Anuncio zazie

Maré de Azar

Ficha Técnica

Direção: Mike Judge
Roteiro: Mike Judge
Elenco: Jason Bateman, Mila Kunis, Kristen Wiig, Ben Affleck, J. K. Simmons, Clifton Collins Jr., Dustin Milligan, David Koechner, Beth Grant
Fotografia: Tim Suhrstedt
Trilha Sonora: George S. Clinton
Produção: John Altschuler, Michael Rotenberg
Distribuidora: Paris Filmes
Estúdio: 3 Arts Entertainment, F+A Productions, Ternion Pictures
Duração: 91 minutos
País: Estados Unidos
Ano: 2009
COTAÇÃO: ENTRE O REGULAR E O BOM

A opinião

Do criador de “Beavis e Butt-Head” e “O Rei do Pedaço”, é um filme que tenta repetir o humor ácido dos Irmãos Coen. Tenta também ambientar um estilo independente de “O balconista”. Apresenta-se como uma comédia despretensiosa sobre características naturais de cada um. Todos julgam a todos. É um bom filme, que se perde quando exacerba o humor. Os diálogos são surreais e complementamente sem sentido. Há os efeitos de drogas e há ingenuidade dos indivíduos. Os personagens são chatos, comuns, individualistas, não ouvem o próximo. As manias e idiossincrasias intensificam o tom usado. Aborda o lado fracassado da resignação dos fracassados. Nada irá mudar. Eles não irão mudar. Então a solução é a adequação.

Joel (Jason Bateman), proprietário de uma fábrica de extratos, tenta lidar com seus problemas profissionais e pessoais, tais como a infidelidade da esposa e a esperteza de alguns de seus funcionários que querem se aproveitar dele.

A crítica é afiada sobre vidas fracassadas. O capitalismo engole a solidariedade, estimula a competição e expõe o individualismo exacerbado. A necessidade de realizar um bom trabalho ou denunciar o seu próprio pode ser entendida para que o emprego seja conservado. Os que não conseguem acompanhar, por causa de suas limitações e deficiências, são descartadas por uma mão-de-obra mais acessível, mais barata e menos questionadora. Utiliza-se manipular a ingenuidade alheia, com lábia competente e atributos físicos. Cria-se a fantasia do querer. A oportunidade de olhar o que já se tinha percepção de que não fosse acontecer. Há a enganação ao outro, o oportunismo dos fins por meios não éticos ou morais.

O Diretor

Michael Craig Judge (Guayaquil, Equador, 17 de Outubro de 1962) é animador, ator, roteirista, cineasta e produtor mais conhecido como o criador das séries “Beavis & Butt-Head” e “King of the Hill”. Ele se tornou roteirista e cineasta nos filmes de comédia: Beavis e Butt-Head na América (Beavis & Butt-Head Do America, 1996), O Insustentável Peso de Trabalho (Office Space, 1999), Terra de Idiotas (Idiocracy, 2006) e Extrato (Extract, 2009).

Banner Vertentes Anuncio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.