Saiba tudo sobre a vinda de Juliette Binoche ao Brasil

Atriz francesa estará no Rio de Janeiro para comemorar Bodas de Pérola da Imovision

Por Redação

Há exatos trinta anos, em 14 de julho de 1989, o empresário francês Jean Thomas Bernardini, que chegou ao Brasil em 1978 e escolheu a cidade de São Paulo para morar, resolveu criar a Imovision, cuja missão nunca foi deixada de lado: “Conhecer profundamente o mercado de cinema internacional e nacional, aumentar a sólida rede de distribuição e continuar sendo a maior distribuidora de filmes independentes que valoriza acima de tudo a qualidade dos filmes de autor e trata cada um deles de forma especial para que o público brasileiro e internacional receba sempre as melhores produções do cinema”.

Sim, a Imovision, algo como uma “visão em processo” e/ou “visão navegante”, foi a principal responsável por trazer os grandes nomes do cinema mundial a nossas telas, como, por exemplo o iraniano “O Balão Branco”, Os dinamarqueses “Festa de Família”, “Os Idiotas” (do movimento Dogma 95) e “Dançando no Escuro”, o chinês “Amor à Flor da Pele”, a obra-prima de Wong Kar-Wai, o francês “Oito Mulheres”, o finlandês “O Homem sem Passado” etc. São mais de quinhentos títulos lançados no Brasil. E a lista aumenta a cada dia com os filmes em cartaz nos cinemas cariocas: “Encontros”, de Cédric Klapisch, e “Estaremos Sempre Juntos”, de Guillaume Canet.

A Imovision já se consolidou como uma das maiores incentivadoras do cinema. E para comemorar em grande estilo o aniversário de 30 anos, quem ganha o presente somos nós. A cereja do bolo será ofertada com a presença da atriz Juliette Binoche (de 55 anos) e do diretor Cédric Kahn (53 anos), que apresentará uma sessão exclusiva de “Feliz Aniversário”, com Catherine Deneuve (a exibição não está totalmente confirmada e se não acontecer, será exibido no lugar o filme “A Liberdade é Azul”, e Krzysztof Kieslowski, com atriz homenageada). Sim, meus prezados e minhas prezadas, Juliette Binoche estará em carne, osso, elegância e talento em 29 de novembro de 2019, uma noite fechada para convidados no Reserva Cultural de Niterói. Com show, festa e coquetel.

Juliette Binoche é um ícone do cinema. Sua forma de interpretar transcende o próprio papel de suas personagens, construindo um universo completamente mutante. É sem sombras de dúvidas uma das melhores atrizes, que nunca teve medo e/ou receio e/ou vaidade de se transmutar e perder limites. Nascida em nove de março de 1964, em Paris, ela representa a alma da França em todas as suas idiossincrasias, contradições e quebra de paradigmas moralistas. No IMDB, é creditada com 75 títulos, desde “Liberty Belle”, seu primeiro filme em 1983 dirigido por Pascal Kané, até o anunciado “La maison vide”, de Patrice Leconte, passando por “A Insustentável Leveza do Ser”, “Os Amantes de Pont-Neuf”, “Perdas e Danos”, “A Liberdade é Azul”, “A Igualdade é Branca”, “A Fraternidade é Vermelha”, “O Paciente Inglês”, “Caché”, “Cópia Fiel”, “A Vida de Outra Mulher”, “Cosmópolis”, “Camille Claudel 1915”, e até mesmo “Godzilla”.

Já o diretor Cédric Kahn,  nascido em 17 de junho de 1966, contabiliza sua carreira com quatorze títulos no IMDB, entre eles, “A Prece” e “Vida Selvagem”. Ainda que com idades parecidas, é inegável o empenho e dedicação de Juliette Binoche, tão politizada com o que acontece no mundo, que em uma entrevista ao Globo disse: “A verdade é que o incêndio na floresta amazônica preocupa todo o planeta. As escolhas políticas do presidente de vocês, Bolsonaro, dão muito medo. Ele parece ter visões egoístas e muito radicais, que não estão em sintonia com a situação atual”, definiu. Os dois convidados são tão diferentes e tão complementares. Unem-se para a grande celebração das Bodas de Pérola da Imovision. Vida longa! Que venha mais trinta anos vezes trinta!

Anuncie no Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *