Conheça os Premiados do Festival de Cinema de Gramado 2021

“Carro Rei”, de Renata Pinheiro, ganha o Kikito de Melhor Longa Brasileiro da 49a edição

Por Fabricio Duque

Pelo segundo ano consecutivo, devido à crise pandêmica mundial, que fez todos entrarem em quarentena, o Festival de Cinema de Gramado, em 2021 foi totalmente exibido, de 13 a 21 de agosto, pelo formato online e na “tela oficial” do Canal Brasil. E no site do festival. Uma decisão “resistente e resiliente” dos curadores e realizadores. A Cerimônia de Premiação – A Entrega dos Kikitos aconteceu neste sábado (21), sem público e respeitando os protocolos de segurança. A transmissão, direta e mais objetiva, apresentada por Renata Boldrini e Marla Martins, teve o show da banda local, da Serra Gaúcha, Jazz Cinnamon, que embalou a trilha musical com temas de filmes nacionais, com as músicas “What a wonderful world”, de Louis Armstrong; “Bete Balanço”, do Barão Vermelho”; “Amor de Índio”, de Beto Guedes; e “Mais uma Vez”, Legião Urbana, todas em tom saudosista, entre estéticas de Karaokê e futurismo dos anos oitenta. No momento “In Memorian”, o vídeo homenageou nomes como Tarcísio Meira, Paulo José, Paulo Gustavo, Nicete Bruno, Eduardo Galvão e Artur Xexéo que partiram no último ano.

Encerrando a cerimônia, uma homenagem a todos os realizadores do audiovisual brasileiro veio em forma de clipe com imagens de bastidores e grandes cenas do cinema com locução do ator Lázaro Ramos: “É preciso seguir em frente, esse tempo de trevas vai passar”, diz a voz do ator. O clipe encerra com o desejo de todos para o ano que vem: “O cineasta brasileiro Humberto Mauro disse certa vez uma frase que ficou célebre: cinema é uma cachoeira e a força dessa corrente não tem quem consiga parar. Muito obrigado por ter tomado mais um banho de cinema com a gente nesta 49ª edição, nos encontramos em 2022 para festejarmos juntos o cinquentenário do Festival de Cinema de Gramado”.

Leia o Tudo Sobre o Festival de Gramado 2021 e acompanhe Aqui nossa cobertura diária

A primeira frase da cerimônia foi “Tudo vai ficar bem”, abrindo com “esperança e que o mundo é maravilhoso”. O Festival de Cinema de Gramado completará ano que vem 50 anos. E os organizadores já sinalizaram que terá uma mega festa. “Brasil com dimensões continentais”, “893 filmes se inscreveram”, “mostra de multiplicidade”, fragmentos do discurso inicial. “Que comecem as emoções da noite”, disse Renata Boldrini.

CONHEÇA OS VENCEDORES DO 49º FESTIVAL DE CINEMA DE GRAMADO

Still do filme “Carro Rei”, de Renata Pinheiro

LONGAS-METRAGENS BRASILEIROS

Júri composto pela editora de som Catarina Apolonio, a atriz Carol Castro, o ator Fabricio Boliveira, a produtora Ana Paula Mendes e o escritor/cineasta Tabajara Ruas.

Melhor Filme

“Carro Rei”, de Renata Pinheiro

Melhor Direção

Aly Muritiba, por “Jesus Kid”

Melhor Ator

Nando Cunha, em “O Novelo”

Melhor Atriz

Glória Pires, em “A Suspeita”

Melhor Roteiro

Aly Muritiba, por “Jesus Kid”

Melhor Fotografia

Bruno Polidoro, por “A Primeira Morte de Joana”

Melhor Montagem

Tula Anagnostopoulos, por “A Primeira Morte de Joana

Melhor Trilha Musical

Dj Dolores, por “Carro Rei”

Melhor Direção de Arte

Karen Araújo, por “Carro Rei”

Melhor Atriz Coadjuvante

Bianca Byington, por “Homem Onça”

Melhor Ator Coadjuvante

Leandro Daniel Colombo, por “Jesus Kid”

Melhor Desenho de Som

Guile Martins, por “Carro Rei”

Melhor Filme Pelo Júri Popular

“O Novelo”, de Claudia Pinheiro

Melhor Filme Pelo Júri da Crítica

“A Primeira Morte de Joana”, de Cristiane Oliveira

Prêmio Especial do Júri

Para Matheus Nachtergaele, em “Carro Rei”, pela “construção e domínio do personagem e pela brilhante capacidade de se reinventar.”

Menção Honrosa

Para Fernando Lufer, Michel Gomes, Victor Alves, Kaike Pereira, Pedro Guilherme e Caio Patricio por “seu talento e potência em “O Novelo”.”

Menção Honrosa

Para Isabél Zuaa pela bela e impactante atuação em “O Novelo”

CURTAS-METRAGENS BRASILEIROS

Júri composto pelo realizador Marco Antônio Pereira, pela cineasta Janaina Oliveira Re.Fem, pelo diretor Ulisses Arthur, a diretora de arte Valéria Verba e a atriz Elisa Volpatto.

Melhor Filme

“A Fome de Lázaro”, de Diego Benevides

Melhor Direção

Fabio Rodrigo, por “Entre Nós e o Mundo”

Melhor Ator

Lucas Galvino em “Fotos Privadas”

Melhor Atriz

Tieta Macau em “Quanto Pesa”

Melhor Roteiro

Marcelo Grabowsky, Aline Portugal e Manoela Sawitzki, por “Fotos Privadas”

Melhor Fotografia

Rodolpho Barros, por “Animais na Pista”

Melhor Montagem

Caroline Neves, por “Entre nós e o Mundo”

Melhor Trilha Musical

Eli-Eri Moura, por “Animais na Pista”

Melhor Direção de Arte

Torquato Joel, por “A Fome de Lázaro”

Melhor Desenho de Som

Breno Nina, por “Quanto Pesa”

Melhor Filme pelo Júri Popular

“Desvirtude”, de Gautier Lee

Melhor Filme pelo Júri da Crítica

“Entre Nós e o Mundo”, de Fábio Rodrigo

Prêmio Especial do Júri

Fabio Rodrigo, por “Entre Nós e o Mundo” por “responder de forma consciente em termos estéticos, afetivos e narrativos a pergunta “Como falar da dor da perda e ainda ter esperança?”.

Menção Honrosa

“A Beleza de Rose”, de Natal Portela, por “fazer um delicado recorte da vida de muitas mulheres negras no nordeste do Brasil.”

Prêmio Canal Brasil de Curtas

“A Beleza de Rose”, de Natal Portela

LONGAS-METRAGENS ESTRANGEIRO

Júri comporto pela atriz Ítala Nandi, pela produtora Jéssica Luz, pelo cineasta e cineclubista Luiz Alberto Cassol. 

Melhor Filme

“La Teoría De Los Vidrios Rotos”, de Diego Fernández Pujol

Melhor Filme Júri Popular

“La Teoría De Los Vidrios Rotos”, de Diego Fernández Pujol

Melhor Filme pelo Júri da Crítica

“Planta Permanente”, Ezequiel Radusky

Prêmio Especial do Júri

“Planta Permanente”, de Ezequiel Radusky, pela “abordagem de temas tão presentes em nossa sociedade, que refletem as consequências de um sistema corrompido e afetam diretamente os valores humanos; e pelas interpretações das protagonistas femininas que representam a força das mulheres latinas em nosso cinema. O Júri de Longas-metragens estrangeiros do 49º Festival de Cinema de Gramado decidiu conceder o Prêmio Especial do Júri ao filme.”

LONGAS-METRAGENS GAÚCHOS

Júri composto pela professora, pesquisadora e jornalista Fatimarlei Lunardelli, pelo produtor, roteirista e diretor Pedro Guindani e pela diretora e roteirista Liliana Sulzbach.

Melhor Filme

“Cavalo de Santo”, de Carlos Eduardo Caramez e Mirian Fichtner

Melhor Direção

Gilson Vargas, por “A Colmeia”

Melhor Ator

João Pedro Prates, por “A Colmeia”

Melhor Atriz

Luciana Renatha, Alexia Kobayashi e Veronica Challfom, por “Extermínio”

Melhor Roteiro

Carlos Eduardo Caramez, por “Cavalo de Santo”

Melhor Fotografia

Bruno Polidoro, por “A Colmeia”

Melhor Direção de Arte

Gilka Vargas e Iara Noemi, por “A Colmeia”

Melhor Montagem

Joana Bernardes e Mirela Kruel, por “Extermínio”

Melhor Desenho de Som

Gabriela Bervian, por “A Colmeia”

Melhor Trilha Musical

Cânticos Sagrados dos Orixás preservados pelos Terreiros gaúchos e Alabê Oni, por “Cavalo de Santo”

Melhor Filme pelo Júri Popular

“Cavalo de Santo”, de Carlos Eduardo Caramez e Mirian Fichtner

Prêmio Novas Façanhas

FESTIVAL NACIONAL DE CINEMA DE GUAIBA RS (cidade berço da Revolução Farroupilha)

COLETIVO MBYA GUARANI DE CINEMA

APTC RS

Prêmio Leonardo Machado

SIRMAR ANTUNES (interpretou o sargento no filme “O Dia em que Dorival Encarou a Guarda”, de Jorge Furtado e José Pedro Goulart)

“Carro Rei é sobre o quanto estamos nos transformando nesse homem tecnológico e quanto podemos nos desumanizar neste processo. Eu queria agradecer por ter essa voz agora, estamos passando por um momento tão difícil de destruição total do nosso setor que emprega tanta gente, um setor que emprega tanta gente, que dá chance para tantos talentos brasileiros entenderem o que é se comunicar, o que é criar uma expressão artística, o que é ser brasileiro. Estão querendo destruir a gente e a gente não pode””, disse a realizadora Renata Pinheiro, homenageando também a Cinemateca Brasileira.

O ator Nando Cunha consagrou-se melhor ator pelo papel de Mauro em “O Novelo”. O prêmio tem um gostinho todo especial para ele, já que o papel foi conquistado justamente pela visibilidade e reconhecimento em 2017 quando ele foi o melhor ator de curta-metragem brasileiro em Gramado por “Telentrega”, despertando a atenção da diretora Claudia Pinheiro.

“Estou feliz demais, feliz demais. Quero agradecer a todos os atores que trabalharam comigo, meu Deus, meu Deus. Hoje a gente fala muito de posicionamento, das pessoas ficarem em cima do muro, é sobre a importância de se posicionar e foi por eu me posicionar que esse filme nasceu. Eu era um moleque que morava na Penha e costumava ver o festival de Gramado como o ‘Oscar brasileiro’. E esse moleque ganhou hoje um ‘Oscar’ de melhor ator com longa brasileiro tendo como concorrente Paulo Miklos e Matheus Nachtergaele que eu sou muito fã, só agradecer demais”, falou emocionado entre lágrimas.

“Parabenizo o festival pela sua 49ª edição homenageando com muita justiça os profissionais do audiovisual brasileiro, essa caminhada ininterrupta especialmente nesse momento é uma enorme inspiração. Agradeço a Daniela Busoli e ao Leonardo Lessa por terem me recebido tão generosamente nesse projeto criado por Luis Eduardo Soares e dirigido pelo grande parceiro de tantas aventuras criativas Pedro Peregrino. Agradeço a cada profissional que trouxe sua criativa contribuição ao projeto, especialmente a nossa montadora Joana Collier. A vida é feita de encontros e fazer cinema é reproduzir a vida contando histórias que nos fazem questionar e buscar saídas mesmo quando não parece haver uma”, a atriz vencedora Gloria Pires enviou um recado porque não pode aparecer. Motivo: estava “casando a filha Cleo” no momento.

Para encerrar a noite, agradecimentos do prefeito de Gramado,Nestor Tissot, e do Governador Eduardo Leite, “bolsonarista arrependido”, que disse que seu voto para Jair Bolsonaro foi um “erro”.

“A grande homenagem este ano é o cinema, o audiovisual brasileiro”, “o assunto é cinema”, “parabéns povo lutador do cinema”, citação “Cinema é cachoeira”, dita por Humberto Mauro, “obrigado por tomar com a gente esse banho de cinema”, “cinema brasileiro é uma fênix, ressurge e cria nossa identidade”, frases finais que buscam o efeito emocional cinéfilo em cada um de nós.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *