Crítica: Batguano

Uma “terapia venenosa” anti-tédio, anti-loucura e anti-monotonia

Crítica: Aquilo que Fazemos Com…

Passionalidade transposta de ingenuidade utópica