Por Release Oficial


A efervescente Hong Kong, quando ainda era uma colônia britânica, foi o principal centro de produção de cinema asiático, formando uma indústria forte que dominava as bilheterias em todo o sudeste do continente. Atores como Bruce Lee e Jackie Chan, diretores como John Woo e Tsui Hark, antes de serem consagrados no ocidente, já eram grandes estrelas no apogeu das produções de Hong Kong, nos anos 60/80. Essa parte importante da história do cinema, pouco conhecida do público brasileiro, será apresentada na mostra Cidade em Chamas: O Cinema de Hong Kong, que exibirá 23 longas-metragens, do auge do sucesso da produtora Shaw Brothers, nos anos 60/70, passando pelo cinema novo de Hong Kong do começo dos anos 80, até 1997, quando a colônia foi devolvida à China, a presença de Hollywood na região era mais forte e começava a decadência da produção. O projeto é patrocinado pelo Banco do Brasil, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

“A mostra apresenta filmes nos mais diversos gêneros e registros (artes marciais, tanto os filmes de espadachim como os de kung fu, comédias rasgadas, musicais melodramáticos, filmes policiais, de horror e fantasia), sucessos de crítica e também populares, tentando abarcar quando possível tanto os principais diretores (King Hu, Chang, Cheh, Patrick Tam, Tsui Hark, John Woo), como as principais estrelas (Grace Chang, Ti Lung, Bruce Lee, Jackie Chan, SammoHung, ChowYun Fat, Leslie Cheung) do período”, comenta o curador Filipe Furtado. Ele destaca, entre seus filmes favoritos, Nômade(1982), de Patrick Tam, um dos pontos altos do Cinema Novo de Hong Kong e grande influência sobre Wong Kar-Wai,Sonhos da Ópera de Pequim(1986), de Tsui Hark, sobre um grupo de revolucionários na China de 1913 à beira de uma guerra civil, e O Arco(1969), de Cecile Tang, um dos primeiros filmes orientais dirigido por uma mulher, que lida com a falta de opções femininas e estratificação social. “Teremos também muitos clássicos do cinema de ação – O Grande Mestre Beberrão (1966), de King Hu, Golden Swallow(1968), de Chang Cheh, referências fortes para O Tigre e o Dragão, de Ang Lee; e Ho, o Sujo (1979), de Lau Kar Leung, que influênciou Quentin TarantinoemKill Bill”.

A programação inclui alguns filmes com entrada franca (as senhas serão distribuídas a partir de uma hora antes do início da sessão), entre eles Projeto China (1983), de Jackie Chan, que terá uma sessão inclusiva com audiodescrição e tradução para a linguagem de LIBRAS, no dia 23, quarta-feira, às 16h.


Atividades extras

Para o público se aprofundar nesta fascinante filmografia, a mostra promoverá duas atividades extras, com entrada franca, e lançará um catálogo que poderá ser trocado por cinco ingressos de filmes assistidos durante o evento. No dia 17 de maio (quinta), às 19h, será realizado um debate, com tradução para linguagem de LIBRAS, com o curador da mostra Filipe Furtado, o crítico de cinema Ruy Gardnier, emediação do produtor da mostra Julio Bezerra. E, nos dias 16, 17 e 18, das 14h às 15h30, será oferecido o curso “O cinema de Hong Kong”, com Filipe Furtado. As incrições para o curso devem ser feitas através do e-mail hongkongccbb@gmail.com.


O cinema de Hong Kong

Durante um logo período, entre a década de 50 do século passado e o fim dos anos 90, Hong Kong produzia filmes de ação, musicais, melodramas e comédias, sem grandes preocupações com bom gosto e preferência pelo excesso. A indústria cinematográfica local criou, aos poucos, um forte star systemincluindo nomes que viriam a se tornar populares no ocidente como Bruce Lee, Jackie Chan e ChowYun-Fat, e deu oportunidade a cineastas criativos como King Hu, Chang Cheh, John Woo, Tsui Hark e Wong Kar-wai. O que começou como uma opção de fuga para alguns realizadores e produtores chineses no pós-guerra, logo se tornou um grande e efervescente centro de produção (no seu auge a cidade chegou a produzir 200 longas-metragens por ano). A regra em Hong Kong sempre foi clara: filme rápido e dentro do orçamento e tudo será liberado. Não haverá limites de conteúdo, nem das leis da física. Os filmes eram vendidos antes de serem filmados ou por vezes sequer escritos só com base num título e nas estrelas locais escaladas, o que garantia que mesmo os fracassos jamais dessem prejuízos.

A despeito de ocasionais surtos de interesse (sobretudo a onda dos filmes de kung fu após o sucesso de Bruce Lee nos anos 70) é a partir de meados da década de 80 que cinéfilos e críticos ocidentais descobem a produção local. O que começou como um culto abastecido pela venda de filmes piratas nos bairros chineses das grandes cidades foi aos poucos ganhando respeitabilidade até que o cinema americano veio bater a porta e importar o talento local. Um cinema que fascinou os ocidentais justamente pela sua pluralidade e liberdade, sua recusa às regras e ao bom tom.



Programação – CCBB Rio de Janeiro


Quarta, 2 de maio
17h – “Ho, o sujo”. “Dirty Ho / Lan to he”. De Lau Kar Leung (Hong Kong,1979). Com Wong Yue, Gordon Liu, Lo Lieh. 97 min. 14 anos.
O principe Wang (Liu) se mantém incógnito como um reles mercador. Ele se torna amigo do ladrão vagabundo Ho (Wong) e o transforma no seu guarda costas. Quando o príncipe se torna alvo de assassinos, Ho precisa se transformar num guarda costas de verdade. Um dos mais suntuosos filmes de artes marciais feitos com excepcional coreografia do mestre Lau Kar Leung.

19h – Sessão gratuita – “Pedicab Driver”. “Qun long xi feng”. De Sammo Hung (Hong Kong,1989). Com Sammo Hung, Benny Mok, Hoi Mang. 95 min. 14 anos
Dois motoristas de bicicleta-taxi se apaixonam por duas garotas que trabalham para chefes cruéis e abusivos. Eles tentam arranjar uma maneira de conquistar as gatoras e livrá-las dos chefes. As duas principais sequencias de luta são o ponto alto da carreira de coreógrafo de Sammo Hung.

Quinta, 3 de maio
17h – “Made in Hong Kong”. Heung Gong jai lo”. DeFruit Chan (Hong Kong,1997). Com Sam Lee, NeikyYim, Wenders Li.108 min. 14 anos.
Um jovem membro da máfia de Hong Kong (Lee) passa seus dias em busca de alguma perspectiva em companhia de um parceiro de crimes (Li) e uma garota com doença terminal (Yim). Sua existência é assombrada pelo diário de uma colegial suicida. Uma das primeiras produções genuinamente independentes de Hong Kong é um retrato duro da juventude local no momento do retorno à China.

19h15 – “Rouge”. “Yan zhi kou”. De Stanley Kwan (Hong Kong, 1987). Com Anita Mui, Leslie Cheung, Alex Man.96 min. 14 anos.
Fleur é a estrela de um bordel chinês dos anos 30. Ela e Chan, um herdeiro de um império de farmácias, se apaixonam, mas as pressões familiares impedem o casamento. Eles optam então por um pacto suicida. 50 anos depois o fantasma de Fleur chega a um jornal querendo colocar um classificado à procura de Chan, que nunca chegou ao além. Um jornalista e sua namorada se fascinam pela história.

Sexta, 4 de maio
17h – “Os detetives”. “The Private Eyes / Ban jin ba liang”. DeMichael Hui (Hong Kong, 1976). Com Michael Hui, Sam Hui, Ricky Hui. 94 min. 14 anos.
Michael Hui, o maior comediante chinês das décadas de 70/80, se une aos seus dois irmãos, o galã Sam e o atrapalhado Ricky. Michael é o turrão dono de uma agência de detetives pronto a explorar Sam e Ricky. Juntos eles investigam os mais diferentes casos, geralmente envolvendo um adultério, incluindo um assalto a um cinema.

19h – “O Deus da cozinha”. “God of Cookery/ Sik San”. DeStephen Chow e Lik-Chi Lee (Hong Kong, 1996). Com Stephen Chow, Karen Mok, Man-Tat Ng. 95 min. 14 anos.
O Deus da cozinha (Stephen Chow) era o maior chef do mundo, mas sua arrogância e ganância fizeram com que ele esquecesse a arte de cozinhar e se tornasse apenas uma marca. Desmascarado por um chef rival, cabe ao Deus da cozinha voltar às ruas, reencontrar seu dom e recuperar seu título num duelo culinário contra seu rival.

Sábado, 5 de maio
16h – “Alvo duplo”. “A Better Tomorrow/Ying hung boon sik”. De John Woo (Hong Kong, 1986). Com Ti Lung, Chow Yun-Fat, Leslie Cheung. 95 min. 14 anos.
Uma história de irmãos e “irmãos de sangue”. Ho (Ti Lung) é um gangster, Kit (Leslie Cheung), um policial. Ho vai para cadeia após armarem contra ele e Mark (Chow Yun-Fat) vinga o amigo. Agora, Ho está fora da cadeia e tenta seguir o caminho honesto, mas Kit e a sociedade não confiam nele. As armações de um gangster ardiloso acabam aproximando Ho, Kit e Mark e os obrigando a testar os seus valores. O filme que revelou John Woo como o grande mestre da ação.

18h – “Fervura máxima”. “Hard Boiled/Lat sau san taam”. De John Woo (Hong Kong, 1992). Com Chow Yun-Fat, Tony Leung Chi Wai, Teresa Mo. 128 min. 14 anos.
O policial durão Tequila (ChowYun-Fat) precisa se aliar a um policial infiltrado (Tony Leung) para deter uma gangue violenta e imprevisível. Esta trama simples serve de pano de fundo para algumas das mais espetaculares sequencias de ação já filmadas.

Domingo, 6 de maio
16h – Sessão gratuita – “Companheiros, quase uma história de amor”. “Comrades, Almost a Love Story/ Tian mi mi”. DePeter Chan (Hong Kong, 1996). Com Maggie Cheung, Leon Lai, Eric Tsang. 118 min. 14 anos.
Jun (Leon Lai) é um jovem interiorano da China continental que chega a Hong Kong, em 1986, em busca de melhores perspectivas para se casar com a namorada de longa data. Ele conhece Quiao (Maggie Cheung), uma jovem chinesa já habituada à correria e às ambições que marcam a vida cosmopolita de Hong Kong. Ela será sua guia, amiga, amante, e, ao longo de dez anos, suas vidas vão se entrelaçar múltiplas vezes, enquanto a colônia se aproxima da sua devolução à China.

18h15 – “Sonhos da Ópera de Pequim”. “Peking Opera Blues/Do ma daan”. De Tsui Hark (Hong Kong, 1986). Com Brigitte Lin, Sally Yeh, Cherie Chung. 104 min. 14 anos.
1913. China à beira da guerra civil com um governo corrupto e múltiplas facções buscando o poder. Um grupo de revolucionários tenta estabelecer uma república democrática. Entre os bastidores da Ópera de Pequim e os palácios do poder, três mulheres, uma golpista (Cherie Chung), uma aspirante à atriz (Sally Yeh) e a filha de um militar corrupto (Brigitte Lin) seguem cruzando os caminhos de um soldado desertor e um jovem revolucionário.

Segunda, 7 de maio
17h – “Não brinque com fogo”. “Dangerous Encounters – First Kind/Di ye lei xing wei xian”. De Tsui Hark (Hong Kong, 1980). Com Albert Au, Tin Sang Lung, Paul Che. 95 min. 14 anos.
Três jovens amigos vivem aprontando pequenos atos, como colocar uma bomba numa sala de cinema. Na vida deles entra uma garota solitária dada a jogos ainda mais perigosos. Do encontro deles e uma mala com notas promissórias japonesas surgirá uma escalada de violência. Esta obra-prima anarquista de Tsui Hark sobre juventude perdida de Hong Kong foi censurada e remontada à época do seu lançamento dado o seu conteúdo confrontador.

19h – “Made in Hong Kong”. Heung Gong jai lo”. DeFruit Chan (Hong Kong,1997).108 min. 14 anos.

Quarta, 9 de maio
17h – Sessão gratuita – “Projeto China”. “Project A/’A’ gai waak”. DeJackie Chan (Hong Kong, 1983). Com Jackie Chan, Sammo Hung, Yuen Biao. 105 min. 14 anos.
No final do século XIX, a colônia britânica de Hong Kong esta às voltas com uma horda de piratas. Oficiais corruptos seguem frustrando a guarda costeira local, mas Dragon Ma (Jackie Chan) não descansará até trazer paz às águas locais.

19h15 – Sessão gratuita – “Os condores do oriente”. “Eastern Condors/Dung fong tuk Ying”. De Sammo Hung (Hong Kong, 1987). Com Sammo Hung, Yuen Biao, Haing S. Ngor. 93 min. 14 anos.
Um grupo de prisioneiros asiáticos nos EUA recebe uma chance de perdão se forem ao Vietnã destruir uma base de mísseis secreta que os americanos deixaram para trás no fim da guerra. Lá se unem a um grupo de guerrilheiras e um artista marcial, mas há um traidor entre eles e é preciso chegar à base antes dos vietnamitas. Guerra, humor e ação nesta espécie de Os doze condenados (1967) de Hong Kong.

Quinta, 10 de maio
17h – “O Deus da cozinha”. “God of Cookery/ Sik San”. De Stephen Chow e Lik-Chi Lee (Hong Kong, 1996). 95 min. 14 anos.

19h – “Amar você”. “Loving You / Mou mei san taam”. De Johnnie To (Hong Kong, 1995). Com Lau Ching-Wan, Carman Lee, TsungHua-To. 84 min. 14 anos.
Liu (Lau Ching-wan) é um policial durão, desagradável e mulherengo. Sua esposa começou um caso e está grávida do amante. Quando Liu leva um tiro na cabeça numa emboscada e perde o controle de parte dos seus sentidos, sua esposa passa a tomar conta dele. Agora, Liu precisa reavaliar a vida, capturar o criminoso e, o mais importante, salvar seu casamento.

Sexta, 11 de maio
17h – “Rouge”. “Yan zhi kou”. De Stanley Kwan (Hong Kong, 1987).96 min. 14 anos.

19h – “O arco”. “The Arch / Dong fu ren”. De Cecile Tang (Hong Kong, 1969). Com Lisa Lu, Roy Chiao, Hilda Chow Hsuan. 94 min. 14 anos.
Madame Wu (Lu), uma viúva de meia idade prestes a ser honrada pelo imperador por sua castidade, se apaixona por um jovem militar (Chiao) que passa uma temporada em sua residência. Sua situação piora quando o militar passa a flertar com sua filha (Chow).

Sábado, 12 de maio
16h – “Não brinque com fogo”. “Dangerous Encounters – First Kind/Di ye lei xing wei xian”. De Tsui Hark (Hong Kong, 1980). 95 min. 14 anos.

18h – “Nômade”. “Nomad/Lie huo qing chun”. De Patrick Tam (Hong Kong, 1982). Com Leslie Cheung, Cecilia Yip, Pat Ha. 96 min. 14 anos.
Jovens perdidos se cruzam na noite de Hong Kong. A insatisfação dá lugar a uma possível utopia, mas a violência está ao lado. Um dos pontos altos do Cinema Novo de Hong Kong e grande influência sobre Wong Kar-Wai e seu desespero romântico.

Domingo, 13 de maio
16h – Sessão gratuita – “Projeto China”. “Project A/’A’ gai waak”. De Jackie Chan (Hong Kong, 1983). 105 min. 14 anos.

18h – “Police Story”. “Ging chat goo si”.DeJackie Chan (Hong Kong, 1985). Com Jackie Chan, Maggie Cheung, Brigitte Lin. 101 min. 14 anos.
Jackie é um policial honesto que precisa proteger uma testemunha de um importante caso contra um gangster. As coisas se complicam quando ele é acusado de matar um policial corrupto e tem que limpar seu nome. Exemplo maior do misto de humor e ação que fez o nome de Jackie Chan.

Segunda, 14 de maio
17h – Sessão gratuita – “Os condores do oriente”. “Eastern Condors/Dung fong tuk Ying”. DeSammo Hung (Hong Kong, 1987). 93 min. 14 anos.

19h – Sessão gratuita – “Pedicab Driver”. “Qun long xi feng”. De Sammo Hung (Hong Kong,1989). 95 min. 14 anos

Quarta, 16 de maio
17h – “Sonhos da Ópera de Pequim”. “Peking Opera Blues/Do ma daan”. DeTsui Hark (Hong Kong, 1986). 104 min. 14 anos.

19h – “O grande mestre beberrão”. “Come Drink With Me/Da Zui Xia”. DeKing Hu (Hong Kong, 1966). Com Cheng Pei-Pei, HuaYueh, Chih-Ching Yang. 91 min. 14 anos.
Criminosos sequestram o filho de um governador de província e exigem trocá-lo pela liberação do seu líder. A jovem Golden Swallow é enviada para resgatá-lo e acaba recrutando um vagabundo que se revela um mestre espadachim. Este é o primeiro grande filme de espadachim produzido pela Shaw Brothers.

Quinta, 17 de maio
17h – “Confissões íntimas de uma cortesã chinesa”. “Intimate Confessions of a Chinese Courtesan/Ai Nu”.DeKing Hu (Hong Kong, 1972). Com Lily Ho, Betty Pei Ti, Hua Yueh. 97 min. 14 anos.
Ai Nu é uma jovem pobre sequestrada e vendida ao Bordel das Quatro Estações. Lá a cafetina Chun Yi fará de tudo para quebrar seu espírito. Quando Ai Nu percebe que a cafetina está apaixonada por ela, iniciará um elaborado plano de vingança contra todos os que dela tiraram vantagem. Muito polêmico à época do seu lançamento dado o misto de erotismo e violência.

19h – Debate com o curador Filipe Furtado, o crítico de cinema Ruy Gardnier e o produtor Julio Bezerra, com tradução para linguagem de LIBRAS. Entrada franca.

Sexta, 18 de maio
17h – Sessão gratuita – “Companheiros, quase uma história de amor”. “Comrades, Almost a Love Story/ Tian mi mi”. DePeter Chan (Hong Kong, 1996). 118 min. 14 anos.

19h15 – “Os refugiados do barco”. “Boat People/Tau ban no hoi”.DeAnn Hui (Hong Kong, 1982). Com George Lam, Season Ma, Chang Tung-Sheng. 109 min. 14 anos.
Entre o fim dos anos 70 e os 80, Hong Kong se viu às voltas com um grande influxo de refugiados vietnamitas fugindo do regime comunista local, conhecidos simplesmente como “boat people”. A diretora Ann Hui fez uma série de filmes tentando aproximar a população local do drama deles. Os refugiados do barcoé o mais famoso deles. Nele, um fotojornalista japonês (George Lam), numa turnê oficial do regime, acaba por acidente se deparando com as dificuldades da população para além das imagens oficiais.

Sábado, 19 de maio
16h – “Golden Swallow”. “Jin Yan Zi”.DeChang Cheh (Hong Kong, 1968). Com Cheng Pei-Pei, Lo Lieh, Jimmy Yang Yu. 89 min. 14 anos.
Nesta continuação de O grande mestre beberrão, a jovem Golden Swallow (Cheng Pei-Pei) aposentou-se das aventuras e vive em paz com a companhia de um “amigo” (Lo Lieh) até que uma série de crimes a obriga a ter que limpar seu nome. Ela encontra com um antigo amante (Jimmy Yang Yu) e um complicado triângulo se desenvolve.

18h – “Irmãos de sangue”. “Blood Brothers/Ci Ma”.DeChang Cheh (Hong Kong, 1973). Com David Chiang, Ti Lung, Chen Kuan-Tai. 118 min. 14 anos.
Chang (Chiang), Huang (Chen) são dois pequenos bandidos que formam uma forte amizade com o soldado Ma (Lung) e montam um exército poderoso para tomar a província, levando Ma ao poder. Os irmãos de sangue, contudo, serão testados quando a cobiça e a luxuria fazem com que Ma volte os olhos para a bela esposa de Huang.

Domingo, 20 de maio
16h – “O arco”. “The Arch / Dong fu ren”. DeCecile Tang (Hong Kong, 1969). 94 min. 14 anos.

18h – “O amor eterno”. “The Love Eterne / Liang Shan Bo yu Zhu Ying Tai”.DeHan Hsiang Li (Hong Kong, 1963). Com Betty LohTi, Ivy Ling Po, Yanyan Chen. 122 min. 14 anos.
Uma jovem entra para uma universidade disfarçada de homem já que as tradições da China do Século IV proíbem o ensino superior feminino. Lá ela se torna “irmão de sangue” de um colega e aos poucos a paixão desperta entre os dois. Esta opereta é a mais popular versão da folclórica história dos “Amantes da borboleta” já filmada várias vezes. Como manda a tradição da opera Huangmei ambos os papeis centrais são interpretados por mulheres.

Segunda, 21 de maio
17h – “Amar você”. “Loving You / Mou mei san taam”. DeJohnnie To (Hong Kong, 1995). 84 min. 14 anos.

19h – “Os detetives”. “The Private Eyes / Ban jin ba liang”. DeMichael Hui (Hong Kong, 1976). 94 min. 14 anos.

Quarta, 23 de maio
16h – Sessão gratuita – “Projeto China”. “Project A/’A’ gai waak”. DeJackie Chan (Hong Kong, 1983). 105 min. 14 anos. Sessão Inclusiva – audiodescrição + legendagem + LIBRAS.

18h30 – “Fervura máxima”. “Hard Boiled/Lat sau san taam”. DeJohn Woo (Hong Kong, 1992). 128 min. 14 anos.

Quinta, 24 de maio
17h – “Police Story”. “Ging chat goo si”.DeJackie Chan (Hong Kong, 1985). 101 min. 14 anoS.

19h – “O grande mestre beberrão”. “Come Drink With Me/Da Zui Xia”. DeKing Hu (Hong Kong, 1966). 91 min. 14 anos.

Sexta, 25 de maio
17h – “Alvo duplo”. “A Better Tomorrow/Ying hung boon sik”. DeJohn Woo (Hong Kong, 1986). 95 min. 14 anos.

19h – “Irmãos de sangue”. “Blood Brothers/Ci Ma”.DeChang Cheh (Hong Kong, 1973). 118 min. 14 anos.

Sábado, 26 de maio
16h – “O amor eterno”. “The Love Eterne / Liang Shan Bo yu Zhu Ying Tai”.DeHan Hsiang Li (Hong Kong, 1963). 122 min. 14 anos.

18h – “Os refugiados do barco”. “Boat People/Tau ban no hoi”.DeAnn Hui (Hong Kong, 1982). 109 min. 14 anos.

Domingo, 27 de maio
16h – “Ho, o sujo”. “Dirty Ho / Lan to he”. De Lau Kar Leung (Hong Kong,1979). 97 min. 14 anos.

18h – “Confissões íntimas de uma cortesã chinesa”. “Intimate Confessions of a Chinese Courtesan/Ai Nu”.DeKing Hu (Hong Kong, 1972). 97 min. 14 anos.

Segunda, 28 de maio
17h – “Nômade”. “Nomad/Lie huo qing chun”. DePatrick Tam (Hong Kong, 1982). 96 min. 14 anos.

19h – “Golden Swallow”. “Jin Yan Zi”.DeChang Cheh (Hong Kong, 1968). 89 min. 14 anos.


Serviço

Cidade em Chamas: O Cinema de Hong Kong
fb.me/ocinemadehongkong
Patrocínio: Banco do Brasil
Curadoria: Filipe Furtado
Produção: Julio Bezerra
Realização: Centro Cultural Banco do Brasil

Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro
2 a 28 de maio de 2018
Rua Primeiro de Março 66, Centro, tel (21) 3808-2020
Sala de Cinema 1 (98 lugares) – Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados