Notre-Dame du Nil

O brasileiro “Meu Nome é Bagdá” é um dos vencedores da Mostra Geração do Festival de Berlim: Confira a lista completa

Por Redação

Os prêmios da Mostra Geração do Festival de Berlim 2020 (que está na 43a edição) foram anunciados hoje 28 de fevereiro, um dia antes da premiação da competição oficial. A Generation busca “interseção com outros e desconhecidos territórios; uma esfera de auto-expressão”, disse Maryanne Redpath.

Os membros do júri juvenil da Geração 14plus (Julina Jung, Ion Kebernik, Shahida Kitzov, Lucia Maluga, Rocco Mehlhose, Mette Maren Schmahl e Rita Stelling) concederam os seguintes prêmios:

Crystal Bear Melhor Filme
Notre-Dame du Nil (Our Lady of the Nile), de Atiq Rahimi

“O filme nos contou de forma cativante a história de pessoas em níveis geográficos e culturalmente tão distantes, e, no entanto, não eram estranhos para nós. As cores, a música e a poesia nos cativaram e nos fizeram sentir o filme em todas as suas facetas. Por causa da grande atuação e narrativa, fomos apresentados à dignidade e importância. Essas pessoas receberam um sentimento autêntico, levantando discussões. Estávamos convencidos politicamente, poeticamente, estilisticamente e humanamente”.

Menção Especial
White Riot, de Rubika Shah

“O filme criou uma experiência em várias camadas, com muitos trechos e elementos diferentes, gravações antigas e novas, muita criatividade e músicas eternas. A música mantém o filme unido, pois reuniu as pessoas naquela época. Mais uma vez, ele nos mostra que a história não deve ser esquecida. Estávamos motivados a defender nossos valores juntos e a gritar toda a injustiça que sentimos no mundo. Contra o racismo, contra a discriminação. A luta está longe de terminar!”

Crystal Bear Melhor Curta-metragem
Clebs (Mutts), de Halima Ouardiri

“Nos foi dada uma visão de um mundo que nunca vimos antes. Ficamos muito impressionados com as imagens, a luz, as cores e os sons. A câmera nos pegou e nos colocou no meio da ação; bem no meio de uma comunidade, vivendo juntos e pertencendo a centenas de indivíduos. Os movimentos, as massas, a organização das massas nos levaram embora. Pudemos observar o natural no antinatural. Sendo trancado. Quer sair e não sair. Tenho que me dar bem. Sozinhos e juntos. O filme combina estética e banalidade. Ele conecta a vida cotidiana e a política. Ele fala da vida e nos permite sentir e entender”.

Menção Especial
Goodbye Golovin (Adeus Golovin), de Mathieu Grimard

“Este filme, pelo qual lutamos durante o trabalho do júri, é aquele típico filme que nos faz esquecer o tempo. Consegue-se contar uma história profunda e complexa em um curto período de tempo. Através de uma interação harmoniosa de cores, luz, música e câmera, o filme criou um clima triste, energético e bonito ao mesmo tempo. De maneira poética, ele lida com os tópicos de fuga, libertação e a pergunta: “Quem sou eu e por quê?”. Graças à excelente atuação, conseguimos simpatizar incrivelmente bem com a situação apresentada. Você precisa mudar seu público para mudar?

Os sete membros do júri juvenil da Geração 14plus da Mostra Geração sobre seu trabalho: “Vimos 28 filmes e todos eram importantes. Ficamos tocados, chocados, surpresos e zangados. Os filmes nos preocupavam. Tiramos do nosso trabalho do júri o quão enriquecedor são muitas perspectivas diferentes“.


Meu Nome é Bagdá

Grande Prêmio do Júri Internacional da Geração 14plus da Mostra Geração de Melhor Filme, no valor de 7.500 euros, doado pela Agência Federal de Educação Cívica.

Os membros do Júri Internacional Geração 14plus (Abbas Amini, Jenna Bass e Rima Das) concederam os seguintes prêmios:

Meu Nome é Bagdá (Meu Nome é Bagdá), de Caru Alves de Souza

“Por unanimidade, decidimos sobre o nosso filme vencedor: Uma parte impressionante de liberdade, cheio de amizades maravilhosas, músicas, movimentos e ativa solidariedade. Era impossível não ficar impressionado com a protagonista e com os que a cercavam, e igualmente impossível esquecer o clímax glorioso e poderoso deste filme. Isso é prova de que a vida pode não fazer milagres por nós, mas podemos superar todos os obstáculos se seguirmos nossa paixão”.

Menções Especiais
Kaze no Denwa (Vozes ao vento), de Nobuhiro Suwa.

“Ficamos profundamente comovidos com esse filme de estrada, suave e épico, com seu final assombroso, que é devastador e edificante. Em nossos tempos difíceis, é mais importante do que nunca deixar espaço para o vazio da perda, bem como para o calor da interação humana – algo que este filme consegue tanto com graça quanto com força”.

Prêmio especial do júri internacional da Geração 14plus para Melhor Curta-Metragem, no valor de 2.500 euros, doado pelo Centro Federal de Educação Política.

Clebs (Mutts), de Halima Ouardiri

“Apesar de seus requisitos básicos mais simples, este curta-metragem se transforma em um poderoso exame da humanidade, da sociedade, dos animais e da inseparabilidade entre eles. Um trabalho impressionante, moldado pela consciência e pelo coração, e que nos aproxima da compreensão de nossa imensa crise global”.

White Winged Horse (Cavalo alado branco), de Mahyar Mandegar

“Este filme usa a imaginação de seu público para criar um mundo extraordinário. Ele segue um protagonista incomum que, no entanto, evoca emoções fortes. Quando a imaginação finalmente se conecta à realidade, parece que podemos voar para longe com o cavalo alado branco”.

Anuncie no Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *