Foto: Filippo Pitanga

Premiação da 51a edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

e seus mais de sessenta prêmios


Troféu Candango Longa-Metragem

Melhor filme: “TEMPORADA”, de André Novais Oliveira.

Melhor filme pelo júri popular (Petrobras): “BIXA TRAVESTY”, de Claudia Priscilla e Kiko Goifman.

Prêmio especial do Júri: “TORRE DAS DONZELAS”, de Susanna Lira.

Melhor direção: Beatriz Seigner, por “LOS SILÊNCIOS”.

Menção honrosa: Linn da Quebrada e Jup do Bairro, de “BIXA TRAVESTY”.

Melhor atriz: Grace Passô, por “TEMPORADA”.

Melhor ator: Aldri Anunciação, por “ILHA”.

Melhor atriz coadjuvante: Luciana Paes, por “A SOMBRA DO PAI”.

Melhor ator coadjuvante: Russão, por “TEMPORADA”.

Melhor roteiro: Ary Rosa, por “ILHA”.

Melhor fotografia: Wilssa Esser, por “TEMPORADA”.

Melhor montagem: Karen Akerman, por “A SOMBRA DO PAI”.

Melhor direção de arte: Diogo Hayashi, por “TEMPORADA”.

Melhor trilha sonora: Linn da Quebrada e Jup do Bairro, por “BIXA TRAVESTY”.

Melhor som: Gabriela Cunha, por “A SOMBRA DO PAI”.

Prêmio da crítica (Associação Brasileira de Críticos de Cinema – Abraccine): “LOS SILÊNCIOS”.


Troféu Candango Curta-Metragem

Melhor curta-metragem: “CONTE ISSO ÀQUELES QUE DIZEM QUE FOMOS DERROTADOS”, de Aiano Bemfica, Camila Bastos, Cristiano Araújo e Pedro Maia de Brito

Melhor curta-metragem pelo júri popular: “EU, MINHA MÃE E WALLACE”, dos irmãos Carvalho.

Prêmio especial do júri: “LIBERDADE”, de Pedro Nishi e Vinícius Silva.

Melhor direção: Nara Normande, por “GUAXUMA”.

Melhor atriz: Maria Leite, por “MESMO COM TANTA AGONIA”

Melhor ator: Fábio Leal, por “REFORMA”.

Melhor atriz coadjuvante: Noemia Oliveira, por “EU, MINHA MÃE E WALLACE”

Menção honrosa: Melhor atriz coadjuvante: Rillary Rihanna Guedes, por “MESMO COM TANTA AGONIA”.

Melhor ator coadjuvante: Uirá dos Reis, por “PLANO CONTROLE”

Melhor roteiro: Fábio Leal, por “REFORMA”

Melhor fotografia: Ana Santos, por “MESMO COM TANTA AGONIA”

Melhor montagem: Gabriel Martins e Luisa Lana, por “PLANO CONTROLE”.

Melhor direção de arte: Nara Normande, por “GUAXUMA”.

Melhor trilha sonora: “GUAXUMA”.

Melhor som: “CONTE ISSO ÀQUELES QUE DIZEM QUE FOMOS DERROTADOS”.

Prêmio da crítica (Associação Brasileira de Críticos de Cinema – Abraccine): “MESMO COM TODO AGONIA”, de Alice Andrade Drummond.


Outros Prêmios

Prêmio Zózimo Bulbul Curta-Metragem: “IMPERMEÁVEL PAVIO CURTO”, de Higor Gomes; e
“EU, MINHA MÃE E WALLACE”, dos irmãos Carvalho.

Prêmio Zózimo Bulbul Longa-Metragem: “ILHA”, de Glenda Nicácio e Ary Rosa.

Prêmio Canal Brasil: Curta-Metragem: “MESMO COM TANTA AGONIA”, de Alice Andrade Drummond.

Prêmio Marco Antônio Guimarães: Melhor uso de material de arquivo: “O OUTRO LADO DA MEMÓRIA”, de André Luiz Oliveira.

Prêmio Conterrâneos (fundação CineMemória): Melhor documentário do festival:
“O OUTRO LADO DA MEMÓRIA”, de André Luiz Oliveira.

Prêmio Saruê: Correio Braziliense: “BIXA TRAVESTY”, de Claudia Priscilla e Kiko Goifman.

Mostra Caleidoscópio – Prêmio Aquisição Prime Box Brasil e Prêmio Técnico VOD Tamanduá: “OS SONÂMBULOS”, de Tiago Mata Machado.


MOSTRA BRASÍLIA – 23º Troféu Câmara Legislativa

Melhor longa-metragem: “NEW LIFE S.A.”, de André Carvalheira.

Melhor curta-metragem: “ENTRE PARENTES”, de Tiago de Aragão.

Melhor longa-metragem pelo júri popular (Petrobras): “O OUTRO LADO DA MEMÓRIA”, de André Luiz Oliveira.

Melhor curta-metragem pelo júri popular (e Prêmio Ciario/Naymar): “TERRAS BRASILEIRAS”, de Dulce Queiroz.

Melhor direção: André Luiz Oliveira, por “O OUTRO LADO DA MEMÓRIA”.

Prêmio especial do júri – pelo conjunto da obra: “A RODA DA FORTUNA”, de Luciano Porto.

Melhor atriz: Presidiárias do curta “PRESAS QUE MENSTRUAM”.

Melhor ator: Murilo Grossi, por “NEW LIFE S.A.

Menção honrosa: Melhor Atriz: Nathalia Schuller, de “MONSTROS”

Melhor roteiro: “PARA MINHA GATA MIEZE”, de Wesley Gondim.

Melhor fotografia: Alan Schvarsberg por “ENTRE PARENTES”.
Melhor montagem: Zefel Coff, por “A PRAGA DO CINEMA BRASILEIRO”.

Melhor direção de arte: Longa-metragem: Moacyr Gramacho, por “O OUTRO LADO DA MEMÓRIA”.

Melhor trilha sonora: Vinícius Jibhajan, por “O OUTRO LADO DA MEMÓRIA”.

Melhor edição de som:  Olivia Hernandez, por “RISCADOS PELO MEMÓRIA”.


Ambiente de Mercado

Prêmio Mostra Futuro Brasil: ”ONTEM HAVIA COISAS ESTRANHAS NO CÉU”, de Bruno Risas.

Prêmio CineBrasil TV: “SELAGEM”, de Diego da Costa.

Prêmio Dharma Filmes: “ECOS DO SILÊNCIO”, de André Luiz Oliveira.

Prêmio MIPTV Cannes: “O CRIADOR DE TUDO”, de Tiago Tambelli.

Prêmio RIO2C: “CAROLINA, CONCEIÇÃO E NÓS TODAS”, de Gabriele Pereira; e
“NOSSO AMOR DE HOJE”, de Daniel Calil.

Prêmio Rotterdam Lab: “PASSAGEM ESPERANÇA”, de Fernando Segtowick.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados