Anuncie no Vertentes do Cinema

Ficha Técnica

Direção: Marcos Andrade
Co-direção: Julia Martins
Roteiro: Marcos Andrade
Fotografia: Pablo Baião
Montagem: Julia Martins
Música: Aurelio Dias
Elenco: David Lynch
Produtor: Suzana Amado
Produtora: Quantum Produções Artísticas Ltda.
Duração: 84 minutos
País: Brasil
Ano: 2009
COTAÇÃO: REGULAR

A opinião

O Diretor de Cinema David Lynch, conhecido por suas obras surreais e geniais, que brincam com o entendimento do público. “As pessoas acham que não entenderam, mas quando começam a debater o filme, as idéias estão lá”, diz. Podemos inferir que os filmes são instantes de percepções: cada um tem a sua.

Lynch escreveu um livro sobre meditação transcendental. “Em águas profundas” são textos com técnicas de meditação e de cinema. O que uma influencia na outra. Ele medita desde o seu primeiro filme “Eraserhead”.

Transcendendo Lynch é a viagem que o diretor americano fez ao Brasil para divulgar a Meditação Transcendental e lançar o livro que escreveu sobre o assunto. O diretor defende a prática como a única forma de trazer paz e bem estar para os homens, especialmente em regiões violentas e socialmente instáveis.

Filmografia

2006 – Império Dos Sonhos
2001 – Cidade Dos Sonhos
1999 – História Real
1997 – A Estrada Perdida
1992 – Twin Peaks: Os Últimos Dias De Laura Palmer
1990 – Coração Selvagem
1986 – Veludo Azul
1984 – Duna
1980 – O Homem Elefante
1977 – Eraserhead

Trechos do Livro

“Idéias são como peixes”.

“Se você quer pegar um peixinho, pode ficar em águas rasas. Mas se quer um peixe grande, terá que entrar em águas profundas”.

“Se você quer uma hora de boa pintura, terá que dispor de quatro horas só para si”.

“Comecei a me perguntar se o filme não seria uma maneira de pôr a pintura em movimento”.

“O cinema é uma linguagem”.

“Não precisamos de nada além da obra. O filme deve se bastar”.

“Eis por que nunca se sabe o que vai seduzir as pessoas. Mas se você começar a pensar em como seduzir os outros, se dessa ou daquela forma, é melhor parar de fazer filmes. Só se deve fazer aquilo que se ama; é assim que nos abrimos para o inesperado”.

“A vida é cheia de abstrações e a intuição é a única maneira que temos de rastreá-las. Intuir é enxergar a solução, reconhece-la por inteiro. Intuição é. Isso é essencial para o cineasta”.

“Adoro os franceses. São os maiores amantes de filmes e protetores do cinema do mundo”.

“Mantenha-se fiel à idéia”.

“Cada historia abriga seu próprio mundo”.

“Adoro ver gente saindo da escuridão”.

“Não emito comentários de direção nas cenas de making-of dos meus dvds. É preciso resguardar os filmes. Eles devem permanecer intactos”.

“A câmera digital que estou usando é uma Sony PD-150. Adoro essa baixa qualidade. Faz lembrar os filmes dos anos 30. Se tudo está claro na tela, ela se limita a ser o que é. E alta definição, infelizmente, é demasiadamente claro – uma espécie de ficção cientifica”.

“O público fala demais nos cinemas”.

“Grande parte do trabalho de um cineasta é bom senso. Se você continuar fiel ao que pensa, e refletir a respeito do que faz, estará no caminho certo”.

“Permaneça fiel a si mesmo”.

“Afaste o perigo antes que ele chegue”.

“Meditação transcendental mudou minha vida. Ajuda a concentrar energias, estimulando sua criatividade e consciência”.

O Diretor

Marcos Andrade estudou engenharia e interrompeu o curso para estudar na Academia de Cinema de Nova York, em 2001. Quando voltou ao Brasil finalizou Korda (2004), seu primeiro longa-metragem de ficção. Fez cursos na área de fotografia e câmera e, em 2008, recebeu um convite da David Lynch Foundation para filmar a viagem do diretor ao Brasil, o que deu origem ao documentário Transcendendo Lynch.

Anuncie no Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *