Festival de Berlim 2018: “Khook”


Do diretor iraniano Mani Haghighi (de “A Dragon Arrives!“, e que foi ator nos filmes: “À Procura de Elly“, de Asghar Farhadi), 108 minutos. Com Hasan Ma’juni, Leila Hatami, Leili Rashidi. O público pode ampliar o conhecimento farsi. Nós aprendemos que “Khook” significa pig (porco em português).


Hasan está com raiva. É um diretor que está anos na lista negra, sem autorização para realizar um filme. A atriz que ele fez uma estrela, e por quem está apaixonado, agora decide filmar com outro diretor. O pior de tudo, no entanto, é que em Teerã e seus arredores, cineastas estão sendo assassinados. Mas por que o assassino em série o ignora de todas as pessoas? Hasan está devastado: ele não é o melhor cineasta da cidade? Por que ele não está sendo decapitado? Sua frustração é exacerbada quando, como resultado de uma série de mal-entendidos estranhos, ele se torna o principal suspeito. Há um frenesi divulgado na mídia social. Sua popularidade está caindo a cada minuto. Hasan precisa de um plano diabólico para restaurar sua reputação. Em Khook, une narcisismo e vaidade. Essa comédia turbulenta se transforma em um retrato psicológico enigmático de uma alma artística torturada e ofendida.


“Khook (Pig, Porco)” integra a competição oficial do Festival de Berlim 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados