le-redoutable-poster

Festival de Cannes 2017: “Le Redoutable”


Do diretor francês Michel Hazanavicius (de “O Artista“, “Os Infiéis“, segment “La bonne conscience”, “Agente 117: Rio Não Responde Mais” – este sobre um espião francês que tem uma missão no Rio de Janeiro), 107 minutos. Com Louis Garrel, Stacy Martin, Bérénice Bejo.

Baseado no livro autobiográfico da atriz Anne Wiazemsky. Após terminar seu longo e famoso relacionamento com a sua musa Anna Karina e em meio à fase revolucionária de sua carreira, o célebre diretor e escritor Jean-Luc Godard (Louis Garrel) inicia a produção de seu mais novo filme: “A Chinesa“, longa que narra a história de um grupo de jovens que tentam incorporar princípios maoístas ao seu cotidiano político. Durante as filmagens, ele conhece Anne Wiazemsky (Stacy Martin) e, logo, os dois se apaixonam.

“O Formidável – Le Redoutable” integra a competição oficial a Palma de Ouro do Festival de Cannes 2017. Aguarde a crítica!


O diretor Michel Hazanavicius, com 50 anos, nasceu em Paris, 29 de março de 1967. Iniciou sua carreira na TV no Canal Plus em 1988. Em 1993, escreve e dirige seu primeiro telefilme, “La Classe américaine”. Ganha notoriedade com os filmes de espionagem e comédia “OSS 117: Cairo”, de 2006 e sua sequência, “OSS 117 : Rio”, de 2009. Escreveu e dirigiu “O Artista”, de 2011, filme mudo e em preto e branco, uma homenagem ao cinema clássico, em que participaram sua esposa Bérénice Bejo e Jean Dujardin, com quem havia trabalhado em OSS. Esse filme ganhou o Oscar de Melhor Filme em 2012 e de Melhor Diretor.


Jean-Luc Godard nasceu em Paris, 3 de Dezembro de 1930. É um cineasta franco-suíço reconhecido por um cinema vanguardista, polêmico, provocador e radicalmente político, e de forma ágil questionou os dilemas e perplexidades do século XX. Além disso, é também um dos principais nomes da “Nouvelle Vague”. Leia mais AQUI. Confira também críticas de “Nouvelle Vague“, “O Demônio das Onze Horas“, “Eu Vou Saúdo Maria“, “Adeus à Linguagem“, “Filme Socialismo“.


Críticas Relacionadas

Crítica: O Artista

A Nostalgia Filosófica do Real Querer

Crítica: Os Infiéis

O jogo de erros e acertos em um filme de muitos

Crítica: A Chinesa

As teóricas camadas políticas pela revolucionária verborragia literária de Godard

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados