Anuncie no Vertentes do Cinema

Os Filhos de Breno Silveira

O diretor brasileiro de 48 anos, mais “sentimental” dos nossos cineastas, não tem medo das próprias emoções. 
Breno Silveira nasceu em 5 de fevereiro de 1964, Brasília, Distrito Federal. É fotógrafo, sócio da produtora Conspiração Filmes desde 1996 e diretor de filmes “bregas”, “2 Filhos de Francisco”, sobre a vida de Zezé di Camargo e Luciano, “À Beira do Caminho”, com músicas de Roberto Carlos, “Era uma Vez”, sobre a vida de moradores de uma favela, e do seu último “Gonzaga de Pai Para Filho”, abordando a relação entre Luiz Gonzaga (o Rei do Baião) e seu filho. O diretor sempre buscou, ao dizer, “ser simples na história, singelo na forma, mas pegando profundamente as pessoas, cortando, doendo”. Durante o processo de edição do filme “À Beira do Caminho”, morre sua mulher, Renata Magalhães da Silveira, a quem o filme é dedicado, assim comoveu o público e amigos que acompanharam a sua dor. A trama versa sobre perdas, mas principalmente de amor e redenção. “Meu filme não é uma tragédia, não é pesado. É a história de um homem reaprendendo a amar. Mostra que nunca é tarde para revisitar suas dores e entendê-las. Até a fotografia de Lula Carvalho funciona como uma metáfora da alma de João (personagem do filme)”, diz o cineasta. Breno assume que é emotivo, desbragadamente apaixonado pelas coisas brasileiras e por pessoas simples e nunca se importou em ser chamado de “sentimental demais”. “Há uma linha tênue entre o piegas, o clichê, e o que tem verdade, sentimento. É nessa corda bamba que eu gosto de andar”, finaliza o diretor contendo a emoção do momento. 

Anuncie no Vertentes do Cinema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *