Apresentação
O Vertentes do Cinema convidou Erika Liporaci, do site Artes & Subversão, especializado em cinema italiano. A crítica “roubada” (porém com todos os créditos a sua competente “dona”) é intercalada com trechos da entrevista com os diretores do filme “Salvo”, os sicilianos Antonio Piazza e Fabio Grassadonia. 
Por Erika Liporaci
“Salvo” é um belo exemplo de essência da sétima arte. É um filme com um enredo simples, tem pouquíssimos diálogos e, ainda assim, consegue manter o espectador inebriado diante da tela por mais de 100 minutos. Talvez porque hoje em dia muitos filmes se apropriem da linguagem televisiva ou sigam sua opção diametralmente oposta – mas igualmente preguiçosa –, aquela de se apoiar exclusivamente em efeitos especiais. 
“Salvo” resgata o cinema de imagem, de longos planos, de silêncios pontuados por tensão, de trilha sonora que vai além da música, de olhares que explicam mais do que palavras. E esse filme tão maduro vem de dois estreantes: Antonio Piazza e Fabio Grassadonia eram ambos roteiristas, realizaram um curta juntos e agora estreiam na direção de longas com este filme de encher os olhos.
“Nós gostamos de dizer que a vida do filme mudou. Quando fomos a Cannes não tínhamos um distribuidor na Itália e, se esse prêmio não tivesse vindo, talvez o filme nem estreasse no nosso país. Você sabia que um distribuidor brasileiro comprou o filme logo que chegamos lá? Os italianos só compraram depois que fomos premiados”, com a palavra, os diretores.
Salvo é ambientado na terra natal de Piazza e Grassadonia, a Sicília. Em um pedaço de Palermo dominado pela máfia, Salvo é guarda-costas e faz-tudo para o chefão local. Quando este sofre um atentado, o menino de ouro é enviado para justiçar o traidor. Chegando à casa do homem que deve matar, Salvo descobre que ele mora com uma irmã cega, Rita, que vive o terror de escutar o irmão sendo assassinado. Com o trauma, algo de milagroso acontece: Rita começa a recuperar a visão. Salvo, por outro lado, sente-se tocado por um ser humano pela primeira vez e não consegue matar Rita. Resolve escondê-la, levando-a para uma fábrica abandonada, situação que obviamente não poderá se sustentar por muito tempo.
“A máfia siciliana não é mais imbatível como antes, perdeu muito de seu poder e influência. Essas organizações ainda são fortes em alguns lugares do país. Na Sicília, nem tanto. Hoje em dia, até mesmo a máfia anda em crise e nós queríamos mostrar esse ambiente sufocante, com personagens que buscam escapar de um lugar que parece desolado, longe do resto do mundo”, complementa-se. 
A primeira coisa que impressiona no filme é sua atmosfera de western em conjunto com um clima noir. O jovem Salvo, assim como os personagens de Clint Eastwood nos filmes de Sergio Leone, representa o estranho sem nome, o homem de poucas palavras e quase nenhuma consciência, a perfeita máquina de matar. Até mesmo o modo como o ator Saleh Bakri se move em cena (rígido, com as costas sempre muito retas) reforça essa impressão. Enquanto isso, a Rita de Sara Serraiocco é puro sentimento. A moça ondeia, apesar de sua cegueira, cantando sempre a mesma canção romântica. Rita está dentro do ambiente da máfia e, ao mesmo tempo, sua deficiência lhe permite ficar à margem dele.
A direção espetacular define bem a claustrofobia e o isolamento de Salvo: entendemos que o rapaz não tem ninguém, que provavelmente foi posto sob a proteção deste criminoso quando ainda era um adolescente e que, também ele, está dentro do mundo do crime, mas não se sente completamente integrado nele. Ao mesmo tempo, ele parece nunca ter conhecido outro modo de vida. Além das imagens, também o som desempenha um papel fundamental na trama. Os efeitos sonoros do filme muitas vezes funcionam como catalisadores de tensão, causando toda uma gama de sensações. É como se em Palermo o som dos tiros e o barulho do mar pudessem ser igualmente ensurdecedores.
“Sim, tem essa referência (ao Western), ainda que o cenário onde ele foi rodado não precise de muita coisa para se assemelhar ao do western, mas também fomos bastante influenciados pelo noir. Você pode reparar que no começo temos muitos planos fechados, em ambientes pequenos. A câmera se move em espaços confinados. Só depois os espaços se expandem, à medida que os dois protagonistas começam a desenvolver uma relação”, finaliza-se. 
Tecnicamente, “Salvo” é um primor. Mas não é só. A perfeição dos planos, a direção segura, a expressividade no rosto dos atores, enfim, as qualidades técnicas ajudam a contar a história, mas nunca se sobrepõem a ela. Mais importante é a vontade de escapar de um mundo que não te deixa muita opção, as decisões difíceis que cedo ou tarde deverão ser tomadas, a ruptura do confortável em nome do correto, a mudança que deve partir de cada um e, sobretudo, o amor que surge apesar de tudo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados