A Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro

Por Fabricio Duque

O Centro cultural é reconhecido internacionalmente, principalmente por seu acervo cinematográfico, que foi aumentado pelo apoio do Estação. A curadoria é do Jornalista Ricardo Cota, que sente na pele as dificuldades para manter o local funcionando e realizar uma programação diversa e multi-cultural. É um ato de resistência ajudado pela paixão incondicional do historiador Hernani Heffner. E na entrevista exclusiva ao Vertentes do Cinema, disse que em certos momentos, todo o engessamento, causa confusão e desânimo. Nosso site participa com o Cineclube Clássicos, já exibindo “O Demônio das Onze Horas”, de Jean-Luc Godard (no foco França) e “Os Boas Vidas” (foco Itália), de Federico Fellini.

Entrada franca.


Setembro 2018


Século XXI: Mulheres, Ação!
O Século XXI: Mulheres, Ação! quer fortalecer e ampliar o debate sobre o que é ser mulher no cenário atual. Idealizado pela produtora e curadora de festivais de cinema Andréa Cals, o evento apresenta mostra de filmes de curta e longa-metragem e debates que refletem sobre o protagonismo feminino. O evento nasceu desta discussão cada vez mais presente no dia-a-dia sobre o que é ser mulher na nova era. A curadora teve a ideia do evento feminista durante uma estada na França, mas encontrou na sua cidade, o Rio de Janeiro, a pior motivação para realizá-lo: a execução covarde e violenta da vereadora Marielle Franco. A seleção de filmes brasileiros foi pensada em função dos assuntos que o evento permeia, mas principalmente títulos que tragam o protagonismo feminino como tema, independente do seu ano de produção. Um dos principais parceiros do evento é o Centre Audiovisual Simone de Beauvoir. Situado em Paris, este centro de conservação e produção de audiovisual de mulheres foi criado em 1982 pela atriz Delphine Seyrig, junto com as documentaristas Carole Roussopoulos e Ioana Wieder. Elas formavam o coletivo Les Insoumuses (um trocadilho com a palavra francesa “insoumises”- insurbordinadas), e foram pioneiras na França em utilizar a câmera de vídeo portátil, na realização de suas produções audiovisuais. Destaque para o raro “Sois belle et tais-toi” (Seja bela e cale a boca), inédito no Brasil e em copia restaurada, dirigido por Seyrig (1932-1990), estrela der “O ano passado em Marienbad. No filme a realizadora entrevista 24 atrizes francesas e estadunidenses, que comentam o dia-a-dia de suas vidas nos bastidores do cinema, seus papéis e relacionamentos com diretores e equipes técnicas. Um relatório coletivo bastante negativo registrado em 1976, mas que encontra ecos em pleno 2018, vide o movimento #MeToo. Algumas atrizes entrevistadas: Jane Fonda, Shirley MacLaine, Marie Dubois, Maria Schneider, Juliet Berto, Patti D’Arbanville, Anne Wiazemsky, Ellen Burstyn e Louise Fletcher. Gratuita.

DOBRA – Festival Int’l de Cinema Experimental
Indo para a sua quarta edição, a terceira em parceria com a Cinemateca do MAM, o Dobra já pode ser considerado um dos eventos mais importantes da América Latina no campo do cinema experimental. Firmando-se como um evento de referência no Brasil, o festival apresenta este ano uma seleção que passa por todos os continentes, com destaque para a produção latinoamericana, que vem se tornando uma das mais importantes da atualidade, e para o resgate de uma iniciativa histórica, a produção ligada à Cooperativa Brasileira de Cinema, a Corcina. Como distribuidora independente e amparada pela Lei do Curta, então em vigor e que obrigava o circuito cinematográfico comercial a exibir um filme brasileiro de até dez minutos antes do longa estrangeiro, a Corcina se tornou o grande portal do final dos anos 1970 e início dos anos 1980 para um cinema mais arrojado, anárquico e livre, talvez o grande surto antecipatório de um cinema experimental brasileiro.


A Programação Completa


sab 1
14h – Em CartazHélio Oiticica de César Oiticica Filho. Brasil, 2012. Documentário. 94’. Exibição em DCP.

dom 2
14h – Em Cartaz – Hélio Oiticica de César Oiticica Filho. Brasil, 2012. Documentário. 94’. Exibição em DCP.

seg 3
14h – Em Cartaz – Hélio Oiticica de César Oiticica Filho. Brasil, 2012. Documentário. 94’. Exibição em DCP.

ter 4
14h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Chega de fiu-fiu de Amanda Kamanchek Lemos e Fernanda Frazão. Brasil, 2018. Documentário. 74’. Exibição em .mov (H264). Sessão seguida de roda de conversa.
16h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Seja bela e se cale (Sois belle e tais-toi) de Delphine Seyrig. França, 1981. Documentário. 115’. Exibição em .mov (H264).
18h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Precisamos falar de assédio de Paula Sacchetta. Brasil, 2016. Documentário. 80’. Exibição em .mov (H264). Sessão seguida de roda de conversa.
20h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Chega de assédio, debate com Paula Sacchetta, documentarista, diretora de “Precisamos falar do assédio”, Kenia Maria, escritora e atriz, Defensora dos Direitos das Mulheres Negras na ONU e mobilizadora do projeto Criança Esperança, Giowana Cambrone, advogada, professora de direito, especialista em democracia participativa e movimento sociais, assessora jurídica do programa Rio sem Homofobia, e Larissa Schmillevitch, psicóloga e articuladora do Mapa do Acolhimento, com mediação de Amanda Kamanchek Lemos, jornalista, diretora de “Chega de Fiu-Fiu”.

qua 5
14h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Que horas ela volta? de Anna Muylaert. Brasil, 2015. Com Regina Casé e Camila Márdila. 114’. Exibição em .mov (H264). Sessão seguida de roda de conversa.
16h30 – Século XXI: Mulheres, Ação! – Nascida! (Accouche!) de Ioana Wieder. França, 1977. Documentário. 48’57”. Exibição em .mov (H264).
18h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Aborto dos outros de Carla Gallo. Brasil, 2007. Documentário. 72′. + Clandestinas de Fadhia Salomão. Brasil, 2014. Documentário. 24’. Exibição em .mov (H264).
20h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Maternidade, uma escolha, debate com Renata Corrêa – escritora, roteirista de Clandestinas, Ana Clara Toledo, Coordenadora de Comunicação da Beta, a robô feminista, Jacqueline Alves, enfermeira obstétrica, pesquisadora na área de saúde da mulher com foco na atenção ao parto e ao nascimento, mãe em tempo integral, ativista pela eliminação de iniquidades raciais e de gênero, Ariana Santos, Mestranda do Instituto de Medicina Social, enfermeira obstétrica na Casa de Parto e atendente a partos domiciliares pelo Projeto Sankofa, com mediação de mediadora de Ellen Paes, jornalista, diretora de #euvocêtodasnós.

qui 6
14h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Mate-me por favor de Anita Rocha da Silveira. Brasil, 2015. Com Valentina Herszage, Dora Freind e Mariana Oliveira . 105’. Exibição em DCP.
16h – Século XXI: Mulheres, Ação! – A FHAR – Frente Homossexual de Ação Revolucionária (Le FHAR – Front Homosexuel d’Action Revolutionnaire) de Carole Roussopulos. França, 1971. Documentário. 26’. Quem tem medo das amazonas? (Qui a peur des amazones?) de Carole Roussopoulos. Suíça, 2003. Documentário. 27′. Exibição em .mov (H264).
18h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Amor maldito de Adélia Sampaio. Brasil, 1984. Com Monique Lafond e Wilma Dias. 76’. + Arremate de Éthel Oliveira. Brasil, 2017. Documentário. 27′. Exibição em .mov (H264). Sessão seguida de homenagem à diretora Adélia Sampaio.
20h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Lesbianidade, Ação!, debate com Fatinha Lima, ativista LGBT, criadora do Favela Cineclube, Éthel Oliveira, diretora de Arremate e Bruna Lizmeyer, atriz, com mediação Camila Marins, jornalista, ativista lésbica e uma das editoras da Revista Brejeiras.

sex 7
14h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Sou feia, mas tô na moda de Denise Garcia. Brasil, 2004. Documentário. 12’. + Mulheres no funk de Luisa Nolasco. Brasil, 2013. Documentário. 12′. Exibição em .mov (H264). Sessão seguida de roda de conversa.
16h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Audre Lorde – Os anos berlinense 1984-1992 (Audre Lorde – Die Berliner Jahre 1984-1992) de Dagmar Schultz. Alemanha, 2012. Documentário. 81’. Exibição em .mov (H264).
18h – Século XXI: Mulheres, Ação! / Curtas Protagonismo Negras – Tia Ciata de Mariana Campos e Raquel Beatriz. Brasil, 2017. Documentário. 26’. + Travessia de Safira Moreira. Brasil, 2017. Documentário. 5′. + Privilégios de Rosa Miranda. Brasil, 2018. Documentário. 19′. + A boneca e o silêncio de Carol Rodrigues. Brasil, 2015. Com Eduardo Silva e Giovanni Gallo. 7′. + Manual de Letícia Simões. Brasil, 2016. Documentário 7′. + O rito de Cintia Lima. Brasil, 2014. Video-arte. 7’40”. + Kbela de Yasmin Thayná. Documentário. 20′. Exibição em .mov (H264).
20h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Protagonismo Negras, debate com Rosa Miranda, Curadora e Produtora do Cineclube Atlântico Negro, mestranda no Programa de Pós Graduação em Cinema pela Universidade Federal Fluminense, Diretora de Privilégios, Sabrina Fidalgo, Roteirista, Atriz, Produtora, Diretora de Rainha, Ana Paula Alves Ribeiro, Cientista Social e Professora da UERJ, e Lucia Xavier, Assistente Social, Coordenadora Geral de Criola, com mediação de Edmeire Exaltação, coordenadora da Casa das Pretas.

sab 8
14h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Meu corpo é político de Alice Ryff. Brasil, 2017. Documentário. 72’. Exibição em .mov (H264).
16h – Século XXI: Mulheres, Ação! – A Carole Roussopoulos, uma mulher à câmara (Carole Roussopoulos, une femme à la camera) de Emmanuelle de Riedmatten. Suíça, 2011. Documentário. 76’. Exibição em .mov (H264).
18h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Retrato de Simone De Bouvoir de Alice Schwarzer. Alemanha, 1974. Documentário. 45’. Exibição em .mov (H264).
19h – Século XXI: Mulheres, Ação! – O Centro Audiovisual Simone de Bouvoir, palestra com Nicole Fernández Ferrer, diretora do Centro Audiovisual Simone de Bouvoir.

dom 9
10h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Atividades livres na área dos pilotis do museu, envolvendo aulas de ioga, massagens, bambolês, piquenique, venda de produtos e ocupação geral.
13h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Slam das Minas, com batalha de poesia na área dos pilotis do museu.
14h – Século XXI: Mulheres, Ação! / Girl Power – Rainha de Sabrina Fidalgo. Brasil, 2016. Com Ana Flávia Cavalcanti e Marco Andrade. 30’. + Cores e botas de Juliana Vicente. Brasil, 2011. Com Bruno Lourenço e Dani Ornellas. 15′. + Gorda de Luiza Junqueira. Brasil, 2015. Documentário. 15′. + Castanho de Eduardo Valente. Brasil, 2002. Com Ana Paula Pedro e Isabel Pacheco. 12′. + Filme Catástrofe de Gustavo Vinagre. Brasil, 2017. Com Gilda Nomacce, Julia Katharine e Majeca Angelucci. 19′. Exibição em .mov (H264).
16h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Euvocêtodasnós de Ellen Paes e Rafael Figueiredo. Brasil, 2017. Documentário. 53’. Exibição em .mov (H264).
18h – Século XXI: Mulheres, Ação! – Encerramento

qua 19
14h – Em CartazHélio Oiticica de César Oiticica Filho. Brasil, 2012. Documentário. 94’. Exibição em DCP.
17h30 – Dobra / Convocatória I: Pesquisa de Imagens e Materialidades Fílmicas – Ember de Jaílson Barros. Brasil, 2016. 2’24”. Exibição em .mov (H264). + Quieto, Noz (Quiet, Walnut) de Juliana Robles. Suíça, 2018. 8’. Exibição em MP4 (H264). + 3 (de zero) (3 (from zero)) de Jimmy Schaus. EUA, 2017. 4’. + A mesa (la mesa) de Adrian Garcia Gomez. EUA, 2018. 9’45”. + Prazeres telecinéticos (Telekinetic pleasures) de Daniel Fawcett & Clara Pais. Grã-Bretanha, 2018. 8’18”. + Peri-feria de Mariana Dianela Torres. México, 2017. 2’19”. Antes (Before) de Cecilia Araneda. Canadá, 2016. 3’35”. + Refinando os sentidos (Refining the senses) de Atoosa Pour Hosseini. Irlanda, 2017. 12’. Exibição em .mov (H264). Legendas em português. Curadoria: Cris Miranda, Lucas Murari, Luiz Garcia e Rita Piffer
19h – Dobra / NoctilucaScreen Project: Os movimentos da Terra – Pedra do sol (Piedra de sol) de Coletivo Los Ingravidos. México, 2017. 9′. + Xapirimuu de Coletivo Orssarara. Brasil/Colômbia, 2016. 6′. + O metal segue falando (Chi Rütran Amulniei ñi Nütram) de Francisco Huichaqueo. Chile, 2016. 19′. + O ciumento (The jealous one) de Karrabing Film Collective. Australia, 2017. 29′. Experimental. Versões originais com legendas em inglês e espanhol. Exibição em mov (H264). Curadoria Hambre | espacio cine experimental + revistaClima.com
20h30 – Dobra / Lançamento de Livro – Lançamento com distribuição gratuita da edição bilíngue de La radicalidad de la imagen: Des-bordando latitudes latino-americanas. Sobre algunos modos del cine experimental, de 2016, organizado por Sebastian Wiedeman e Florencia Incarbone, integrantes de Hambre / espacio cine experimental, com a presença e a apresnetação do primeiro e exibição posterior dos curtas Familiar de Paz Encina. Paraguai, 2014. Experimental. 9′. + O silêncio habita sua janela (El silencio habita tu ventana) de Cecilia Translaviña. Colômbia, 2010. Experimental. 8′. Exibição em mov (H264). Legendas em espanhol e inglês.

qui 20
14h – Em Cartaz – Hélio Oiticica de César Oiticica Filho. Brasil, 2012. Documentário. 94’. Exibição em DCP.
17h30 – Dobra / Convocatória II: Etnografias do Presente – Tupianas de Marcos Bonisson e Khalil Charif. Brasil, 2016. 5’35”. Exibição em .mov (H264). + Um filme para Ehuana de Louise Botkay. Brasil, 2018. 27’. Exibição em DCP. + Self portrait: a invenção do Brasil de Sidney Schroeder. Brasil, 2017. 9’. + Olhar no fim do meio de Manu Campos. Brasil, 2018. 18’. + Gede Vision de Jefferson Kielwagen, Jean-Daniel Lafontant, Marcos Serafim, Steevens Simeon. Haiti, 2018. 15’. Exibição em .mov (H264). Legendas em português. Curadoria: Cris Miranda, Lucas Murari, Luiz Garcia e Rita Piffer
19h – Dobra / Corcina I: Filmes de Artista e Mecanismos de Controle – Os sonacirema de André Parente. Brasil, 1978. 11′. Mockumentário. Exibição em 35mm. + Era uma vez de Jorge Abranches. Brasil, 1979. Marionetes. 11′. + Vocês de Arthur Omar. Brasil, 1978. 7′. Com Iso Milman. Experimental. Exibição em 16mm. + Curto Circuito de André Parente. Brasil, 1980. Com Joel Barcelos. 13′. Exibição em 35mm. + Cildo Meireles de Wilson Coutinho. Brasil, 1979. Documentário. 11′. Exibição em 16mm. + O guarda-chuva vermelho de Lygia Pape. Brasil, 1963-79. Documentário. 10′. Exibição em 35mm. + Acorde maior de José Inácio Parente. Brasil, 1984. Documentário. 4′. Exibição em 35mm. Sessão apresentada pelos curadores Lucas Parente e Roberto Moura

sex 21
14h – Em Cartaz – Hélio Oiticica de César Oiticica Filho. Brasil, 2012. Documentário. 94’. Exibição em DCP.
17h30 – Dobra / Corcina II: Abertura e crise – Entre o Cíclico e o Paradoxal – Fênix de Sylvio Da-Rin. Brasil, 1980. Documentário. 12’. + Alegria de papel de José Carlos Asbeg. Brasil, 1980. Documentário. 10’. + A venda de Lúcio Aguiar. Brasil, 1978. Com Maria Cristina. 9’. + Ato delituoso impune de Lúcio Aguiar. Brasil, 1981. Com Lúcio Aguiar e Fernando Dimas. 7’. + Legítima defesa de Lúcio Aguiar. Brasil, 1981. Com Lúcio Aguiar e Fernando Dimas. 9’. + Observatório de Pompeu Aguiar. Brasil, 1982. Com Nina de Pádua e Eduardo Machado. 35′. Exibição em 35mm. Curadoria Lucas Parente e Roberto Moura
19h – Dobra / Convocatória III: Estéticas do Não Humano – Aún de Jaílson Barros. Brasil, 2018. 5’10”. + Estado líquido de Fernanda Ramos. Brasil, 2016. 4’. + Enterrado em luz (Buried in light) de Gautam Valluri. França/Índia, 2016. 10’40”. + Hoje, ruínas do amanhã de Evandro Machado. Brasil, 2017. 10’40”. + Animal-Estar de Bárbara Bergamaschi. Brasil, 2017. 4’31”. + Glacies de Pierre Villemin. França, 2018. 8’. Com certo animal (Animal Within) de Ivone Sheen e Rebeca Alvan. Peru, 2018. 11’44”. + Bad dog de Pedro Gossler. Brasil, 2017. 4’58”. + O acre perdido (The lost acre) de Laura McMorrow. Irlanda, 2018. 3’44”. Exibição em .mov (H264). Legendas em português. Curadoria: Cris Miranda, Lucas Murari, Luiz Garcia e Rita Piffer

sab 22
14h – Em Cartaz – Hélio Oiticica de César Oiticica Filho. Brasil, 2012. Documentário. 94’. Exibição em DCP.
16h – Dobra / Convocatória IV: Vanguardas Políticas, Vanguardas Artísticas – Memórias vermelho azuladas de Iván Argote. Colômbia/França/Ucrânia, 2017. 12’. Exibição em .mov (H264). + La picota de Ana González. Colômbia, 2018. 2’55”. Exibição em MP4 (H264). + Eclipse de Emilia Izquierdo. Grâ-Bretanha, 2017. 4’50”. + Iku Manieva de Isaac Ruiz Gastélum. México, 2017. 7’30”. + Buscador de Javier González Benavides. México, 2018. 9’20”. + Contemplação ilegal de Rrose Present. Espanha, 2018. 2’. + Deriva de Laura Focarazzo. Argentina, 2017. 2’. Exibição em .mov (H264). + basta de yann beauvais. França, 2018. 1’20”. + Desculpe me afoguei (Sorry I drowned) de Médicos Sem Fronteiras (Hussein Nakhai e David Hachby). Líbano, 2017. 6’35”. + A luta vive de Coletivo Atos da Mooca. Brasil, 2017. 16’48”. Exibição em MP4 (H264). Legendas em português. Curadoria: Cris Miranda, Lucas Murari, Luiz Garcia e Rita Piffer
17h30 – Dobra / Convocatória V: Corpo e Performance – Quando o caminho do peixe é uma escolha de Yudji Oliveira. Brasil, 2017. 3’51”. Exibição em .mov (H264). + Vanitas de Vinícius Cardoso. Brasil, 2017. 5’30”. Exibição em MP4 (H264). + Elogio da sombra de Joel Pizzini. Brasil, 2016. 13’42”. Exibição em DCP. + João de Clementino Júnior e Márcio Januário. Brasil, 2018. 3’. + A imaginação toma o poder de Grupo Dobra. Brasil, 2018. 4’14”. + Taquaril Moonstruck de Lucas Parente. Brasil, 2018.13’40”. + Ajna de Sara não tem nome e Julia Baumfeld. Brasil, 2017. 9’02”. + Terra não dita, mar não visto de Lia Letícia. Brasil, 2017. 9’02”. Exibição em .mov (H264). Curadoria: Cris Miranda, Lucas Murari, Luiz Garcia e Rita Piffer
19h – Dobra / Corcina III: Por uma Antropologia Poética da Cidade – CinemAção Curta-metralha de Sérgio Péo. Brasil, 1978. Documentário. 10’. Exibição em 16mm. + Cinemas fechados de Sérgio Péo. Brasil, 1980. Documentário. 13’. Exibição em 35mm. + Lá dentro, lá fora de José Carlos Asbeg e Rubem Corveto. Brasil, 1981. Documentário. 10’. + Balas e bolas de Emiliano Ribeiro e Jorge Abranches. Brasil, 1978. Documentário. 8’. + Copa Mixta de José Joffily. Brasil, 1979. Documentário. 10’. + Ritos de passagem de Sandra Werneck. Brasil, 1979. 12′. Documentário. + Angela Noite de Roberto Moura. Brasil, 1980. Documentário. 12′. Exibição em 35mm. Sessão seguida de roda de conversa. Curadoria Lucas Parente e Roberto Moura
20h30 – Dobra / Bate-Papo Corcina – Debate com os realizadores que integraram a Cooperativa Brasileira de Cinema – Corcina.

dom 23
14h – Cine Molière – exibição em filme em francês para público infantil. Sessão fechada.
16h – Em Cartaz – Hélio Oiticica de César Oiticica Filho. Brasil, 2012. Documentário. 94’. Exibição em DCP.

seg 24
14h – Em Cartaz – Hélio Oiticica de César Oiticica Filho. Brasil, 2012. Documentário. 94’. Exibição em DCP.
19h – Pré-estréiaO inexplicável de Charles Daves. Brasil, 2018. Com Alegria Mattus, Ary Aguiar, Emmanuelle Lima e Luisa Tenan. 16’. Exibição em mov (H264). Sessão seguida de roda de conversa.

ter 25
14h – Em Cartaz – Hélio Oiticica de César Oiticica Filho. Brasil, 2012. Documentário. 94’. Exibição em DCP.
18h – KinoDeleuze – Curso “Artaud, Dreyer, Deleuze – Cinema e pensamento” com o professor Bruno Cava. Entrada franca

qua 26
14h – Em Cartaz – Hélio Oiticica de César Oiticica Filho. Brasil, 2012. Documentário. 94’. Exibição em DCP.

qui 27
14h – Em Cartaz – Hélio Oiticica de César Oiticica Filho. Brasil, 2012. Documentário. 94’. Exibição em DCP.

sex 28
9h – ROTA – Festival de Roteiro Audiovisual: Seminários, Masterclasses e Mesas de discussão
18h30 – ROTA – Festival de Roteiro Audiovisual: Mostra Hors Concours
20h – ROTA – Festival de Roteiro Audiovisual: Mostra de Curtas A
sab 29
9h – ROTA – Festival de Roteiro Audiovisual: Seminários, Masterclasses e Mesas de discussão
19h – ROTA – Festival de Roteiro Audiovisual: Mostra de Curtas B
dom 30
9h – ROTA – Festival de Roteiro Audiovisual – Seminário.
16h – ROTA – Festival de Roteiro Audiovisual: Pitchings do Laboratório
19h30 – ROTA – Festival de Roteiro Audiovisual – Cerimônia de Premiação e Homenagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados