Os Vencedores do Festival de Cannes 2018

Por Fabricio Duque

Durante o Festival de Cannes 2018


Nas vésperas da premiação oficial do Festival de Cannes 2018, nós, árduos trabalhadores críticos, ainda que completamente exaustos e exauridos, visível nas live diárias, sentimos um retrocesso, uma abstinência cinematográfica. Sim, nosso vício é alimentado por filmes e mais filmes, estes nosso material bruto, nossa filosofia, nossa religião à sagrada e divina sétima arte.

Em todo festival, nós também somos consumidos e estimulados por achismos. e assim supomos adivinhações de qual filme será a Palma de Ouro observando detalhes e pseudo pistas. A deste ano foi que como a presidente do Júri, a atriz Cate Blanchett, é uma mulher, e que organizou uma cerimônia a favor da luta feminina, então o prêmio deveria ir a uma diretora. E dentro desta ideia voltamos atrás, tentando entender que óbvio demais, esquecendo que o subjetivismo é condição máxima e absoluta na decisão.

A cerimônia deste ano manteve o padrão em seu início com a dobradinha de Édouard Baer (que também apresentou a abertura). Cada prêmio era anunciado com um convidado responsável. Até aí tudo bem. Mas foi quando Asia Argento (filho do diretor Dario Argento) iniciou seu discurso que todos seguiram em um silêncio sepulcral.

A atriz disse ter sido estuprada por Harvey Weinstein (“Ele viverá em desgraça, afastado da comunidade do cinema, que um dia o abraçou e encobriu seus crimes”) aos vinte e um anos em Cannes (“Este festival era o lugar onde ele caçava”). O procedimento a seguir precisou da destreza e perspicácia de atuação de Cate, que anunciaria o respectivo prêmio da ordem.

Sim, também sempre há amores e ódios demais no Festival de Cannes. Os filmes são detestados ou endeusados. Meio termo é para os fracos, dizem alguns. Há passionais aplausos e vaias na sessão de exibição. Todos lutam por seus queridinhos e favoritos. E no final, uma novidade: júri e premiados saem do Grand Théatre Lumière para assistir a um show de Ska-reggae com Sting e Shaggy cantando e dançando no Tapete Vermelho. A escolha poderia tornar-se ridícula e fora de conceito, mas não. Pelo contrário. Forneceu modernidade e orgânica espontaneidade.


A Lista Oficial e Completa dos Premiados


Competição Longas-Metragens

Palma de Ouro: “The Shoplifters | Nanbiki Kazoku”, de Kore-Eda Hirokazu
Palma de Ouro Especial: “Image Book | Le Livre D’Image”, de Jean-Luc Godard
Grande Prêmio do Júri: “Blackkklansman”, de Spike Lee
Melhor Diretor: “Cold War | Zimna Wojna”, de Pawel Pawlikowski
Melhor Roteiro: Empate: “Lazzaro Felice”, de Alice Rohrwacher; e “3 Faces”, Jafar Panahi
Prêmio do Júri: “Capharnaüm”, de Nadine Labaki
Melhor Atriz: Samal Yeslyamova, por “Ayka”
Melhor Ator: Marcello Fonte, por “Dogman”


Competição Curtas-Metragens

Palma de Ouro de Melhor Curta-Metragem: “All These Creatures”, de Charles Williams
Menção Honrosa Curta-Metragem: “On The Border”, de Wei Shujun


Un Certain Regard

Prêmio Un Certain Regard: “Gräns | Border”, de Ali Abbasi
Prêmio do Júri: “Chuva é Cantoria na Aldeia dos Mortos”, de João Salaviza e Renée Nader Messora
Melhor Direção: “Donbass”, de Sergei Loznitsa
Melhor Roteiro: “Sofia”, de Meryem Benm’Barek
Melhor Ator: Victor Polster, por “Girl”, de Lukas Dhont


Cámera D’Or

Câmera de Ouro (Primeiro Filme): “Girl”, de Lukas Dhont


Fipresci (Prêmio Internacional da Crítica)

Semana da Crítica: “Egy Nap”, de Zsófia Szilàgyi
Un Certain Regard: “Girl”, de Lukas Dhont
Competition: “Burning”, de Lee Chang-Dong


Prêmios Júri Ecumênico

Menção Especial: “Blackkklansman”, de Spike Lee
Prize Awards: “Capharnaüm”, de Nadine Labaki


Olho de Ouro (Prêmio de Melhor Documentário)

“Samouni Road”, de Stefano Savona


Palm Dog

Palma Dog: Elenco Canino de “Dogman”
Grande Prêmio do Júri: “Diamantino”
Palm Dog Manitarian Award – Vanessa Davies and her pug Patrick
Special Jury Prize: Security dogs Lilou, Glock and Even


Semaine de La Critique

Grande Prêmio: “Diamantino”, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt


La Quinzaine des Réalisateurs

Prêmio Cinema de Arte: “Climax”, de Gaspar Noé
Europa Cinemas Lable: “Lucia’s Grace”, de Gianni Zanasi
Prêmio da Société des auteurs et compositeurs dramatiques (SACD): “The trouble with you”, de Pierre Salvadori
Prêmio de Curta-Metragem: “Skip Day”, de Patrick Bresnan e Ivete Lucas


Prêmio Vertentes do Cinema

PALMA DE OURO: “Shopliters | Manbiki Kazoku”, de Hirokazu Kore-Eda.
GRANDE PRÊMIO DO JÚRI: “Capharnaüm”, de Nadine Labaki.
PRÊMIO DE DIREÇÃO: Nuri Bilge Ceylan, por “The Wild Pear Tree”
PRÊMIO DE ROTEIRO: “Blackkklansman”, de Spike Lee.
MELHOR ATRIZ: Samal Yeslyamova, por “Ayka”, de Serguey Dvortsevoy.
MELHOR ATOR (empate): Vincent Lindon, por “En Guerre”, de Stéphane Brizé; Zain Alrafeea, por “Capharnaüm”, de Nadine Labaki; e Marcello Fonte, por “Dogman”, de Matteo Garrone.
PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI: “Cold War”, de Pawel Pawlikowski, por Melhor Fotografia.
PRÊMIO UN CERTAIN REGARD: “Donbass”, de Sergei Loznitsa.
PRÊMIO ESPECIAL UN CERTAIN REGARD: “In My Room”, de Ulrich Köhler.
MELHOR FILME DO FESTIVAL DE CANNES 2018 (empate): “Diamantino”, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt; e “Wildlife”, de Paul Dano.
PRÊMIO DESCOBERTA NO ESCURO (empate): “Girl”, de Lukas Dhont; e “Sauvage”, de Camille Vidal-Naquet.


Top 10 Playlist Musical do Festival de Cannes 2018


“Alabama Song”, de The Doors
“That’s Us / Wild Combination”, de Arthur Russel
“In The Deathcar”, de Iggy Pop
“Bicep”, de Glue
“Adagio for Strings”, Tiesto
“Just Like a Woman”, de Bob Dylan
“YMCA”, de Village People
“Ciranda da Bailarina”, de Chico Buarque
“Chariots of Fire”, de Vangelis
“Chandelier”, de Sia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados