Por Fabricio Duque
Festival do Rio 2013

“As Lágrimas”, exibido no último
Festival do Rio 2013, busca a atmosfera de naturalidade cotidiana pop e de
nostalgia contemporânea, ao usar Sonic Youth, “Laranja Mecânica” e “Onde Vivem
Os Monstros”. A direção é de Pablo Delgado Sánchez, seu filme de graduação no Centro de Capacitación
Cinematográfica. O som ambiente suaviza o silêncio. A depressão cresce e se
instaura, personificando em tela um existencialismo respeitado pelo elemento
temporal. O leite (alimento do crescimento físico) metaforiza o irmão “bad
boy”, o outro “carente” e a mãe “ausente”. É um filme de adjetivos, que não se
constroem, apenas são retratados. Aos poucos, papéis são trocados por
necessidades, como a importância sentimental e assim as brincadeiras e
picardias saudáveis entre os irmãos os unem. Embarcam numa viagem “on the road”
sem tempo, à princípio. A jornada inclui bad trip, estágios defensivos de fuga,
alcoolismo, conflitos da própria convivência do dia-a-dia (que atrapalham e
geram “irritações”). A “ajuda” faz com que o mais novo experimente a
possibilidade de “estar tendo” um pai por um irmão substituto. A fotografia,
parecendo 16mm, encena um congelamento do tempo, mesclando saudade e querer
utópico (digno do ser humano). No final, tenta-se explicar tudo de uma vez,
gerando a correria narrativa, desnecessariamente. A fábula de um dia “respira”
esperança de fazer dormir sofrimentos e situações que não podem ser
modificadas. O longa-metragem ganhou o prêmio Carte
Blanche para pós-produção no Festival de Locarno. 
As férias de verão são tradicionalmente um período longo e chato para
os irmãos Fernando e Gabriel. Enquanto a mãe lamenta a ausência do pai dos
meninos, eles têm de se cuidar sozinhos. Fernando é autodestrutivo e bebe
compulsivamente em festas, enquanto Gabriel passa bastante tempo na frente da
televisão. A possibilidade de acampar oferece aos garotos uma promessa da
calmaria da natureza. Todavia, na viagem afloram sentimentos como raiva e
mágoa, capturados em cenas e situações improvisadas. Festival de Roterdã 2013.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados