Anuncie no Vertentes do Cinema

Por Francisco Carbone

Até agora surpreso com esse novo filme do Shinji Aoyama, diretor que fez barulho com ‘Eureka!’ Anos atrás. Fui literalmente esperando uma coisa e recebi outra, mas não fazia ideia que a troca seria bem-vinda. Alguém está preparado para um filme japonês contemporâneo que use o sexo de forma tão natural e clara? Pois é justamente o sexo e seus desdobramentos que movem trama e personagens do filme, um núcleo familiar pra lá de desfuncional. De tanto bater na mulher durante o ato sexual, Medoka já não é mais casado e acabou se arrumando com uma jovem que igualmente apanha dele. No desabrochar da adolescência, seu filho Tomá descobre que talvez tenha os mesmos instintos que o pai e resolve lutar contra isso, e gradativamente vai colocando toda a família numa roda viva de desespero e violência. Muitas cenas de nudez e violência sexual são mostradas no filme de forma tranquila e sem grilos, pena que não são cenas nada bonitas plasticamente. O diretor queria tratar de uma alegoria souber crise familiar nos dias de hoje, e acabou criando uma parábola sobre as relações entre homens e mulheres no prazer carnal. Um filme pra conferir e analisar com cuidado.

Anuncie no Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *