Entre Bruxas, vampiros e escritores holográficos 
 Por Fabricio Duque 
O diretor Francis Ford Coppola, famoso pela saga “O Poderoso Chefão”, pai da cineasta Sofia Coppola (de “Somewhere”) e tio do ator Nicolas Cage, encontra-se num momento de experimentação cinematográfica. A percepção foi observada no penúltimo filme “Tetro”, um longa-metragem em preto-e-branco, que se utilizava da estranheza poética como forma narrativa. Em seu mais recente trabalho, “Twixt”, conserva as características do anterior, abordando o realismo fantástico de uma fábula de horror referenciada na atmosfera de Edgar Alan Poe, considerado o inventor do gênero ficção policial. Coppola busca transpassar a aura misteriosa e macabra presente nos livros do escritor, fazendo do roteiro uma metalinguagem do cinema e da literatura. Há o “escritor” imaginável que se encontra com o escritor real (dentro da trama), ora por sonho, ora por personagens espectros. “Vampiros são bruxas que bebem sangue”, diz-se. Quando o diretor tenta incluir possibilidades demasiadas e variadas, o filme se perde no próprio contexto, soando amador e utópico, este último por acreditar que há veracidade na história contada e não uma adaptação livre (beirando o patético às vezes) de um conto de horror. Há cenas interessantes como o processo de um escritor, interpretado pelo ator Val Kilmer e a da venda de seu livro. Hilárias, idiossincráticas e análises da atualidade editorial, interferido pelo gosto mórbido de cada um de nós, que afeta a criação artística. Coppola “viaja” na ideia unilateral e individualista de experimentar apenas para si a ausência da criatividade, expresso no comportamento impaciente que adotou nos últimos anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados