Os Vencedores do 46a edição


São oito títulos longas-metragens em competição, visto que o nono filme, “O Banquete”, de Daniela Thomas (de “Vazante”) foi retirado à pedido de sua diretora. Quatorze curtas-metragens pelo prêmio Kikito. E cinco longas estrangeiros. O País Convidado foi a Itália. No palco, o som do grupo “50 Tons de Pretas” (formado há um pouco mais de um ano) embalou a cerimônia apresentada por Leonardo Machado e Renata Boldrini.

O Avental Rosa (2018) – RS, de Jayme Monjardim; Simonal (2018) – RJ, de Leonardo Domingues; Mormaço (2018) – RJ, de Marina Meliande; Ferrugem (2018) – PR, de Aly Muritiba; Benzinho (2018) – RJ, de Gustavo Pizz; A Voz do Silêncio (2018) – SP, de André Ristum; A Cidade dos Piratas (2018) – RS, de Otto Guerra; e 10 Segundos Para Vencer (2018) – RJ, de José Alvarenga Jr.



Melhor Filme
Curta-Metragem: “Guaxuma”, de Nara Normande
Longa Estrangeiro: “As Herdeiras”, de Marcelo Martinessi
Longa-Metragem: “Ferrugem”, de Gustavo Pizzi
Menção Honrosa: “A Cidade dos Piratas”, de Otto Guerra

Melhor Direção
Curta-Metragem: Fabio Rodrigo, por “Kairo”
Longa Estrangeiro: Marcelo Martinessi, por “As Herdeiras”
Longa-Metragem: André Ristum, por “A Voz do Silêncio”

Melhor Atriz
Curta-Metragem: Maria Tugira Cardoso, por “Catadora de Gente”, de Mirela Kruel
Longa Estrangeiro: Ana Brun, Margarita Irún e  Ana Ivanova, por “As Herdeiras”, de Marcelo Martinessi
Longa-Metragem: Karine Teles, por “Benzinho”, de Gustavo Pizzi (“sugerir novas opções com amor como energia e potência e não como pieguice”)

Melhor Ator
Curta-Metragem: Manoel do Norte, por “A Retirada Para Um Coração Bruto”, Marco Antonio Pereira
Longa Estrangeiro: Néstor Guzzini, por “Mi Mundial”, de Carlos Morelli
Longa-Metragem: Osmar Prado, por “Dez Segundos Para Vencer”, de José Alvarenga Jr.

Melhor Atriz Coadjuvante
Longa-Metragem: Adriana Esteves, por “Benzinho”, de Gustavo Pizzi

Melhor Ator Coadjuvante
Longa-Metragem: Ricardo Gelli, por “Dez Segundos Para Vencer”, de José Alvarenga Jr.

Melhor Roteiro
Curta-Metragem: “A Retirada Para Um Coração Bruto”, de Marco Antonio Pereira
Longa Estrangeiro: “As Herdeiras”, de Marcelo Martinessi
Longa-Metragem: Aly Muritiba e Jessica Candal, por “Ferrugem”, de Aly Muritiba

Melhor Fotografia
Curta-Metragem: “Nova Iorque”, de Leo Tabosa (“Ancine, eu existo!”)
Longa Estrangeiro: “Averno”, de Marcos Loyaza
Longa-Metragem: Pablo Baião, por “Simonal”, de Leonardo Domingues

Melhor Montagem
Curta-Metragem: “Aquarela”, de Thiago Kistenmacker e Al Danuzio (“Ancine, eu existo!”)
Longa-Metragem: Gustavo Giani, por “A Voz do Silêncio”, de André Ristum

Melhor Trilha Sonora
Curta-Metragem: “A Retirada Para Um Coração Bruto”, de Marco Antonio Pereira
Longa-Metragem: Max e Simoninha, por “Simonal”, de Leonardo Domingues

Melhor Direção de Arte
Curta-Metragem: “Torre”, de Nádia Mangolini (e na camisa da diretora “Ancine, eu existo!”)
Longa-Metragem: Yurika Yamazaki, por “Siimonal”, de Leonardo Domingues

Melhor Desenho de Som
Curta-Metragem: “Aquarela”, de Thiago Kistenmacker e Al Danuzio (“um filme denúncia”)
Longa-Metragem: “Ferrugem”, de Aly Muritiba (“o silêncio também é narrativo, a sutileza conta muitas história” e “curta-metragem é filme”)

Melhor Filme – Júri Popular
Curta-Metragem: “Torre”, de Nádia Mangolini
Longa Estrangeiro: “As Herdeiras”, de Marcelo Martinessi
Longa-Metragem: “Benzinho”, de Gustavo Pizzi

Melhor Filme – Júri da Crítica
Curta-Metragem: “Torre”, de Nádia Mangolini
Longa Estrangeiro: “As Herdeiras”, de Marcelo Martinessi
Longa-Metragem: “Benzinho”, de Gustavo Pizzi (“muito incrível juntar público e crítica”)

Prêmio Especial do Júri
Curta-Metragem: “Estamos Todos Aqui”, de Chico Santos e Rafael Mellim
Longa Estrangeiro: “Averno”, de Marcos Loyaza

Prêmio Canal Brasil
Curta-Metragem: “Nova Iorque”, de Leo Tabosa

Prêmio Especial do Júri – Troféu Cidade de Gramado
Ney Latorraca

Críticas Relacionadas

Crítica: Ferrugem

Um Filme Enferrujado

Crítica + Vídeo: Benzinho

Um Filme Que Vive, Ama, Cresce e Aceita a Necessidade da Partida

Crítica: As Herdeiras

A procura de novos tesouros

Crítica Curta: Guaxuma

Memórias e distâncias de um Brasil contemporâneo

Crítica: Yonlu

As tentativas-porquês de um fim

Crítica Curta: Plantae

Cine Ceará 2018: Impacto realista no imaginário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados