Anuncio zazie

O Crime do Século

Toda a beleza e o derramamento de sangue

Por João Lanari Bo

O Crime do Século

O Crime do Século”, minissérie documental dirigida por Alex Gibney em 2021, ostenta um título à primeira vista verborrágico: foram tantos crimes no século passado, e muitos continuam impunes no novo século, o 21, que falar categoricamente sobre algum crime específico pode soar como mero recurso retórico. O caso em tela, entretanto, é daqueles que desafia a nossa combalida razão. Desde o ano 2000, mais de 500 mil pessoas morreram de overdose de opioides nos EUA. Opioides: composto químico psicoativo que produz efeitos farmacológicos semelhantes aos do ópio ou de substâncias nele contidas. Não se trata de uma crise conjuntural, ou uma pandemia – pelo contrário, não há nada de aleatório nessa tragédia. Foi resultado de uma estratégia deliberada de empresas farmacêuticas de aumentar suas margens de lucro, combinada com a cumplicidade de médicos, políticos e autoridades governamentais do setor. Uma tempestade perfeita de ganância e má fé, em suma.

Dividido em dois capítulos de duas horas, “O Crime do Século” detalha com minúcias as decisões das empresas Purdue Pharma e Insys Therapeutics tomadas com o objetivo de ampliar desmesuradamente o mercado de remédios de “administração da dor” – este é o jargão industrial, pain management – resultando, para o espectador perplexo, num retrato contundente de dirigentes sociopatas e alianças políticas que viabilizaram esse desatino inacreditável. Em paralelo, depoimentos daqueles que perderam entes queridos para o vício das pílulas, assim como de policiais e paramédicos que responderam a chamadas emergenciais de casos de overdose, fornecem o contraponto. E o mais patético, nesse ambiente de contrastes patéticos: um raio-X implacável da família Sackler, proprietária da Purdue e uma das dinastias filantrópicas mais prolíficas da América, que quintuplicou sua fortuna com o analgésico prescrito OxyContin – e doou somas polpudas a museus e universidades, na boa tradição do capitalismo exacerbado (e culpado) na terra do Tio Sam.

Seções monumentais de museus como o Metropolitan e o Guggenheim, ambos em Nova York, para citar os mais famosos, materializaram-se graças a generosos aportes da família. Na década de 1960, Arthur Sackler começou a aplicar técnicas de publicidade no marketing da empresa para os medicamentos Librium e Valium, estabelecendo um precedente perverso para a marca OxyContin, lançado em 1996. Filantropia fazia parte da estratégia publicitária, claro: Arthur amealhou a segunda maior coleção de arte chinesa no mundo, entre outras predileções artísticas, cedida a Smithsonian após sua morte em 1987. Os irmãos Mortimer e Raymond, igualmente psiquiatras como Arthur, não tinham, digamos, esse pendor. Em 2017, os Sacklers tinham um patrimônio líquido coletivo de 13 bilhões de dólares.

OxyContin: este seria o vilão entre vilões das drogas legais que fizeram esse estrago incalculável. Em princípio voltada para alívio de dores em pacientes terminais, sobretudo câncer – um mercado restrito, portanto – a droga deu um salto mercadológico em 1995, quando a Purdue contratou o Dr. Curtis Wright, funcionário da poderosa FDA, Federal Drug Administration. O objetivo foi garantir que o OxyContin recebesse selo de aprovação com indicação na bula de que (1) a absorção lenta da droga no corpo diminuía o potencial de abuso; e (2) a droga era apropriada para uma ampla gama de doenças, desde a luta contra o câncer até o tratamento de dores no joelho.

Nenhuma dessas alegações tinha evidências suficientes: o conluio com a FDA e seu técnico corrupto viabilizou a aprovação, algo inimaginável para o standard ético que se atribui ao órgão – no Brasil, a ANVISA é a agência encarregada de aprovar medicamentos: sua atuação recente na pandemia do Covid, por exemplo, dá uma ideia da importância desse setor governamental para a saúde pública. “O Crime do Século” revela documentos e tratativas sobre o absurdo que ocorreu na FDA, além de mergulhar fundo na descrição dos falsos testemunhos no Congresso de membros do alto escalão do grupo, sem falar nos processos judiciais que geraram acordos de centenas de milhões de dólares – apenas uma fração diante dos bilhões de lucros.

O mesmo rigor investigativo foi aplicado à Insys Therapeutics, na segunda parte da minissérie. Aliás, nessa lista mortífera de indústrias perfeitamente legais com projetos mórbidos inclui-se a Johnson & Johnson, que não fabrica apenas xampu para bebês. A empresa incentivou agricultores na Tasmânia, ilha na Austrália que sempre produziu papoula – insumo básico dos opioides – em escala controlada, a aumentar a produção para satisfazer o mercado em expansão nos EUA, financiando: (1) colheitas mecânicas em vez de manual; e (2) modificações genéticas da planta para criar “super” papoulas. Bônus especiais foram também oferecidos aos agricultores que produziram maiores safras. Tudo isso quando notícias de abusos e overdoses nas cidades americanas já eram notórias – abusos que incluíam aumento desenfreado do mercado ilegal dos remédios, que passaram a ser consumidos depois de esmagados e inoculados pelo nariz ou com seringas.

Em 2022, o documentário “All the Beauty and the Bloodshed” ganhou o Festival de Veneza – a segunda vez que aconteceu com um documentário, a anterior foi com “Sacro Gra“”. Dirigido por Laura Poitras, narra a epopeia da fotógrafa Nan Goldin para livrar-se ela mesma do vício do “Oxy” – alcunha do OxyContin – e liderar campanha internacional para exclusão do nome Sackler das paredes dos museus. O Guggenheim foi dos que resistiu mais tempo, mas acabou removendo em maio de 2022. Falando do filme, Poitras o descreveu como uma janela para a brutalidade do capitalismo americano.

4 Nota do Crítico 5 1

Trailer

Banner Vertentes Anuncio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *