os-passaros-estao-distraidos-poster

O Naturalismo de Uma Madonna Familiar

Por Fabricio Duque

Como já foi dito e reiterado nas analises críticas do nosso site, a tendência do cinema é a de abraçar o hibridismo, de estreitar os limites entre ficção, realidade e documentário. Em “Os Pássaros Estão Distraídos”, de Diogo Oliveira (um dos atores – até porque é o retrato pessoal de sua família) e João Vieira Torres, filme este que integra a mostra competitiva da VIII Semana dos Realizadores 2016, o universo ambientado é o cotidiano de micro-ações, ora em elipses, ora continuadas, ora fragmentadas, a fim de transmitir a metáfora repetitiva da relação temporal de pessoas comuns que vivenciam a espontaneidade existencial do próprios dia-a-dia.

Aqui, a narrativa constrói a representação metafísica sensorial interativa, quando roda a câmera, passeando por objetos-detalhes da casa para que assim possa adentrar nas vidas de ações, idiossincrasias coletadas, costumes, dramas cúmplices, carências compartilhadas e falsas liberdades solitárias do ser e do agir.

José Mauro está nervoso com a mudança que se aproxima; ele e Hilda mudarão para uma casa onde tudo será novo depois de 35 anos juntos. Hilda não sabe o que fazer dos objetos que restarão dessa casa que nunca foi realmente sua e de onde José Mauro não sai há 20 anos. Tudo que fica será encaixotado e os colchões velhos serão jogados fora.

O espectador é uma “cobaia voyeur” deste experimento intimista, estético, e demasiadamente expositivo, que estende percepções visuais pela extensão técnica pela transposição de imagens e sons vazados, tudo para potencializar a repetição imagética e personificada de seus protagonistas aprisionados dentro do apartamento, dos próprios quereres individuais e do comportamento solidário e respeitoso com o outro ser próximo social. A televisão é o passatempo sólido (e o som, o mais importante). A diversão resignada e cômoda do pensar (visto que já a recebem pronta). Eles reagem de forma tátil à vibração alienante apresentada. Deitados e inertes. É nesta tela de reproduções de imagens alheias (inferimos imediatamente a “Fahrenheit 451”, de Ray Bradbury), assistindo ao filme “Flashdance”, de Adrian Lyne; ao programa Domingão do Faustão; a um filme desconhecido (para eles) sobre “kung-fu shaolin”.

A narrativa busca a liberdade naturalista do próprio momento-conceito por causa das cenas em câmera estática e sem cortes (que às vezes “falha” – como se estivéssemos assistindo um programa Big Brother), apesar do anti-naturalismo dos diálogos, “chegadas” à cozinha e registros de trabalhadores de uma obra, por exemplo, que pode sim ser relevado, porque para não-atores a presença de alguém os filmando é desconfortável e precisa ser encenada, deixando o natural à projeção da criação do natural. Esta família conversa, mais por ligações telefônicas, e sempre com as mesmas questões e perguntas: “Dor na perna? É falta de ginástica”; “Dor de barriga? Coma mamão”. Eles entendem um ao outro. Riem tímidos por causa da câmera. E aos poucos, começam a se comportar inerentemente. O elemento de tempo-espaço, amador e caseiro, é o condutor, aproximando-se do gênero de uma ficção-científica, de realismo fantástico e de verdade visual etérea.

São instantes, fragmentos, contemplações, memórias revisitadas e ensaiadas como presente absoluto, e sons exagerados e “gritados”, entre músicas clássica (quase uma fantasia opereta); “Like a player”, da Madonna (que é impossível ao público não pensar sobre direitos autorais e questionar a exposição máxima de seu diretor-ator em dançar assumidamente como um adulto que redescobre o passado adolescente); discos (destaque ao “Xou da Xuxa”); corujas arregaladas; poster de “Quero ser John Malkovich”; camisa do filme “Trainspotting”, tudo nos leva a um universo cinematográfico e cinéfilo referencial em uma aparência de teatro realista à moda de Chantal Akerman e seu “Não é um filme caseiro”; de “Laura”, de Felipe Barbosa; de “Os Dias com Ele”, de Maria Clara escobar; “O Futebol”, de Sergio Oksman; a nova estética montadora do cineasta Jean-Luc Godard; e tantos outros.

“Os Pássaros Estão Distraídos” imerge o público em um universo aflitivo de vidas co-dependentes que se retro-alimentam dos acasos impositivos do outro (“Um homem deste tamanho com medo de barata?”, “Tem que maneirar no sal, senão vai todo mundo parar no hospital”, o “esporro” simpático à cozinheira por causa do “sal puro”, a quantidade de açúcar no mamão) que estão envolvidos no processo de uma mudança de apartamento, e que a câmera que sentimos, de super exposição, busca uma pseudo-espontaneidade que pretende também nos aprisionar. Assim entramos na atmosfera deles, e como fofoqueiros, saímos da sessão comentando e perguntando sobre a “dor na perna” de cada um que encontramos pelo caminho póstumo. Concluindo, um filme que corrobora sua veia experimental artística e que só por isso já vale sua investida em assistir, mesmo sabendo que há muito mais camadas em uma simples transcrição de instantes desses documentos familiares. Recomendado.

Anuncie no Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *