Ficha Técnica 


Direção: Seth MacFarlane 
Roteiro: Seth MacFarlane, Alec Sulkin, Wellesley Wild 
Elenco: Mila Kunis, Mark Wahlberg, Giovanni Ribisi, Jessica Stroup, Patrick Warburton, Seth MacFarlane, Joel McHale, Laura Vandervoort, Melissa Ordway
Fotografia: Michael Barrett 
Trilha Sonora: Walter Murphy 
Produção: Jason Clark, John Jacobs, Seth MacFarlane, Scott Stuber, Wellesley Wild 
Distribuidora: Paramount Pictures Brasil 
Estúdio: Universal Pictures / Fuzzy Door Productions 
Classificação: 16 anos 
Duração: 106 minutos 
País: EUA 
Ano: 2012

 

O Discurso Politicamente Incorreto de Um Ursinho de Pelúcia 

“Ted” integra o gênero cinematográfico denominado “Awkward” (embaraçoso, em inglês), por utilizar piadas escatológicas e antissemitas (sobre obesos, judeus, mulheres, política, indo de Justin Bieber a Susan Boyle, passando por Sinead O’Connor), humor negro e pejorativo, resultando numa comédia politicamente incorreta. As referências irônicas podem ser entendidas como transgressões de um discurso, principalmente por centrar a história em um urso de pelúcia que recebe a dádiva da vida, tornando-se um individuo social. “Depois de um tempo, ninguém liga mais”, diz-se por causa da fantasiosa ideia de um animado e falante ursinho. O roteiro busca abrigo em outro gênero, o das paródias, ao incluir Flash Gordon, Star Wars, e tantos outros, e distancia-se do caminho da ética. As “transgressões” sociais (manipuladas pelas ideias do ser de pelúcia – sem a doçura esperada), como por exemplo, prostitutas, perversões sexuais, drogas, “socar” pessoas e crianças (para criar limites nestas últimas), ter o carro dirigido por um urso, quartos quebrados, preconceito com chineses e homossexuais, são “consumidas” e aceitáveis.
E quando transpassa a tela, transmite ao espectador uma cumplicidade com o tema polêmico. A sinopse tendência à atmosfera de universo fantástico pela animação realista, gerando intersessões existencialistas ao abordar carência, dependência, solidão, resignação dos pais (desencadeando a aceitação do filho de que brinquedos substituem a companhia) e alienação de uma sociedade perdida na própria hipocrisia. Em um Natal, o ursinho de pelúcia de John Bennett (Mark Wahlberg, de “Boogie Nights – Prazer Sem Limites”, “O Vencedor”, “Planeta dos Macacos”) ganha vida. Os dois crescem juntos. E, já adulto, ele deve escolher entre ficar com sua namorada Lori Collins (Mila Kunis, de “Amizade Colorida”, “Cisne Negro”) ou manter sua amizade com o urso Ted (voz de Seth MacFarlane, o diretor do filme em questão aqui, que também fez a voz de Johann Krauss em “Hellboy 2 – O Exército Dourado”). Ao assistirmos, podemos identificar referências ao seriado televisivo inglês, “Wilfred”, que depois de fumar maconha em excesso, Ryan (Elijah Wood, de “O Senhor dos Anéis”) enxerga o cachorro da vizinha como humano.

O diretor Seth MacFarlane, criador das séries “Family Guy (Uma Família da Pesada)”, “American Dad”, é a “celebridade” mais inteligente da televisão, de acordo com uma lista de 25 nomes elaborada pela revista “Entertainment Weekly”, e o roteirista mais bem pago dos Estados Unidos. Em “Ted”, Seth imprime suas características, já realizadas nos trabalhos anteriores, e escreve o roteiro, exacerbando o tom polêmico, com o intuito de “chocar”, percebendo-se, claramente, uma crítica afiada, acirrada e direta aos americanos, mas não só eles. Ninguém escapa, nem os italianos. Outra observação explicita é o elenco de coadjuvantes, repleto de artistas: Norah Jones, Giovanni Ribisi, Patrick Stewart (como o narrador da história) e Ryan Reynolds. Concluindo, um filme que pretende desmascarar a essência volitiva de cada um pelo humor embaraçoso, criando no espectador a sensação de culpa pelo ato do riso. O roteiro atinge o seu objetivo, mas se perde a exagerar o tom, que passeia pela linha “tosca” (referenciada, talvez, pelo seriado Flash Gordon) e amadora, chegando ao patético em certos momentos. Como informação adicional, a continuação de “Ted” já está confirmada.
 

O Diretor 
 Seth Woodbury MacFarlane, nasceu em 26 de outubro de 1973. É o criador das séries de animação Family Guy, American Dad!, The Winner e The Cleveland Show. MacFarlane foi o roteirista do desenho Ace Ventura: Pet Detective (no Brasil, Ace Ventura: Um Detetive Diferente. Em 1996 criou um sketch, “The Life of Larry”, nos desenhos Larry and Steve, da Hanna-Barbera. Ainda na HB, produziu episódios de Johnny Bravo de 1995 e 1996. De acordo com uma lista de 25 nomes elaborada pela revista Entertainment Weekly, Seth McFarlane é a celebridade mais inteligente da televisão, deixando a comediante e roteirista Tina Fey em segundo lugar e, em terceiro, a diretora da CBS Paramount, Nancy Tellem.
MacFarlane é, atualmente, o roteirista mais bem pago dos EUA, e sua mais recente criação, The Cleveland Show, no ar desde 2009, tem como protagonista o afro-americano Cleveland Brown, amigo de Peter Griffin em Family Guy.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados