Tropicália: Um recorte bem feito de uma época

Por Cristiano Ayres

O documentário “Tropicália”, de Marcelo Machado mostra um excelente e vasto registro deste movimento que revolucionou a cena musical brasileira, no final dos anos 60. O longa narra através de depoimentos de artistas como Nara Leão, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tom Zé, Gal Costa, Rita Lee, Glauber Rocha e Arnaldo Baptista a sua importância e como a Tropicália colaborou positivamente para o enriquecimento da música popular brasileira, em uma época pontuada pela censura e pela efervescência cultural. Cenas memoráveis como a clássica em que Maria Bethânia canta carcará. Nara Leão declarando que fazia parte da Bossa Nova, no entanto reconhecia o valor artístico e estético do movimento. Um depoimento interessante e inédito. Tropicália estabelece um interessante diálogo entre outras manifestações artísticas: a música, o teatro e o cinema. O Rei da Vela, de Oswald de Andrade é comparado à Tropicália. Hélio Oiticica também se refere ao movimento como uma posição diante das coisas, numa clara reverência a este gênero que se situa entre a bossa nova e a jovem guarda. O diretor foi muito feliz na realização do filme fazendo uma interessante colagem de imagens que traduzem bem o espírito de um momento inesquecível e altamente criativo com toda uma proposta estética vanguardista. Porém, no decorrer do longa sente-se a falta de depoimentos mais atuais, pois todos são datados, algo que não compromete a narrativa mas sem dúvida seria um complemento justo e coerente.

Ficha Técnica
Diretor: Marcelo Machado
Elenco: Caetano Veloso, Gilberto Gil, Rita Lee, Arnaldo Baptista, Hélio Oiticica, Glauber Rocha, Celso Martinez Correia, Nara Leão entre outros.
Gênero: documentário

Anuncie no Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *