Um Balanço crítico e resumido do Festival do Rio 2018
(Antes da Premiação Oficial)


Todo e qualquer festival é sempre uma maratona. Uma esquizofrenia competitiva que a maioria dos seres humanos mais normais não entendem. Assistir a quatro ou cinco filmes por dia é entrar sim em um cognitiva loucura individualista. Cinéfilos são assim. Querem mais e mais. São obsessivos, obcecados e desejam viver intensamente a paixão pela sétima arte.

Nosso site, além de sermos adoradores por esta arte imagética, também precisamos “prestar contas”. Nós somos críticos e repórteres. Tentamos ultrapassar nossos limites humanos, mas infelizmente não somos máquinas. Não conseguimos escrever todas as críticas completas sobre todos os filmes e também não conseguimos assistir todos os filmes de todo o festival. É frustrante? Sim. Ficamos culpados? Lógico.

Então, esta é uma lista filmes assistidos com notas. Não esperamos que o vertenteiro leitor espectador concorde, até porque também não concordamos com muitos entre nós mesmos. É uma arte subjetiva. Totalmente. Por exemplo, “Deslembro”, de Flavia Castro, para Fabricio Duque é uma pérola máxima. Para Vitor Vellloso que fez a crítica, o filme merece apenas três camerazinhas. E outros, como “A Casa Que Jack Construiu”, de Lars von Trier, que dividiu opiniões e até raivas.

Nossa equipe de críticosFabricio DuqueVitor VellosoGabriel Silveira e Pedro Guedes. E nossa equipe de cobertura midiáticaLisandra DetulioCamila Rangel e Rodrigo Puchetti.


Os Melhores e Piores de Nossos Críticos


Vitor Velloso

Melhor Filme: “Guerra Fria”
Uma das maiores experiências de cinema no ano.

Pior Filme: “Cano Serrado”
Sem dúvida o maior desserviço que o cinema nacional não precisava.


Pedro Guedes

Melhor Filme: “O Mau Exemplo de Cameron Post”
Em tempos onde o ódio e a intolerância estão cada vez mais fortes, é importante que exista um filme como este, que emociona ao mostrar como é tóxico manter o mundo deste jeito.

Pior Filme: “A Rota Selvagem”
Quando um filme praticamente implora para que o espectador chore, perde-se qualquer legitimidade que poderia haver no choro. É o que acontece neste filme piegas e artificial.


Fabricio Duque

Melhor Filme: “Sueño Florianópolis”
Pela naturalidade de se construir um fluido, leve e despretensioso cotidiano.

Pior Filme: “Nóis Por Nóis”
Pela condução que tenta se condensar pelo amadorismo pretendendo ser cult.


Então vamos a todas as Cotações!


CINCO CÂMERAS

***** Sueño Florianópolis, de Ana Katz
***** Rasga Coração, de Jorge Furtado
***** Deslembro, de Flavia Castro
***** Aconteceu na Quarta-Feira, de Domingos Oliveira
***** THF: Aeroporto Central, de Karim Ainouz
***** Torre das Donzelas, de Susanna Lira
***** Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos, de João Salaviza e Renée Nader Messora
***** Sócrates, de Alex Moratto
***** Diamantino, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt
***** Assunto de Família, de Hirokazu Koreeda
***** 3 Faces, de Jafar Panahi
***** Vida Selvagem, de Paul Dano
***** Cafarnaum, Nadine Labaki
***** O Mau Exemplo de Cameron Post, de Desiree Akhavan
***** Skate Kitchen, de Crystal Moselle
***** Selvagem, de Camille Vidal-Nanquet
***** A Valsa de Waldheim, de Ruth Beckermann


QUATRO CÂMERAS

**** A Sombra do Pai, de Gabriela Amaral Almeida
**** Azougue Nazaré, de Tiago Melo
**** Clementina, de Ana Rieper
**** Eleições, de Alice Riff
**** Gilda Brasileiro – Contra o Esquecimento, de Roberto Manhães Reis e Viola Scheuerer
**** Inferninho, de Guto Parente e Pedro Diogenes
**** As Viúvas, de Steve McQueen
**** Carvana, Lulu Corrêa
**** Humberto Mauro, de André Di Mauro
**** No Portal da Eternidade, de Julian Schnabel
**** Infiltrado no Klan, de Spike Lee
**** A Casa Que Jack Construiu, de Lars von Trier
**** Monrovia, Indiana, de Frederick Wiseman
**** Conquistar, Amar e Viver Intensamente, de Christophe Honoré
**** O Favorito, de Jason Reitman
**** Sem Rastros, de Debra Granik
**** Verão, de Kirill Serebrennikov
**** Guerra Fria, de Pawel Pawlikowski
**** Dez Anos Tailândia, de Aditya Assarat, Wisit Sasanatieng, Chulayarnon Siriphol e Apichatpong Weerasethakul
**** A Excêntrica Família de Gaspard, de Antony Cordier
**** Culpa, de Gustav Möller
**** Yomeddine, de R. B. Shawky
**** Pássaros de Verão, de Ciro Guerra e Cristina Gallego
**** O Anjo, de Luis Ortega
**** Futebol Infinito, de Corneliu Porumboiu
**** Obscuro Barroco, de Evangelia Kranioti
**** The Cleaners, de Hans Block e Moritz Riesewieck
**** Os Olhos de Orson Welles, de Mark Cousins


TRÊS CÂMERAS

*** Deslembro, de Flavia Castro
*** Morto Não Fala, de Dennison Ramalho
*** Tinta Bruta, de Marcio Reolon e Felipe Matzembacher
*** Simonal, de Leonardo Domingues
*** Meu Nome é Daniel, de Daniel Gonçalves
*** Relatos do Front, de Renato Martins
*** Luna, de Chris Azzi
*** Mormaço, de Marina Meliande
*** Excelentíssimos, de Douglas Duarte
*** Cine Holliudy 2 – A Chibata Sideral, de Halder Gomes
*** A Quietude, de Pablo Trapero
*** Imagem e Palavra, de Jean-Luc Godard
*** Vox Lux, de Brady Corbet
*** A Pé Ele Não Vai Longe, de Gus van Sant
*** Grass, de Hong Sangsoo
*** O Hotel Às Margens do Rio, de Hong Sangsoo
*** Em Chamas, de Lee Chang-Dong
*** A Queda do Império Americano, Denys Arcand
*** Praça Pública, de Agnès Jaoui
*** A Prece, de Cédric Kahn
*** A Costureira de Sonhos, de Rohena Gera
*** Adam, de Maria Solrun
*** Tarde Para Morrer Jovem, de Dominga Sotomayor
*** Vermelho Sol, de Benjamin Naishtat
*** Operação Overlord, de Julius Avery
*** A Geração da Riqueza, de Lauren Greenfield
*** El Último País, Gretel Marín Palacio
*** Um Amor Inesperado, de Juan Vera
*** Maya, de Stephen Loveridge


DUAS CÂMERAS

** A Terra Negra dos Kawa, de Sérgio Andrade
** Los Silencios, de Beatriz Seigner
** Se a Rua Beale Falasse, de Barry Jenkins
** Vidas Duplas, de Olivier Assayas
** Asako I & II, de Ryusuke Hamaguchi
** Não Me Toque, de Adina Pintilie
** Utoya – 22 de Julho, de Erik Pope
** Raiva, de Sérgio Tréfaut
** A Rota Selvagem, de Andrew Haigh
** Longa Jornada Noite Adentro, de Bi Gan
** Rafiki, de Wanuri Kahiu
** Pedro e Inês, O Amor Não Descansa, Antônio Ferreira
** Museu, de Alonso Ruizpalacios
** Acusada, de Gonzalo Tobal
** Faca no Coração, de Yann Gonzalez


UMA CÂMERA

* Domingo, de Clara Linhart e Fellipe Barbosa
* Nóis por Nóis, de Aly Muritiba e Jandir Santin
* Ilha, de Ary Rosa e Glenda Nicário
* O Grande Círculo Místico, de Carlos Diegues
* Intimidade Entre Estranhos, de José Alvarenga Jr.
* Uma Noite Não É Nada, de Alain Fresnot
* Cano Serrado, de Erik de Castro
* A Voz do Silêncio, de André Ristum

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados