É fato que um festival de cinema é uma maratona. E para os fortes. O Festival do Rio não poderia ser diferente. Com mais de 200 filmes, os espectadores cinéfilos entram em um transe esquizofrênico de uma catarse coletiva. É o amor incondicional pela sétima arte que pulsa incessante.

De hoje, dia primeiro de novembro até o dia onze, os vertenteiros poderão conferir diariamente as críticas, pílulas-resenhas, entrevistas, vídeos exclusivos e matérias especiais. E também acompanhe nosso Instagram e nossa página do Facebook.

Nossa equipe de críticos: Fabricio Duque, Vitor Velloso, Gabriel Silveira e Pedro Guedes. E nossa equipe de cobertura midiática: Lisandra Detulio, Camila Rangel e Rodrigo Puchetti.

Nossa cobertura já começou. Confira as críticas com notas de vários filmes, incluindo a do filme de abertura do Festival do Rio, “As Viúvas”, que acontece hoje, no Odeon, Rio de Janeiro. Mas não se desespere: após a sessão para convidados, o público pode conferir o filme no mesmo dia e no mesmo cinema, às 23:59.


Vídeos Exclusivos



Os Vencedores


MELHOR LONGA-METRAGEM DE FICÇÃO: “Tinta Bruta”, de Marcio Reolon e Filipe Matzembacher.⠀
MELHOR LONGA FICÇÃO PELO VOTO POPULAR: “Deslembro”, de Flavia Castro
MELHOR LONGA-METRAGEM DE DOCUMENTÁRIO: “Torre das Donzelas”, de Susanna Lira
MELHOR DIREÇÃO DE FICÇÃO: João Salaviza e Renée Nader Messora, por “Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos”⠀
MELHOR DIREÇÃO DE DOCUMENTÁRIO: Susanna Lira, por “Torre das Donzelas”⠀
Menção Honrosa Direção de Documentário: Daniel Gonçalves, por “Meu Nome é Daniel” ⠀
MELHOR LONGA DOCUMENTÁRIO PELO VOTO POPULAR (Prêmio de Mídia Canal Curta no valor de 100 mil reais): “Torre das Donzelas”, de Susanna Lira⠀
MELHOR ATOR: Shico Menegat, por “Tinta Bruta”, e Valmir do Côco, por Azougue Nazaré⠀
MELHOR ATRIZ: Itala Nandi, por “Domingo”⠀
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Eliane Giardini, por “Deslembro”⠀
MELHOR ATOR COADJUVANTE: Bruno Fernandes, por “Tinta Bruta”
MELHOR ROTEIRO: Filipe Matzembacher, Marcio Reolon por “Tinta Bruta”⠀
MELHOR FOTOGRAFIA: Renée Nader Messora, por “Chuva é Cantoria na Terra dos Mortos”⠀
MELHOR MONTAGEM: André Sampaio, por “Azougue Nazaré” ⠀
PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI (com apresentação de Lúcia Murat): “Azougue Nazaré”, de Tiago Melo⠀
MELHOR CURTA PELO VOTO POPULAR: “Você não me conhece”, de Rodrigo Séllos.
MELHOR CURTA PELO JÚRI: “O Órfão”, de Carolina Markowicz


Mostra Novos Rumos
MELHOR CURTA: “Lembra”, de Leonardo Martinelli⠀
MELHOR FILME: “Ilha”, de Ary Rosa e Glenda Nicácio⠀
PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI: “Inferninho”, de Guto Parente e Pedro Diogenes⠀

PRÊMIO FELIX 2018⠀
Prêmio Especial do Júri: “Inferninho”, de Guto Parente e Pedro Diogene⠀
Melhor Longa Doc: “Obscuro Barroco”, de Evangelia Kranioti⠀
Melhor Longa Ficção: “Sócrates”, de Alex Moratto⠀
O troféu SUZY CAPÓ: Personalidade Felix do ano foi para Saulo Amorim, presidente nacional da Associação Brasileira de Famílias Homotransafetivas.
Prêmio Mostra Geração foi para Shade – Entre bruxas e heróis, de Rasko Miljkovic, filme da Sérvia em parceria com a Macedônia.

FIPRESCI: “Deslembro”, de Flavia Castro.

Críticas Relacionadas

Crítica: Azougue Nazaré

Misteriosamente o Maracatu Surgiu

Crítica: Deslembro

Ao som de ele não, francês não.

Crítica: A Sombra do Pai

Pulsar a vida com a morte

Crítica: Domingo

Já chega dessa história

Crítica: Eleições

Botando fé nesses guris. Vêm eleições 2030 (Pelo amor)!

Crítica: Clementina

Um canto de esperança

Crítica: A Prece

Um vício por outro

Crítica: Museu

Artefatos sem valor

Crítica: As Viúvas

Lutos em reação

Crítica: Sem Rastros

O ser humano em contato com a Natureza

Crítica: Luna

Uma jornada para descobrir a força da própria existência

Crítica: Diamantino

Da fantasia resignada à realidade surreal

Crítica: Ilha

Utopias no limite tênue da pretensão e da ingenuidade

Crítica: Wildlife

It's a Wildlife!

Crítica: Imagem e Palavra de Godard

As verborrágicas imagens de Godard

Crítica: Conquistar, Amar e Viver Intensamente

Sobre os encontros errados para chegar ao certo

Crítica: Guerra Fria

Preto-e-branco é a cor mais quente

Crítica: Verão

Em busca do dia perfeito

Crítica: A Casa Que Jack Construiu

A mórbida consciência arquitetada de Lars

Crítica: Skate Kitchen

Skate Kitchen não é uma escola

Crítica: Yomeddine – Em Busca de um Lar

Competição. Vidas expostas em uma jornada de renovação.

Crítica: Obscuro Barroco

Uma vida em poesia e ação

Crítica: A Queda do Império Americano

Divertido e moderadamente engajado

Crítica: Operação Overlord

Entretenimento de primeira?

Crítica: Cano Serrado

Bancada da Bala Cristã

Crítica: A Voz do Silêncio

Silêncios com demasiados ruídos intermitentes

Pílula-Crítica: Rafiki

Resistência entreguista

Crítica: Praça Pública

Se durasse uma hora a menos...

Pílula-Crítica: Vermelho Sol

Retrato Latino de um moralismo ético

Crítica: No Portal da Eternidade

Disforme, mas com um propósito

Pílula-Crítica: El Último País

A dor fantasma perante a abertura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados