio Duque

Durante o Festival do Rio 2009

Abraços Partidos

Apresentado na Mostra Panorama do Festival do Rio 2009,  a nova película do diretor espanhol Pedro Almodóvar, “Os Abraços Partidos”, representa a corroboração de um novo desejo do cineasta: a mudança pela experimentação. É sem dúvida muito diferente do que ele já fez. Mas em hipótese alguma é ruim e ou frágil. Conservando o melhor em sua filmografia, o roteiro é exatamente o que se objetiva transpassar. As cores perderam-se um pouco, mudando as características intrínsecas que definiram seus trabalhos como o Cinema Kitsch. Todos possuem a possibilidade da reinvenção e os espectadores, fãs adoradores e ou simples observadores, o dever da compreensão. Quanto à parte técnica, não há  contradições opinativas. Continua sendo não convencional e prendendo a atenção de quem assiste. Ângulos de câmera bem trabalhados. Fotografia de Rodrigo Prieto e montagem de José Salcedo são espetaculares. Penélope Cruz está como sempre é nos filmes dele. Ainda bem. Muitos consideram que este não é o seu melhor filme, mas todos não têm dúvidas de que é imperdível. Não perca também “A Vereadora Antropófaga” (2009), curta-metragem retirado do filme “Abraços Partidos”. É um monólogo de uma mulher narrando suas perversões sexuais. No filme, Almodóvar adota os pseudônimos “Harry ‘Huracán’ Caine” para assinar os créditos e “Mateo Blanco” para assinar a direção.

No Brasil, o curta foi lançado como “extra” no DVD de “Abraços Partidos”.

4 Nota do Crítico 5 1

Trailer

Banner Vertentes Anuncio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *